Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Da ida à TV, em representação do Clube de Gatos

Resultado de imagem para euforia desenho

 

Não vai acontecer.

Irá acontecer?

É possível que aconteça.

Vai mesmo acontecer!

Está quase...

Está a acontecer!

Já passou.

Aconteceu mesmo!

Aconteceu mesmo?

Já foi há tanto tempo!

 

Por coincidência, à saída de cena, encontrei uma antiga colega de liceu, a Inês (beijinho Inês, e se estiveres a ler este post, já sabes que te queremos a ti e ao teu bichano no clube)! Diz ela que, quando percebeu que eu ia lá, disse aos colegas para me porem a falar porque, daquilo que se lembrava de mim, eu era muito caladinha. É verdade. 

Sempre fui mais de estar no meu cantinho, e não ter que falar em público, porque corava, bloqueava, ficava cheia de nervos, era uma tortura. Ainda hoje sou assim. 

Mas uma pessoa tem que enfrentar desafios, tentar superar os seus receios, fobias e lutar pelo que quer.

 

Não vai acontecer.

Quando enviei o email à Sic, pensei que o "não" estava sempre garantido, mas até podia dar certo. No entanto, o meu pensamento era de que não daria em nada, até porque o programa da tarde iria acabar.

 

Irá acontecer?

Foi com surpresa que recebi o contacto deles, para participar na rubrica do programa novo, que iria estrear, com mais alguns membros do Clube. Falei com alguns membros, sobre essa possibilidade, mas ainda era algo incerto.

 

É possível que aconteça.

Depois tivemos a questão da incompatibilidade de horários, de trazer os gatos, de haver membros suficientes, e estivemos naquela - iremos, não iremos? Será que vai mesmo acontecer? É possível, mas sem grande euforia.

 

Vai mesmo acontecer!

E foi então que a Inês Dias nos confirmou que conseguiu fazer uma troca, e nos colocar no programa de dia 17, dia em que dava para todos irmos. Ia mesmo acontecer. Mas só na própria semana partilhámos a notícia com todos!

 

Está quase...

Os nervos a fazerem-se sentir pela espera, pelas pessoas que nos iriam estar a ver, por imaginar como seria e o que aconteceria lá, e os dias a passar e a aproximar-se cada vez mais a hora.

 

Está a acontecer!

Quando lá chegamos, acho que passa tudo. Não há volta a dar nem nada a fazer. É cabelos, maquilhagem, preparar tudo, pôr microfones, entrar no intervalo, pôr tudo a jeito, contagem decrescente e estamos no ar, em directo, para milhões de espectadores. Sair de fininho enquanto as câmaras focam o outro lado, e de volta aos bastidores.

 

Já passou.

Ok, já está. Já podemos respirar de alívio. Prova superada!

Sim, porque para além do objectivo principal, havia inerente o objectivo de superar a vergonha, o medo do público, os bloqueios de falar em directo e por aí fora. Faz parte da experiência da vida.

 

Aconteceu mesmo!

Passado o momento, chegamos a casa e vemos a gravação e as fotos e ainda estamos em euforia - aconteceu mesmo! Foi real.

 

Aconteceu mesmo?

Mas não criamos falsas expectativas, e sabemos que foi uma oportunidade que poderá ser boa, mas há que regressar à Terra e continuar a trabalhar. Não somos mais famosas por isso. Somos pessoas iguais às que éramos, e daqui a uns tempos vamos olhar para trás e pensar: aconteceu mesmo?

 

Já foi há tanto tempo!

E um dia, esse acontecimento vai fazer parte das nossas boas recordações da vida, e vamos falar dele com saudades!

 

E assim dou por encerrado este capítulo!

 

Um ano sem a nossa Tica

Tica

 

 

Primeiro dia sem a Tica

Segundo dia sem a Tica

Terceiro dia sem a Tica

Um mês sem a Tica

Cinco meses sem a Tica

 

E faz hoje um ano que a Tica partiu...

Como disse, há uns dias atrás, à Mula, este dia nunca fará parte do passado. É um dia que nunca esquecemos. Uma dor e saudade que nunca passa. E há dias em que volta a doer tanto como naquele em que tudo aconteceu.

 

O susto de não a ver em casa...

Os nervos de ir procurá-la antes que fosse tarde...

A aflição de vê-la caída no chão, inerte...

O pânico de não saber o que fazer, e o veterinário nunca mais atender...

O choque ao perceber que não havia nada a fazer, e que ela não estava mais no mundo dos vivos...

 

Depois, veio a minha própria inércia e falta de reacção. Como me arrependo de ter deixado o veterinário levá-la naquela noite...

 

"Já não há nada que possam fazer por ela. Está morta. É apenas um cadáver. Vai começar a cheirar mal. Se não têm onde enterrá-la, será melhor levá-la já, para cremar."

 

E nós, parvos, deixámos que a levassem...E nunca nos despedimos dela como queríamos. Mas estávamos ainda tão incrédulos, que nem conseguimos raciocinar.

Hoje, temos duas meninas  - a Becas e a Amora - por quem já estamos rendidos. E muitas vezes, têm gestos e acções tão parecidas com a Tica que me vejo a dizer "estás armada em Tica!?". No outro dia, ao olhar para uma fotografia da Amora, sem me aperceber no início de quem era, dei por mim a pensar que era a Tica, e só então percebi que, por vezes, até fisicamente há semelhanças.

 

 

Tica 227.jpg

 

Há dias em que o tempo passa a correr que nem me dá tempo para pensar.

Outros, em que tenho que me focar naquilo que é necessário naquele momento.

E outros em que me lembro das coisas boas que vivi contigo.

Mas há dias em voltam à memória todas as imagens daquele dia fatídico, volta toda a saudade dos momentos passados contigo, toda a frustração de teres partido sem aviso, quando ainda tinhas tanto para viver...

Volta toda a culpa por aquilo que devia ter feito por ti, e não fiz, crente de que eras a gata mais feliz e saudável do mundo, que nada te afectaria, e só morrerias velhinha. 

Volta toda a revolta, por te terem arrancado de mim, por não te terem permitido viver uma vida ainda mais feliz ao nosso lado, por muitos anos.

Tínhamos uma relação especial, tu e eu...E, embora ame as tuas afilhadas, não é a mesma coisa.

 

Tica 18

Tu eras a minha castanhinha linda! E sabes que no outro dia encontrei o teu ratinho velhinho? Lembrei-me logo de ti. Um sinal, quando se aproximava esta data que não deveria ter existido há um ano.

 

 

Resultado de imagem para o blog da Tica

Esta imagem é a que tenho sempre no computador, como fundo. Nunca mudei.

 

 

Tica 321.jpg 

As tuas fotografias continuam espalhadas pela casa, para te termos mais perto de nós.

 

 

Resultado de imagem para o blog da Tica

E tu, continuas a ter o teu lugar, único e especial, dentro do meu coração...

Espero que, onde quer que estejas, também não te esqueças de mim, de nós... 

 

 

 

 

 

Cinco meses sem a Tica

 

Faz hoje 5 meses que partiste...

Parece que foi ontem. E, por outro lado, parece que já foi há tanto tempo.

Estamos em Julho, o mês do teu aniversário! Já terias completado os 4 aninhos!

 

Partiste, mas todos os dias vemos um bocadinho de ti em cada uma das tuas amigas que agora temos em casa:

 

- a Becas vai beber água na tacinha do lava-loiça, tal como tu fazias. E também já aprendeu a tentar esgueirar-se pela janela da entrada, mas é ainda mais atrevida, porque ela própria empurra a janela para conseguir passar!

- a Amora é muito parecida contigo fisicamente, embora tu fosses a nossa castanhinha, e ela tenha mais tons de cinza. Mas quando se olha para o seu focinho, é fácil lembrar-me também de ti!

Em vários gestos do dia-a-dia, conseguimos vislumbrar um pouco de ti mas, ao mesmo tempo, elas conseguem ser muito diferentes.

Estamos rendidos a elas, sim.

Mas tu continuarás a ser a nossa eterna princesa, a nossa referência, e sabemos que as estás a abençoar e tomar conta delas onde quer que estejas!

O teu dono tirou este fim-de-semana os teus vasos das ervas, do sítio onde eu os tinha posto. Diz que já está na hora de te deixar seguir, em paz. Pode até ser. Mas estranhei não vê-los lá. Há-de passar.

O que importa é que te temos sempre no nosso coração,e nunca de lá sairás! 

Professores que marcam e deixam saudades

 

Ao longo destes últimos dois anos lectivos, a minha filha teve os mesmos professores, embora tenha havido, em algum período de cada ano, algumas substituições temporárias.

A única excepção foi o professor de educação física e ética e cidadania, e director de turma, que se reformou no final do 5º ano e deu lugar a outro professor.

As disciplinas foram 10, mas havia professores que leccionavam mais que uma disciplina.

Foram dois anos que deram para os professores conhecerem bem os alunos, e vice-versa. E, deu também para eleger aqueles que deixarão mais saudades e que, de alguma forma, marcaram os alunos.

No outro dia perguntei à minha filha quem, de entre todos os professores, tinha gostado mais de ter.

 

A resposta recaiu no professor de português e história! Sim, o professor exigente que descontava cada erro e cada falta de um ponto ou uma vírgula, que fazia testes muito complicados que, de vez em quando, os tramavam. Mas o professor Jorge Martins era muito mais que isso. Era um professor divertido também, que sabia chegar aos alunos e impôr respeito, sem com isso deixar de brincar com eles quando a ocasião assim o proporcionava. Por vários episódios que a minha filha me ia contando, e pelo que pude ver numa das reuniões de turma, faz sentido que ele tenha sido elegido como um dos melhores professores que ela teve!

 

Outro professor que a marcou, e a nós como pais, foi o director de turma do 5º ano - o professor Leonel Martins!

Todos tiveram pena que ele não estivesse lá este ano como professor. É uma pessoa muito humana, que tenta sempre incentivar os alunos, e extrair deles o melhor que têm para dar. Como já aqui contei, na noite de final de ano, a minha filha vi-o e foi a correr cumprimentá-lo. E o professor Leonel, sempre que nos vê, pergunta pela Inês. Sim, apesar de só ter estado com eles um ano, conhece bem cada um dos seus antigos alunos e pais!

 

Não poderia também deixar de destacar a professora de educação tecnológica - Alice Roma - que só este ano viemos a descobrir, é a fundadora do grupo Mafra a Correr, do qual o meu marido faz parte! Aliás, foi ela que disse ao meu marido que era professora da Inês. Há cada coincidência :)

 

Por último, a professora de inglês - Isabel Lula - de quem ela sempre me disse que gostava muito.

 

A todos eles, agradeço por terem feito parte deste percurso na vida da minha filha!

 

Resultado de imagem para

 

Do lado oposto, uma professora que não deixa saudades é, sem dúvida, a professora deles de matemática e ciências naturais que, felizmente para os alunos, foi substituída no terceiro período deste ano.

E chegou ao fim mais um ano escolar!

 

Alívio!

É isso que sinto hoje, no último dia de aulas! Finalmente férias (mesmo não sendo eu a estar de férias), finalmente mais tempo livre!

 

E depois, nostalgia!

Mais um ciclo cumprido. Ainda no outro dia estava a deixar a primária...

Uma nova etapa espera a minha filha já em Setembro.

 

Quanto à minha filha, acredito que esteja a sentir:

Alegria, por não ter que estudar mais nem fazer trabalhos, pelas férias que a esperam e pelo merecido descanso; 

Saudades de alguns professores que provavelmente, não voltará a ter, e que foram impecáveis;

Saudades dos colegas de quem, certamente, se irá separar no próximo ano;

Saudades do convívio com os amigos, dos lanches no bar, das actividades e passeios com os colegas.

 

Agora resta aproveitar estes 3 meses da melhor forma, que o tempo passa num instante, e daqui a pouco, sem dar por isso, já está outra vez de regresso! 

  • Blogs Portugal

  • BP