Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Sobre aqueles que querem animais de estimação…

 

 

…e depois de os terem NÃO mudam de ideias!

 

Temos uma gata.

Foi lá para casa com dois meses e habituou-se a fazer as necessidades no caixote. Mas, uns meses depois, começou a fazer chichi no sofá onde dormia e estragou-o.

Já me partiu várias coisas, estragou outras tantas, deu trabalho a limpar o que sujava.

Actualmente, não sabemos bem porquê, embora ache que é vingança, revolta ou só para nos testar, faz cocó no chão em vez de fazer no caixote. O meu marido diz que não temos uma gata, temos uma cadela! E só quer rua! Quando a deixamos ir ao quintal, salta o muro e vai para a estrada, enfia-se debaixo dos carros para não a apanharmos ou no meio de umas árvores que há lá ao lado. Faz-nos andar a correr atrás dela como doidos até que a consígamos levar para casa. Se já nos deu vontade de recambiá-la de volta? Sim, várias vezes. Mas isso é no calor do momento. Nunca seríamos capazes de a abandonar nem devolver, nem dar a outra pessoa. É a nossa Tica, com todos os seus defeitos, mas também muitas qualidades!

O que faz de alguém um ídolo?

 

Esta 5ª edição do Ídolos foi repleta de injustiças, do princípio ao fim. Não houve ninguém que sobressaísse mais que outros da forma como em edições passadas se observou. Houve melhores prestações de alguns concorrentes em determinadas galas, mas sempre muito inconstantes, com altos e baixos.

A Mariana canta bem, logo no início era uma das favoritas, mas nas últimas galas ficou abaixo das espectativas. O Diogo, por sua vez, pôs as garras de fora. Não tão afiadas como as que a Sandra ou o Filipe mostraram nas edições passadas. Mas, ainda assim, de entre todos, foi o eleito pelo público.

E se pensarmos bem, há pelo mundo muitos "ídolos" que nem sempre conquistaram esse título pelas suas qualidades artísticas, mas pelas multidões (muitas vezes mulheres e adolescentes) que arrastam consigo, seja pela sua irreverência, pela sua beleza, pelo seu estilo ou por quaisquer outros motivos que nada têm a ver com talento.

É por isso que, muitas vezes, surge um ídolo na pessoa que menos se esperava!

Erros e Virtudes

"Os erros dos outros não aumentam as nossas virtudes"

 

 

Não somos perfeitos, nem nos deveria ser exigido que fossemos.

Qualquer ser humano erra. Faz parte de nós, da nossa evolução e do nosso crescimento. Temos defeitos, mas também qualidades!

E, embora tenhamos a tendência, inata ou adquirida, de comentar e opinar sobre outras pessoas e seus comportamentos, não só quando pretendemos elogiar, mas principalmente quando queremos criticar negativamente, convém que olhemos também para dentro de nós, e que percebamos até que ponto somos diferentes dos outros.

De uma certa forma, ao emitirmos juízos de valor e críticas sobre acções cometidas por outras pessoas, ao realçarmos os seus erros, ao vincarmos os seus defeitos estamos, inadvertidamente, por comparação, a evidenciar as nossas qualidades. Como se numa balança, o nosso prato valesse mais que o da outra pessoa.

E não digo que, de facto, assim não o seja. Mas convém ter em conta que os erros dos outros não aumentam as nossas virtudes!

Somos como somos, com a nossa personalidade própria que nos caracteriza e nos distingue dos demais. No entanto, por mais "pesos" que coloquemos num dos pratos da balança, consoante os erros que outros cometeram, isso não fará com que o nosso prato suba por si só.

Será preferível desequilibrar a balança, utilizando o nosso prato, para colocar tudo os que nos diz respeito, em vez de esperarmos que ele se mova em função das outras pessoas!