Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

À Conversa com Joana Alegre

58D0A0B5-B78C-4203-942A-188290C744B8.jpeg

 

Poderia apresentá-la como Joana Alegre, filha de Manuel Alegre, deputada municipal independente na Câmara Municipal de Lisboa, mãe, mulher, artista, surfista.

Actualmente, concorrente do The Voice Portugal, na equipa do mentor Diogo Piçarra.

 

A Joana é tudo isto, e muito mais.

Uma mulher humilde, lutadora, apaixonada por tudo aquilo em que se envolve, com uma voz incrível, com um espírito livre e solto, ainda que com os pés sempre assentes na terra. Ou na prancha, quando surfa!

 

E, no entanto, é simplesmente, a Joana Alegre.

O resto, cabe a cada um de vós descobrir, através desta entrevista à Joana, a quem desde já agradeço por ter aceitado o meu convite, e pela disponibilidade para participar nesta rubrica! 

 

 

 

 

k15771734.jpg

 

Para quem não a conhece, quem é a Joana Alegre?

Sou uma jovem mulher, mãe, cantautora, amante do Mar, e activista das causas que me movem.

 

Em que momento da sua vida surgiu a paixão pela música?

A música esteve sempre la como uma forma de expressão, desde que me lembro de mim.

 

Nessa altura, essa paixão era, para si, apenas um hobbie, ou já sonhava em enveredar, a um nível mais profissional, pelo mundo da música?

A música foi sempre uma forma de ser eu própria e portanto houve sempre o conflito entre ser um estigma e um grande risco, ou o sonho de poder fazer acontecer como modo de vida e sustento.

 

Quais são as suas maiores referências, a nível musical?

Neste momento admiro muito e adoro ouvir, sobretudo, mulheres cantautoras ou bandas que tenham como lead singers grandes intérpretes, algumas dessas mulheres são produtoras também: Maggie Rogers, Florence Welch e os Florence and The Machine, Aurora, London Grammar, Imogen Heap.

 

 

 

606BC161-3268-49E2-BE59-3F8C87E6C00A.jpeg

 

Sentiu que a sua vida e escolhas foram, em algum momento, e a diferentes níveis, condicionadas pelo facto de ser filha de Manuel Alegre?

Em alguns momentos de menos maturidade, e muita insegurança, sim.

 

Em termos profissionais e, de certa forma, pessoais, afirma que foi sempre seguindo um caminho, alicerçado nas expectativas que os outros tinham para si, em detrimento dos seus próprios sonhos. Em algum momento se sentiu incompleta, pouco realizada ou infeliz com essa decisão?

Sim, já antes de ser mãe comecei a sentir uma grande divisão de tempo entre o que me dava prazer e o que “tinha de ser”, e isso desgastou-me muito.

Ser mãe só veio fortalecer a vontade e consciência de que o melhor caminho é apostarmos tudo a fazer aquilo que nos faz felizes e onde somos melhores profissionais.

 

A Joana foi também praticante de bodyboard. Quando é que surgiu o interesse por esta modalidade?

Sempre fui muito ligada ao mar e, assim que pude, agarrei uma prancha, não pôde ser logo de surf, então foi bodyboard, fiz durante 3/4 anos e passei para o surf, assim que tive condições de ter uma prancha de surf.

 

Entretanto, começou também a experimentar o surf. O que sente nesses momentos em pleno mar, em que está apenas a Joana, a prancha e as ondas?

Ir ao mar é a minha terapia mais antiga, e tem também algo de liturgia, como culto de ser e estar só no ínfimo e precioso lugar que cada um ocupa no cosmos.

 

Com uma licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais, e mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação, a Joana é deputada municipal independente na Câmara Municipal de Lisboa. Quais são as principais questões cívicas que mais a preocupam, na actualidade?

Preocupa-me a crise habitacional e alguma obsessão em governar para atrair o investimento estrangeiro ou turismo dito "de qualidade".

Globalmente preocupa-me o avanço dos ódios e radicalismos e a perda de uma visão humanista pos-modernista, que pressupunha maior consciência do colectivo e de um caminho evolucional.

Vejo muita violência dentro das pessoas e pouca vontade política da parte dos governantes em atender à resolução dos problemas reais que revoltam as pessoas, com a agravante de haver por outro lado uma insistência suicidária em perpetuar as lógicas de lucro e consumo de um modelo de crescimento económico que ameaça a sustentabilidade do nosso planeta.

 

 

 

44433BA1-5E16-4033-BB0F-2993BF664469.jpeg

 

Em determinado momento da sua vida, a Joana viveu em Nova Iorque, onde fez um estágio, nas Nações Unidas. Como foi essa experiência?

Foi muitíssimo enriquecedora e esclarecedora, na medida em que deu para perceber que tinha uma ideia muito romântica e idealista do que poderiam ser carreiras como a a carreira diplomática, mediação de conflitos, ou intervenção humanitária.

 

Na sua opinião, as carreiras política e musical podem caminhar paralelamente, sem se "atropelar" ou "anular" uma à outra?

Podem, desde que haja maturidade, foco na gestão do tempo, e muita definição interna.

 

E a maternidade, como é que foi vivida por entre a política, o desporto e os projectos musicais?

Ao início com alguma dificuldade de conciliar tudo, mas com força de vontade e ajuda de família e amigos, as rotinas foram-se adaptando!

 

Embora tenha dado prioridade à vida política, apostou, ainda assim, na formação musical. De que forma é que essa formação influenciou a sua forma de ouvir, sentir e fazer música?

Eu diria que aprofundou e melhorou bastante o entendimento de como tudo funciona, e ampliou os meus recursos e capacidade técnica.

Contudo, mantenho alguma mágoa de não ter tido a possibilidade financeira de fazer o curso superior na New School for Jazz and Contemporary Music em Nova Iorque, já depois de ter sido bem sucedida nas provas de admissão.

Sinto que apesar do esforço que fui fazendo ainda tenho uma formação incompleta.

 

 

 

 

Em 2015, colaborou com Mikkel Solnado no tema "E Agora?". Como surgiu essa colaboração?

Trabalhei com o Mikkel noutro projecto, que envolveu a coordenação de algumas vozes do coro gospel collective, para um evento em específico.

Acho que o Mikkel gostou da minha voz e da minha forma de trabalhar e quando surgiu o “E agora?” sentiu que eu seria a pessoa certa para aquele dueto.

 

 

 

81DEDDdzfIL._SL1490_.jpg

 

"Joan & The White Harts" foi o seu primeiro álbum, editado em 2016, com participações de Mikkel Solnado, Mimicat, Jota Erre e Gospell Collective. Foi a concretização de um sonho?

Foi a concretização de um sonho, cujo lançamento e promoção, infelizmente, viriam a ser mal geridos e por isso sinto que ficou escondido e com um acolhimento aquém do que merecia.

 

 

 

 

Em Outubro, foi exibida a sua participação nas provas cegas do The Voice Portugal. Para além dos elogios recebidos por parte dos mentores, ficou surpreendida com a forma como o público reagiu à sua prova?

Fiquei surpreendida e muito grata pois estou no The Voice, precisamente, para encurtar a distância com o grande público!

 

No decorrer do concurso, que estilo ou artista mais gostaria que lhe atribuíssem, e qual o que representaria o maior desafio?

Acho que já está a acontecer as pessoas identificarem-me com uma certa estética indie pop folk de inspiração celta.

Muitos comentários falam de uma Florence Welch portuguesa, da Aurora ou da Lana De Rey.

Eu quero ser apenas a Joana Alegre!

 

Independentemente do quão longe chegar no programa a Joana está, neste momento, decidida a dedicar-se a 100% à música?

Mantenho-me como deputada municipal independente.

 

Qual seria maior objectivo que gostaria de concretizar, a nível musical, no futuro?

Poder viver da minha música já seria o meu sonho concretizado.

 

 

 

A46529FA-EE44-4641-85F2-6113D47496EB.jpeg

 

De que forma responderia a este desafio, e porquê?

Com toda a entrega pois não posso mais negar aquilo que sou.

 

Guitarra ou Ukelele? Os dois!

Praia ou Campo? Praia

Surf ou Bodyboard? Surf

Portugal ou Nova Iorque? Portugal

Banda ou Solo? Os dois!

 

 

Muito obrigada, Joana!

E que consiga chegar longe não só no The Voice Portugal, mas também na concretização dos seus sonhos, nomeadamente, naqueles que à música respeitam.

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP

  • 4 comentários

    Comentar post