Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

"A Rapariga no Abismo", de Charlie Gallagher

500x.jpg 

 

Em duas palavras, esta é uma história de impotência e frustração, em todos os sentidos!

 

Impotência das vítimas, que dificilmente, por mais que queiram, escaparão com vida aos ataques daquele homem.

Impotência dos inspectores, que parecem não chegar a lado nenhum num caso de atropelamento e fuga que, só mais tarde, percebe que não é apenas isso.

Impotência de Maddie que, após anos a trabalhar como infiltrada, se vê obrigada a "esconder-se" para sua própria protecção, e aceitar um cargo que não quer, por ter feito asneira na sua última missão.

Impotência de quem tem as vidas tão viradas de pernas para o ar, que lhes é difícil, ou mesmo impossível, lutar contra os seus vícios. 

 

E, lá está, na sequência dessa impotência, a frustração.

Porque nem os inspectores descobrem as vítimas a tempo, nem as vítimas conseguem fazer-se ouvir.

Porque o assassino continuará a matar.

Porque Maddie, apesar de querer muito empreender os seus esforços no que realmente importa, e isso começa por descobrir o paradeiro de Lorraine, e ajudar Harry no caso do atropelamento, vê-se posta de parte, delegada para assuntos escolares, como se estivesse a cumprir castigo.

E porque os vícios, sejam eles quais forem, chamam por alimento que os sacie e, para além do perigo que lhes está inerente, podem constituir um perigo ainda maior, e mais mortal.

 

Confesso que fiquei desapontada com este livro.

A história em si está bem conseguida, mas acho que enrolou muito e, de repente, despachou tudo.

Foi dada a conhecer uma personagem quase irrelevante, mas que daria direito a um livro prévio sobre essa história (não sei se existe), com Maddie e Adam, o seu passado como infiltrada, e a relação estranha que ambos mantêm.

Da mesma forma, ficamos sem saber se aquela relação tem futuro, se as suspeitas do chefe de Maddie se confirmam, e ficamos com vontade de saber se ela vai mesmo ficar por ali, e fazer dupla com Harry.

Se está segura, ou se corre perigo.

Por outro lado, a mãe de Lisa sofre de uma doença mental que pouco é abordada, tal como a sua relação bipolar com a filha Lisa.

Também Lisa é uma personagem pouco explorada, sabendo-se pouco mais do que o básico, e o porquê de se tornar uma vítima, sem aprofundar muito o seu vício.

E o que vai acontecer ao assassino?

Dúvidas que, para já, ficam para quem quiser tentar desvendá-las, por conta própria.