Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Rir é o melhor remédio

Sorriam porque...

 

 

queima calorias;

aumenta a esperança de vida;

reduz a tensão arterial;

oxigena o sanque;

reduz o risco de enfartes;

combate o stress;

estimula o cérebro;

liberta-nos;

 

é sinónimo de alegria...

 

...e porque a vida fica bem melhor quando o fazemos!

Nó na garganta

 

Hoje acordei com um nó na garganta...

Não tenho nenhum motivo específico para isso, pelo contrário. É sexta-feira, último dia da semana e de trabalho, que até termina mais cedo.

Vou estar com a minha filha em casa à tarde. Vou estar com o meu namorado no fim-de-semana.

Mas a verdade é que o nó está aqui...E veio acompanhado de tristeza...De uma vontade enorme de estar com a pessoa que eu amo...de me encostar seu peito, de me abandonar nos seus braços e deixar que o nó se desfaça naturalmente...

Fui trabalhar. O dinheiro faz falta, e numa altura destas não nos podemos dar ao luxo de perder o emprego. Não tive uma manhã fácil - parecia que alguém estava a querer mostrar-me ou a tentar provar que eu não dava conta do recado...Mas dei, apesar de tudo...

A tarde não foi melhor - não é fácil ser professora. Talvez a minha filha não tenha vontade de aprender, ou talvez eu não saiba ensinar...

O que para mim parece ser fácil, para ela pode não ser...mas há coisas que ela já devia ter na ponta da língua.

Talvez seja demasiado exigente com ela, mas a desvantagem em relação aos colegas é real, as fichas de avaliação estão a chegar e as provas intermédias à porta. Há mais de um mês que não vai à escola. Isso está a dar cabo de nós.

Ainda assim, passei o dia a brincar e a rir, a tentar (não sei se com sucesso) ter piada e disfarçar o que realmente ia cá dentro.

Claro que à noite, tal como o tempo descarregou toda a sua força, em forma de chuva e vento, também eu desabei...

 

    

Prometo Amar-te


Um acidente de automóvel coloca Paige (Rachel McAdams) em coma. Quando ela acorda e revela sofrer de total perda de memória, o seu marido Leo (Tatum) não tem outra alternativa senão empenhar-se para reconquistar o seu coração, pela segunda vez.
 
 
Para terminar em grande o espírito de S. Valentim, não podia deixar de falar neste filme que, para mim, será daqueles que, por mais vezes que o veja, nunca me irei cansar, e os sentimentos que ele me irá transmitir serão sempre os mesmos!
Baseado em factos verídicos, este filme faz-nos rir, mas também nos faz chorar em vários momentos, principalmente no fim, quando nos apercebemos do desfecho que o destino reservou às personagens, e que reflecte a verdadeira história.
Durante a maior parte do tempo coloquei-me no lugar dele - deve ser uma enorme sensação de frustração perceber que aquela mulher que está ali à sua frente, que ele ama mais que tudo na vida, a sua única família, com quem ele viveu tantos bons momentos, com quem ele casou, não se lembra de nada disso. Que o vê como um estranho, em quem não tem confiança, por quem não sente absolutamente nada...
E, por mais que ele tente, da forma que acha ser a melhor, ajudá-la, as coisas não correm como ele espera, e a esperança dá lugar ao desespero. 
Ele mantém-se a mesma pessoa, honesta, simples e pura, que prometeu (quase que a adivinhar o que iria acontecer) fazer tudo para que encontrassem sempre uma forma de ficar juntos, mesmo que houvesse algo que os afastasse. E acreditem que ele foi um homem paciente que, por amor a ela, se sujeitou e enfrentou situações que nem todos aguentariam. Mas ele também não é de ferro, também tem sentimentos e, por isso mesmo, chega o momento em que é preciso recuar, dar espaço, e esperar que a iniciativa venha da outra parte.
Também me coloquei no lugar dela, e deve ser igualmente frustrante o nosso cérebro ter apagado uma parte da nossa vida. Querermo-nos lembrar das coisas e não conseguirmos juntar as peças. Mais frustrante ainda estarmos debaixo da pressão de termos que nos lembrar porque todos estão à espera disso. Mas ela não se lembra de nada, a não ser do ex-namorado, da sua família, e dos tempos em que ainda não conhecia o seu marido. E, talvez para ela, isso seja suficiente, afinal não tem nada a perder...Pode reescrever a sua história da forma que entender...
Mas, quando um amor é verdadeiro, talvez essas duas pessoas estejam destinadas a ficar juntas...
Só mesmo vendo o filme para o descobrirem, mas posso dizer que o final para mim foi marcante. Primeiro porque estava a ver o filme e parecia que as coisas finalmente começavam a melhorar. De repente, acaba! E eu pensei: "então mas acaba assim?" Eu queria mais! E depois, aquela frase ficou a martelar-me na cabeça e não consegui desligar "ela nunca recuperou a memória..."
Nunca pensei que isso fosse possível, sempre tive aquela ideia que as pessoas perdiam temporariamente, mas aos poucos iam acabando por se lembrar. Para mim, foi um choque. Nem quero imaginar se algum dia isso me acontecesse...E pronto, lamechas como eu sou, não consegui evitar as lágrimas, que ao longo de todo o filme teimavam em dar um ar da sua graça!