Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Mais uma mão cheia de talentos

Mais uma noite de Got Talent para provar que ainda há muito talento por descobrir em Portugal (e não só).

 

Dos concorrentes de ontem, destaco:

 

O truque de magia do Francisco. Pode ser muito básico para quem sabe faz~e-lo, ou como é feito, mas não deixa de surpreender quem vê e é totalmente leigo no assunto. 

 

O Daniel, com o seu número de acrobacia aérea. E uma intervenção desnecessária de Manuel Moura dos Santos, quanto à escolha da modalidade do concorrente. 

 

O João Afonso, com o número de Pole Dance. De realçar a pouca segurança daquele varão, que parecia muitas vezes querer tombar, e a forma como o concorrente continuou, arriscando uma queda e possível lesão.

 

A Andreia, com o seu talento para pinturas com fogo. É notável a semelhança entre a sua pintura e esta fotografia de Dali.

 

O Alfredo e a Mariana - simplesmente espectaculares!

 

Os Cruzados. Tomara muitas bandas ditas profissionais terem o power que estes concorrentes mostraram em palco!

A nova edição do The Voice Portugal

 

De uma forma geral, gosto dos vários concursos de talentos que os diferentes canais de TV costumam exibir.

No entanto, tal como a Áurea refere, o The Voice acaba por ser o mais justo! Pelo menos na selecção dos concorrentes durante as provas cegas.

Porque o que se está a avaliar ali é a voz, não o aspecto físico. E, infelizmente, ainda julgamos muito as pessoas pela forma como se apresentam, mesmo antes de abrirem a boca. Até eu, ontem, o fiz!

E depois, quando começam a cantar e a mostrar porque ali foram, ficamos de boca aberta, tal como o júri, e a pensar "Wow, que vozeirão! Quem diria!".

De entre os jurados, gostei muito da postura da estreante Áurea, no que respeita aos comentários aos concorrentes. Avalia a prestação, diz o que tem a dizer, se a quiserem escolher para mentora, melhor, se não, não há problema.

Não tenho paciência para os joguinhos e disputas, ainda que na brincadeira e propositados, do Anselmo e do Mickael.

Já a Marisa, tem uma postura, aparentemente, mais séria e responsável. Está ali para trabalhar com as melhores vozes, e que sabe que podem ir além. Penso que foi por isso mesmo que vários concorrentes a escolheram para mentora. Porque vêem nela a oportunidade de trabalhar a sério, aprender e chegar longe. Não que não o consigam com qualquer outro dos mentores.

Nesta primeira prova cega, houve muito talento, alguma irreverência e umas boas risadas. Um serão de domingo bem passado, sem dúvida!

Imagens - http://media.rtp.pt/thevoiceportugal

Uma mão cheia de talentos!

A esta altura, na terceira gala do programa Pequenos Gigantes, já começo a ter os meus preferidos:

 

Este rapaz vai longe ou, pelo menos, assim espero!

O Daniel, além do dom que tem para a música parece ser, como a Fátima Lopes frisou, humilde e educado.

Adorei ouvi-lo cantar ontem o tema Skyfall, da Adele!

 

Guilherme e Matilde são uma dupla de peso que está a dar cartas na dança!

Há que ter atenção a estes jovens dançarinos que, além do talento, revelam total sintonia e cumplicidade, na hora de mostrar o que valem! 

 

A Diana e o Sandro formam também uma dupla na dança que, todas as semanas, mostram, apesar da sua tenra idade, um grande profissionalismo e entrega em cada uma das suas actuações.

 

Destaco ainda a Laura, que tem recebido algumas pontuações injustas, não apenas pelo seu talento, mas também pela personalidade da menina! Acho-a tão querida! E fartei-me de rir com a pergunta que ela fez ontem ao Nélson Évora!

 

Imagens retiradas do facebook Pequenos Gigantes

Existem disciplinas supérfluas?

transferir (2).jpg

 

Já muitas vezes me fiz esta pergunta.

Não só durante o meu percurso escolar, mas também agora que a minha filha está nesse mesmo caminho.

É certo que algumas disciplinas, não sendo tão importantes, não deixam de ter um papel no currículo do aluno, seja ele o de fornecer um conhecimento adicional, o de descobrir novos talentos, ou um papel meramente lúdico.

Mas continuo a achar que há disciplinas que não fazem muito sentido.

Vejamos, por exemplo, a disciplina de Educação Tecnológica. Pelo nome, ficamos a pensar que vai ser algo sobre as novas tecnologias. Ao olhar para a matéria do livro, ficamos com uma ideia do conteúdo, diferente do que pensámos. Mas pouco do que aí vi foi falado. No primeiro período, aquilo que deram e cujos trabalhos serviram de base para a nota, foi o que é a tecnologia, a técnica e o objecto técnico. E a construção de um telefone antigo, muito primitivo, com copos de plástico. Este período, não faço ideia do que aprenderam. Testes não houve, e os trabalhos foram desenhados.

No entanto, para isso, existe a disciplina de Educação Visual. Que acaba por repetir uma parte da matéria de Matemática!  

No meu tempo, cheguei a ter uma disciplina de Electrotecnia, onde aprendíamos (eu nem por isso), por exemplo, a ligar circuitos eléctricos. E de que é que isso me serviu? De nada!

Também tive uma disciplina intitulada Oficinas de Expressão Dramática, que era opcional, com a Informática como alternativa. E parece-me que ninguém seguiu carreira nessa área.

Já para não falar do meu "ódio de estimação" - a Educação Física! Por mais que digam que é fundamental, porque incute desde cedo nas crianças o hábito de praticar exercício físico, e desenvolve o corpo e a mente, não consigo aceitar que seja uma disciplina obrigatória. E depois, de que adiantam essas aulas se continuamos a ver essas crianças com excesso de peso, obesidade e com maus hábitos alimentares? E muitas sem vontade nenhuma de estar nas aulas nem de fazer o que manda o programa?

E a Educação Musical? Sim, até pode ser divertido. Mas por que raio será a flauta o único instrumento que se aprende a tocar? 

Se dependesse de mim, haveria muitas disciplinas que, embora não acabando, passariam a ser opcionais. E com conteúdos bem diferentes dos que agora são ensinados. 

A Finlândia, por exemplo, cujo sistema de ensino é considerado um dos melhores do mundo, prepara-se para abandonar as tradicionais disciplinas, optando por recorrer a grandes temas e não a dicsciplinas específicas. E dá como exemplo o que se piode ensinar sob o tema União Europeia - línguas, história, geografia, etc.

"Ensinando os alunos a relacionar os conceitos e as teorias com a realidade, pretende-se evitar que a célebre pergunta "mas afinal, para que é que isto serve?" (http://visao.sapo.pt/finlandia-prepara-se-para-acabar-com-disciplinas-nas-escolas=f814495#ixzz3VObLXAGN)

E vocês, também consideram que existem disciplinas supérfluas, ou nem por isso?

 

  • Blogs Portugal

  • BP