Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Para além do Impossível, de C. Gonçalves

doc20171018223715_001.jpg

 

Há muito que as mulheres deixaram de ser educadas para casar cedo, ter filhos e cuidar do lar. Há muito que deixaram de ter o seu destino traçado pelos pais ou família, sem hipótese de reclamar ou rejeitar.

Felizmente, hoje em dia, a maioria das mulheres pode decidir o seu futuro, a sua vida, fazer as suas escolhas, ter acesso a cargos que antes pertenciam exclusivamente aos homens, planear como bem entendem o rumo que querem tomar enquanto por cá andam, sem dar satisfações a ninguém.

E quando as pessoas estão bem com a vida que levam, e sentem-se bem sabendo com o que contam, para quê mudar? Se se dão bem com as rotinas, para quê quebrá-las?

Porque é que os outros tentam sempre mudar a forma como nós vivemos, como se a vida que eles levam fosse também a melhor para nós? Como se a vida que levam fosse a melhor para eles próprios. Claro que é mais fácil aconselhar os outros, do que seguir esses conselhos quando é a nossa vez.

O que é bom e agrada a um, pode não ser e não agradar a outro. Mal de nós se fossemos todos iguais.

 

 

Mas, será que o amor é o elo comum a todos nós, e que faz falta a todos nós? Poderemos viver sem amor?

E, quando ele chega, é possível adaptá-lo às nossas rotinas, forma de pensar e modo de vida? Ou será ele uma espécie de furacão que vem para virar do avesso as nossas vidas, e mostrar-nos o outro lado da vida?

Poderá o amor vencer preconceitos e obstáculos, sobretudo aqueles que apenas existem na nossa cabeça? Ou será mais difícil, por não sabermos contra o que estamos a lutar?

 

 

De tudo isto nos fala o livro “Para além do Impossível”, de C. Gonçalves.

De Sara, uma mulher a chegar aos 40 anos, que tem a sua vida organizada, e vive realizada e feliz com aquilo que tem, e conquistou até agora, não havendo motivos para não o estar, afinal, não se pode sentir falta de algo que nunca se teve ou experimentou.

E de Santiago, um rapaz 11 anos mais novo que vai trabalhar com Sara, tendo-a como chefe, e que irá desafiá-la a todos os níveis.

É possível um homem tão novo amar uma mulher mais velha, sem outros interesses?

É possível duas pessoas, que trabalham juntas, desenvolverem uma relação amorosa, sem saírem prejudicados a nível profissional? Será ético?

Deixará Sara entrar este homem na sua vida, e transformá-la em algo ainda melhor? Ou será ela imune ao amor?

 

São vários os entraves que se colocam entre estas duas personagens. Alguns, bem reais. Outros, apenas resultam de uma falta de autoestima e conflitos interiores.

 

Se serão todos ultrapassados, chegando além do impossível, ou se esta relação esteve desde o início condenada ao fracasso, é o que irão descobrir ao ler este romance!

 

 

Sinopse

"Sara é uma mulher livre, independente e igualmente solitária. Com a aproximação dos quarenta anos, agarra-se à sua profissão para atingir a sua realização pessoal e faz da sua casa o seu refúgio, da sua vida um enigma. E é essa a sua forma de viver, onde usa as suas rotinas para se sentir segura.

Quando Santiago entra na sua perfeita existência e lhe vira a vida do avesso, ela irá perceber que, por vezes, o avesso é o lado certo. Mas quando tudo parece perfeito, os acontecimentos irão mostrar-lhes que a realidade pode mudar num instante e que juntos, terão que ultrapassar as dificuldades impostas pela própria vida.

Conseguirão fintar o destino e reescrever a história à sua maneira?

Um romance que aborda as relações pessoais no emprego, a diferença de idade e a descoberta do amor sem limites."

 

Autor: C. Gonçalves

Data de publicação: Agosto de 2017

Número de páginas: 372

ISBN: 978-989-52-0506-6

Colecção: Viagens na Ficção

Género: Romance

Idioma: Pt

 

 

 

Chegou Setembro...

Estreias anime em Setembro 2017

 

Setembro até poderia ser um bom mês para se gostar, para eu gostar...

É pequenino, passa depressa, e ainda tem um resto de cheirinho a verão com ele, para se "queimar os últimos cartuchos".

 

No entanto, Setembro só me traz pensamentos negativos, nostalgia, melancolia...

É o fim das férias, aquele momento porque esperamos o ano inteiro, e que passa a correr...

É o fim das férias escolares, e traz consigo o regresso às aulas dos nossos filhos, a volta das rotinas, do tempo mais curto para tudo o que há a fazer, do acompanhamento dos estudos, da saga dos testes...

É aquele mês em que, de facto, começamos a notar os dias mais curtos, o tempo mais fresco, a mistura da despedida do verão, com a chegada do outono...

É aquele momento em que percebemos o que nos espera nos próximos meses, e nos faz sentir ainda com menos coragem para enfrentá-los...

 

O que ainda atenua os efeitos de Setembro, em mim, é ficar tão próximo de Dezembro. 

Mas, até lá...

A falta de ocupação também cansa e aborrece

Imagem relacionada

 

Quando andamos ocupados durante meses a fio, estamos sempre há espera de uma folga, um fim-de-semana, ou até das próximas férias, para poder descansar e desanuviar.

Depois, quando estamos de férias durante muito tempo temos, por vezes, tendência a sentir falta das rotinas, e de ter algo com que nos ocuparmos.

As férias também podem ser cansativas, e precisarmos de férias das férias.

Mas, sobretudo no caso das crianças e adolescentes, podem tornar-se aborrecidas se não tiverem nada para fazer, enquanto os pais estão a trabalhar, os amigos estão a passar férias para outros lados, e outros estão a trabalhar para ganhar algum dinheiro extra.

É extremamente aborrecido estar em casa um dia inteiro, à espera de encontrar alguém disponível para conversar, e passar o tempo a inventar algo para fazer enquanto isso não acontece.

O aborrecimento pode ser tanto, que acabam por, involuntariamente, exigir demais dos outros, e descarregar neles o mau humor que sentem.

 

Sou uma pessoa de rotinas, até nas compras!

Resultado de imagem para compras

 

Senão acreditam, aqui fica a prova:

 

No supermercado ao pé do trabalho - compro sempre todas as semanas uma garrafa de água

Na pastelaria ao pé do meu trabalho - compro sempre todas as semanas pães de leite simples para levar

No Continente - vou de propósito só pelos croissants integrais

No Lidl - por norma, o que mais compro lá todas as semanas é fruta

Na óptica aqui de Mafra - todos os meses compro o líquido para as lentes de contacto

No oculista em Lisboa - compro sempre os meus óculos e lentes de contacto, quando é preciso

Na farmácia em frente ao meu trabalho - é onde vou sempre comprar os medicamentos e afins, a não ser que esteja fechada

 

e por aí fora!

 

Resultado de imagem para compras

A nossa relação já não é o que era

Durante muitos anos estivemos sempre lá um para o outro.

Tínhamos aquele nosso pequeno momento diário, só nosso, e mantivemo-nos fiéis um ao outro, sem nunca vacilar.

De há uns tempos para cá, tudo mudou. A nossa relação já não é o que era. Já não há aquela enorme vontade de nos encontrarmos à hora de sempre, de partilharmos aquele momento. 

Gosto de rotinas. Mas há rotinas que, com o passar do tempo, desgastam as relações. E foi isso que nos aconteceu. 

Fica, eventualmente, uma relação de amizade. De vez em quando ainda nos encontramos pela manhã. Mas já não existe um compromisso.

E é assim que dou por terminada uma bonita relação, que tinha vindo a permanecer desde a minha adolescência, até há uns meses atrás, com o Nestum!

 

 

Resultado de imagem para nestum

 

Sim, o Nestum! 

Durante anos, era o meu pequeno-almoço obrigatório - duas tigelas de Nestum. Eventualmente, uma, nos dias em que tinha menos tempo, ou ficava bem só com uma. Esporadicamente, traía-o com outro pequeno-almoço qualquer, mas o Nestum nunca me abandonou, nem eu a ele.

De há uns tempos para cá, tenho vindo a comer cada vez menos. A minha refeição matinal tem passado por chás, iogurtes, pães de leite, croissants integrais, cereais integrais e por aí fora, mas Nestum, só uma tigela, uma vez ou outra, e já não é a mesma coisa.

Penso que, à semelhança de outros alimentos, de tanto comer, o meu organismo começa a rejeitar e a pedir algo diferente.

  • Blogs Portugal

  • BP