Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Quando a possessividade e o despotismo dos pais estragam a vida dos filhos

Resultado de imagem para autoritarismo

 

Quando vejo, actualmente, situações destas, vem-me sempre à memória o caso de uma antiga vizinha minha, e da sua filha, alguns anos mais velha que eu.

Estava eu na pré adolescência, quando esta rapariga começou a namorar.

Antes, andava sempre com a mãe para todo o lado, tal como hoje a minha filha anda comigo e, até aí, nada de mais.

Como dizia, ela começou a namorar e o rapaz foi aparentemente bem aceite pela futura sogra. 

Aparentemente porque, se pela frente, era toda sorrisos e amabilidade, pelas costas, envenenava a filha contra ele, provocava intrigas, arranjava forma de se chatearem até que, um dia, conseguiu o seu propósito, e a relação acabou.

Tinha a filha para si, novamente. E esta situação repetiu-se até a rapariga se tornar uma mulher de quase 40 anos, solteira e sem qualquer namorado, porque a mãe se encarregava de estragar qualquer relação que ela tivesse.

Felizmente, a filha teve coragem de, a determinada latura da sua vida, se impôr. Hoje, tem um companheiro, e dá-se bem com a mãe mas houve alguns anos em que a relação entre mãe e filha ficou tremida ou mesmo cortada.

Dá a ideia de que a mãe queria a filha só para ela, o tempo todo ao seu lado, sem a deixar viver a sua própria vida.

 

Existem pais que conseguem, de tal forma, fazer uso do autoritarismo que exercem, e da manipulação que fazem com os filhos, que os sufocam, não os deixando ter vida, amigos, relações amorosas.

São pessoas que pensam apenas em si próprias e naquilo que lhes faz falta, sem se importarem com o que os filhos querem e precisam. Na verdade, os filhos não têm direito a qualquer opinião ou escolha.

E se há os que se vão deixando manipular, os que vão aceitando, os que se vão sujeitando porque não têm outra hipótese, também há os que, mal possam, fogem destas relações destrutivas, deixando aqueles que, nem por um momento, pensaram na sua felicidade.

 

Não percebo como é que estes pais não vêem isso, que quanto mais prendem e sufocam os filhos, mais depressa se arriscam a perdê-los.

Não percebo como é que existem pais para quem a única vontade, os únicos desejos, os únicos interesses, os únicos amigos, as únicas actividades e os únicos passeios que contam, são unica e exclusivamente aqueles que os pais querem e gostam. Não pensam nem um único momento nos filhos?!

 

E depois, no meio de todo este autoritarismo, egoísmo e possessão, acabam por, muitas vezes, negligenciar e deixar por sua conta esses filhos, se eles não fizerem a sua vontade. 

Acabam por não se preocupar com o mais importante. Acabam por ser pais frios, desligados.

Acabam por criar filhos desestruturados, problemáticos, infelizes, tímidos, vulneráveis, estragando-lhes, a longo prazo, a vida, se eles não se conseguirem impôr e dar a volta.

 

 

 

 

Sierra Burgess is a Loser

Resultado de imagem para sierra burgess

 

O que retiro deste filme:

 

Por vezes, criticamos as pessoas por agirem de uma determinada forma, ou terem atitudes incorrectas. Mas temos que ter cuidado porque, sem nos apercebermos, podemo-nos vir a tornar iguais, ou ainda piores, que essas pessoas que criticámos.

 

Não existem vidas perfeitas, nem pessoas perfeitas. E é quando nos apercebemos de que, aquilo que imaginávmos sobre outra pessoa, está muito longe da realidade, que entendemos que, apesar de tudo, temos aquilo que precisamos.

 

É fácil incentivar os outros com mantras e pensamentos sobre como vencer a baixa autoestima e lidar com a rejeição e o bullying, quando nunca tivemos que passar por isso e sempre fomos aceites pelos padrões da sociedade. Quando já estivemos nessa situação, sabemos que, na prática, nem sempre é suficiente e resulta.

 

A aparência sempre foi, e ainda é, um factor importante no que toca a relações amorosas. A ideia é encontrar sempre as rosas mais bonitas. Mas existem muitas mais flores no mundo, e cada uma é bela à sua maneira. O que é preferível: uma rosa que apenas prima pela sua beleza, igual a tantas outras, e muitos espinhos prontos a serem cravados a qualquer instante, ou um girassol, com muito mais características que podem cativar?

 

Nem sempre as pessoas fúteis, são burras, e vice-versa. Por vezes, por baixo da futilidade, da malvadez, há alguém que só precisa de um verdadeiro amigo, de ajuda, de ver a vida de uma outra perspectiva.

 

 

Valeu a pena vê-lo!

 

 

Amor à Primeira Visualização

Foto de Marta - O meu canto.

 

Antigamente falava-se de “amor à primeira vista”.

Aquele momento em que, sem estarmos à espera, nos deparávamos com alguém do sexo oposto e, como por magia, ficávamos hipnotizados, sem conseguir deixar de olhar.

Algo dentro de nós nos fazia bater mais depressa o coração, sentir borboletas na barriga, e um nervoso miudinho capaz de nos deixar sem fala, muito atrapalhados.

Nesse momento, independentemente do que viesse, mais tarde, a acontecer, acreditávamos que era “amor à primeira vista”, e que essa pessoa era “a tal”.

Muitas relações começavam assim. Algumas, terminavam pouco depois. Outras perduravam, mostrando que era, de facto, amor o que sentiam um pelo outro.

 

 

Hoje, falamos de “amor à primeira visualização”.

Se os jovens de hoje em dia já nasceram na era das redes sociais, e é por aí que passa a maior parte da sua interação, seja com amigos, família ou até mesmo desconhecidos que pedem amizade ou a quem pedem amizade, os adultos, cada vez mais ocupados pelo trabalho e pelas diversas tarefas que são obrigados a desempenhar no seu dia-a-dia, veem nessas mesmas redes uma forma rápida e sem grande esforço de estabelecer contactos e, quem sabe, futuros relacionamentos.

Para os mais jovens, as saídas, os convívios e os encontros ainda são uma realidade. Já para os mais velhos, a disposição e paciência para voltar a passar por essas fases, ao fim de tantos anos, já não é a mesma. As redes sociais são uma forma de encurtar muitas das etapas que envolvem o surgimento de sentimentos de amizade, paixão, e amor.

 

 

Mas, afinal, como é que tudo isso acontece? É simples.

Estando registados numa qualquer rede social, acabamos por nos deparar com amigos de amigos, e conhecidos destes, ou por simplesmente pesquisar perfis.

E assim vão descobrindo aquela mulher fenomenal, aquele homem musculado, aquele rapaz giro, aquela miúda simpática. Até se depararem com “aquela pessoa”. É o amor à primeira visualização.

A partir daí, vão conversando e conhecendo melhor a pessoa que está do outro lado, até que decidem iniciar uma relação virtual ou passar a um relacionamento real. Ou bloquear definitivamente da sua rede, sem mais justificações. E passar ao próximo clique!

 

 

Texto escrito para a rubrica Cá Por Casa" da Inominável n.º 14

 

Reflexão do dia

Resultado de imagem para família

 

Que peso tem a família, nomeadamente a mais próxima (pais, avós, irmãos), no que respeita às decisões amorosas do familiar?

 

Será que, no momento em que avaliamos se a pessoa por quem estamos apaixonados e amamos, é a aquela com quem queremos partilhar a nossa vida, temos em conta o que a nossa família acha dessa pessoa?

 

A opinião da nossa família terá alguma influência na decisão que eventualmente tomarmos?

 

É possível uma união, seja ela qual for, sobreviver no meio de guerras entre familiares de ambos os lados, e desaprovação da relação por parte das famílias?

 

Devemos abdicar do amor, em prol da união da família, ou devemos lutar por este, ainda que se percam, pelo caminho, pessoas que julgámos que estariam sempre ao nosso lado, a apoiar a nossa felicidade? 

  • Blogs Portugal

  • BP