Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Evereste - desafiar a vida compensa?

 

Este fim-de-semana estivemos a ver o filme "Evereste", que o meu marido tinha gravado.

Ele dizia que era um bom filme, e que eu iria gostar de certeza.

 

Evereste mostra a jornada de várias expedições, que têm por objectivo alcançar o ponto mais alto do mundo!

Será, sem dúvida, um feito único. Mais ainda para quem faz do alpinismo o seu hobbie ou a sua vida. É a derradeira etapa a superar, a mais importante, quem sabe a mais bela.

 

Mas, pergunto-me eu? Desafiar a natureza dessa maneira compensa? Desafiar a própria vida compensa?

 

Alguém tornou o Monte Evereste uma atracção turística, alguém transformou a sua subida numa espécie de passeio turístico e vislumbrou o lucro que daí poderia advir.

Todos os anos chegam novos interessados, determinados em partir à aventura.

 

O que os leva até lá? 

 

Querem gastar o dinheiro e não sabem como?

Sim, porque esta brincadeira não é para todas as carteiras. Paga-se bem caro para passar meia dúzia de minutos perto do céu! E, se chegar ao topo já é uma tarefa demasiado difícil, mais complicado se torna o regresso. Muitos, não chegam a regressar. Como eu digo ao meu marido, estas pessoas estão a "pagar" a sua morte.

 

Querem provar a alguém que são corajosos e determinados?

Muitas vezes sai-lhes bem cara essa teimosia, disfarçada de coragem.

 

Fazem-no porque não têm mais nada a perder? Ou porque não dão valor à vida? 

 

Ou fazem-no, simplesmente, por paixão pela natureza, pelos obstáculos que ela impõe, pela beleza do que irão encontrar em cada montanha escalada, pelos vários sentimentos que os invadem durante todo o percurso e naqueles escassos minutos em que lhes é permitido estar lá em cima?

 

Qualquer que seja o motivo, é preciso perceber que uma subida destas exige adaptação, treino, técnica, condições físicas, espírito de equipa e entreajuda, respeito por quem está a comandar a expedição.

É preciso coragem, determinação, persistência. Mas também bom senso. Saber parar, saber perder, saber aceitar. Nem todos conseguem ser bem sucedidos numa primeira tentativa. Ainda assim, há muitos que se tentam armar em espertos e valentes, e pagam com a vida esse atrevimento.

 

Uma coisa é certa: se todos pensassem como eu e ficassem quietinhos em casa, não haveriam feitos históricos como os que se têm visto por este mundo fora!

Mas, para acidentes catastróficos, já bastam aqueles que não podemos, de todo, prever. Penso que nunca arriscaria a minha vida, sabendo de antemão todos os perigos que correria, e sabendo que poderia não voltar.

 

 

 

E que não se pense que estar na companhia de bons profissionais nos garante uma expedição livre de perigos, e um regresso sãos e salvos. Até mesmo os melhores podem lá ficar!

 

Evereste é um filme baseado em factos verídicos, que mostra o grande desastre em que se transformou a temporada de escalada de 1996.

Nessa altura, 19 pessoas morreram durante a tentativa de chegar ao cume, sendo o maior número de mortes, em um único ano, na história do Everest. Uma tempestade impossibilitou muitos alpinistas, que estavam próximos ao cume (no escalão Hillary), de descer, matando oito pessoas num único dia.

Entre eles, estavam os experientes alpinistas Rob Hall e Scott Fisher, os líderes das expedições, respectivamente, das empresas Adventure Consultants e Mountain Madness. Um dos erros apontados para a tragédia foi o facto de ambos quererem levar avante a subida, o que levou a complicações e mais tempo perdido no trajecto, do qual nenhum deles quis abdicar.

Ainda assim, não deixaram os companheiros para trás. E, por isso, não só não conseguiram salvá-los, como ainda pagaram com a vida.

 

Para quem tiver interesse em saber mais sobre esta escoalada, deixo-vos aqui este link - http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-se-escala-o-everest.

 

 

deixado-para-morrer-1

 

Este foi um dos livros que serviu de base ao filme - escrito por Beck Weathers, um dos escaladores que sobreviveu, com consequências que nunca esperou - teve parte de seu braço direito amputado pouco abaixo do cotovelo, assim como todos os dedos de sua mão esquerda e partes de ambos os pés. O seu nariz foi amputado, e posteriormente reconstruído com tecidos de duas orelhas e testa.

 

 

Também John Krakauer, convidado pela revista Outsider a escrever um artigo sobre o crescimento de pessoas inexperientes que se aventuravam a escalar o Everest, escreveu o livro "No Ar Rarefeito", onde denuncia a ganância que move a maioria dos promotores de expedições ao Everest, a montanha mais alta e mítica do planeta.

A vida é um jogo

 

Com uma casa de partida, uma meta ou casa de chegada, e todo um percurso a fazer pelo meio, para lá chegar.

Neste jogo, lançamos os dados. Por vezes, eles levam-nos a avançar vários passos. Outras vezes, obrigam-nos a recuar, a retroceder alguns passos ou, simplesmente, a não nos movermos. Nem sempre avançar é bom. Pode-nos levar a casas que gostaríamos de evitar. Nem sempre recuar é mau. Podemos ir parar a uma casa que até nos traga vantagens.

Cada uma das casas à qual os dados lançados nos levam, nos trazem desafios, objetivos a alcançar, perguntas às quais temos que responder. Algumas casas trazem coisas boas, pequenos incentivos, bónus, alegrias, a oportunidade de avançar mais um pouco neste jogo. Outras, nem tanto. São casas que não nos levam a lado nenhum, sem utilidade mas que, ainda assim, fazem parte do jogo.

Como todos os jogos, também a vida é um risco.

Mas, ao contrário de um jogo comum, que jogamos ou não consoante a nossa vontade, neste jogo da vida não pedimos para entrar. Ainda assim, fomos colocados no tabuleiro a partir do momento em que nascemos, e "obrigados" a jogá-lo, a correr esse risco. 

Ao contrário de um jogo comum, a maior parte de nós não tem pressa de chegar à meta, à fatídica casa de chegada, na qual iremos abandonar de vez o jogo, e esta vida que nos foi dada.

Queremos,sim, aproveitar aquilo que as diversas casas, que lhe precedem, nos têm para dar. Embora nem sempre o consigamos fazer como deveríamos. É que, mesmo avançando devagarinho, estamos a avançar, e as casas pelas quais passámos, ou não, vão ficando para trás, sem que possamos, muito provavelmente,lá retornar. E não nos esqueçamos que, a qualquer momento, e sem contarmos com isso, podemos ser eliminados do jogo.

A vida é um jogo, e este jogo é também feito de apostas. Algumas, serão apostas ganhas. Outras, poderemos eventualmente, perder. Mas só saberemos o resultado da aposta, depois de a fazer.

Só saberemos aquilo que nos espera, e onde nos levará este jogo, se nos mantivermos activos, em movimento, se continuarmos a lançar os dados, a fazer apostas, a utilizar os botões que temos ao nosso dispôr, a percorrer o tabuleiro onde fomos colocados como peões mas, ao mesmo tempo, como jogadores. 

Só conseguiremos aproveitar ao máximo este jogo, se soubermos aprender com as más jogadas, celebrar os pequenos avanços e conquistas, tirar partido das casas mais vantajosas onde os dados nos levem, e contornar aquelas que mais nos prejudicam.

Podemos não ter pedido para jogar este jogo da vida, mas a verdade é que estamos dentro dele.

E valerá a pena passar todo o percurso do jogo sem arriscar, sem o viver, sem tomar as rédeas do mesmo nas nossas mãos? Valerá a pena ficar parado, a ver os outros jogadores passar por nós, ou à espera que alguém lance os dados por nós, avance por nós, viva por nós?

Valerá a pena desperdiçar todas as ferramentas que nos foram fornecidas para nos ajudar nesta caminhada, e esperar que o destino se encarregue de nos empurrar de uma casa para a outra, quando não era nessas casas que queríamos estar?

A vida é um jogo, sim. E já que estamos nele, vamos jogá-lo como sabemos e podemos, e deixar a nossa marca enquanto nele nos mantivermos, sem receios!

Crianças em risco

Imagem lusonoticias

 

 

“Ruth era a professora. Daniel, o aluno. Um dia, ele adormeceu na aula. Os colegas começaram a gozar com ele. A professora impôs-se, e avisou que não o iria admitir. Ela viu para além do que estava visível. Corajosa e determinada, Ruth foi falar com o irmão de Daniel, que vivia em péssimas condições, e ofereceu-se para ajudar o menino. Não foram apenas aulas depois do horário de aulas. Foram vários os dias passados a dar a Daniel a educação que mais ninguém lhe deu, roupa, comida, uma casa e, acima de tudo, o amor de uma verdadeira família. Ruth nunca tivera filhos. Daniel era como um filho. E para os filhos, quer-se sempre o melhor. Foi por isso que sempre lhe disse que, quando crescesse, Daniel poderia ser o que quisesse, e que deveria lutar pelo seu futuro e pelos seus sonhos. Infelizmente, o irmão de Daniel exigiu que Ruth lhe entregasse de volta o seu irmão. Foi uma separação dolorosa, ainda mais sabendo que o pequeno iria voltar a sofrer às mãos daquela gente. Mas nada se podia fazer…No entanto, soube-se mais tarde que Daniel que tornou professor, tal como Ruth!”

 

Esta é apenas uma história, com um final feliz. Mas poderia ser a realidade de muitas crianças. E cada um de nós pode fazer a diferença na vida de uma criança, se assim o desejarmos.

Crianças em risco sempre existiram mas, felizmente, existem hoje mais meios e formas de prevenir, ou intervir, de modo a ajudar essas crianças.

É óbvio que existem entidades próprias que atuam na prevenção e intervenção, mas cabe também a cada um de nós, enquanto cidadão(ã), dar o nosso contributo, antes que seja tarde demais.

Como?

Oferecendo a nossa ajuda das mais variadas formas, consoante os casos e as necessidades das crianças em risco.

Quantas crianças não tomam as suas refeições em casa da família de amigos ou vizinhos. Mas o apoio pode vir através de fornecimento de material escolar, vestuário ou medicamentos, por exemplo.

Denunciando situações de risco - para além de um dever cívico, a comunicação de situações que ponham em risco a vida, e a integridade física ou psíquica da criança, constitui uma obrigação de todos os cidadãos, de acordo com a Lei de Proteção de Crianças de Crianças e Jovens em Perigo.

As comunicações ou denúncias poderão ser feitas junto da CPCJ (Comissão de Proteção de Crianças e Jovens) da área de residência, junto de entidades policiais como a GNR ou PSP, ou ainda junto dos tribunais.

 

O artigo foi escrito para a Blogazine, e poderá ser lido na íntegra aqui (pág. 16/17).

Perguntas inocentes que podem pôr o seu filho em risco

 

Já todos sabemos os perigos que se escondem na internet, e os riscos que as crianças correm ao utilizá-la, se não forem devidamente monitorizados ou controlados mas, ultimamente, tenho-me deparado com publicações, aparentemente, inocentes que, no entanto, podem fornecer informações importantíssimas.

Essas publicações surgem, normalmente, no facebook, através de grupos de raparigas ou rapazes, que provavelmente andam a estudar, na forma de perguntas que são normais, mas podem ocultar segundas intenções.

Algumas dessas perguntas que vi foram, por exemplo:

 

Qual é o teu tipo de cabelo?

Colocam uma imagem com diferentes formatos para eles escolherem o que lhes corresponde e dizerem nos comentários.

 

Qual é o formato do teu corpo?

Colocam uma imagem com várias formas diferentes, também para comentarem a que lhes corresponde.

 

O teu nome é o único da turma?

Também uma pergunta tão normal, mas nunca fiando. Informações sobre a turma e a escola podem chegar a mãos (olhos) erradas.

 

Que número de soutien vestes?

Novamente uma imagem com as mamas em diversas fases de crescimento, para as crianças escolherem.

 

E estas foram apenas algumas das publicações que apanhei. Decerto haverão mais, deste género ou semelhantes.

Uma coisa é os nossos filhos falarem destas coisas com os amigos/ amigas. Outra, é estarem a expôr-se desta forma na internet.

Acho aconselhável avisar as crianças para não comentarem nenhuma destas publicações. Por muito inocentes que possam ser (e talvez sejam mesmo só isso), podem vir a pôr os nossos filhos em risco!

Os fins justificam mesmo os meios?

Christian Bale 

 

Hollywood nem sempre é o conto de fadas que imaginamos, e a vida dos actores nem sempre é fácil. Muitas vezes, é preciso mais que um cara bonita, um corpo em forma ou um enorme talento. Alguns actores, para interpretarem um determinado papel, vêem-se "obrigados" a passar por enormes transformações, acima de tudo, físicas.

E se há mudanças que em nada afectam a saúde dos actores, outras há que podem colocá-la em perigo.

 

Engordar/ Emagrecer excessivamente

Jared Leto - teve que engordar 30 kg para o seu papel como Mark Chapman - o fã que atirou e matou John Lennon - no filme "Capítulo 27", o que lhe provocou graves problemas de saúde, agravando o seu problema de gota, e provocando uma rápida subida do colestrol.

 

50 Cent - emagraceu 25 kg em 9 semanas, por causa do seu papel em "All Things Fall Apart", através de uma dieta líquida e um rigoroso regime de circulação.

 

Anne Hathaway - para o seu papel de Fantine, no filme "Os Miseráveis", perdeu cerca de 11 kg, sujeitando-se a uma dieta de fome que a obrigava a parar de comer durante 13 dias.

 

Mathew Mcconaughay - perdeu cerca de 20 kg para interpretar um doente com SIDA, no filme "O Clube de Dallas".

 

Christian Bale - engordou 28,5 kg para interpretar um vigarista em "Golpada Americana". Já para o filme "O Maquinista", teve que perder 28 kg, sobrevivendo com pouco mais que água, uma maçã e uma chávena de café por dia.  

 

Exercício em excesso

Jake Gyllenhaal teve que treinar durante sete dias por semana, como um um boxeador profissional, fazendo pelo menos 2.000 flexões por dia, push-ups, mergulhos e levantamento de peso cinco dias por semana, para o seu papel de lutador de boxe em "Southpaw".

 

Ora, se para qualquer pessoa comum é aconselhável uma dieta equilibrada, evitando as chamadas "dietas iô iô", e exercício físico com moderação, de forma a prevenir problemas de saúde e distúrbios alimentares, para os actores, não será diferente.

Então, porque será ainda necessário recorrer a estes métodos extremos, para se obter aquilo que se pretende? Ainda não existe tecnologia ou formas de caracterização dos actores, para tal? Ou será para que tudo se torne mais realista?

Serão os actores "obrigados" a estas transformações, sob pena de verem o seu papel entregue a outros, ou será uma decisão deles seguir adiante? 

E mesmo tomando essa decisão de forma ponderada e, penso eu, com acompanhamento médico, valerá mesmo a pena correr o risco?

Será que, por um excelente papel e, quem sabe, a promessa de um Óscar, vale tudo? E os fins, justificam mesmo os meios?