Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Armadilhas da mente

 

"...de nada serve cultivar a inteligência, se não se deixar também florir o coração."

 

Sinopse

Camille é uma mulher atraente, rica e brilhante; a sua argúcia e inteligência impressionam todos os que a rodeiam. Mas os seus feitos académicos e a sua competência intelectual não foram suficientes para evitar que se tornasse vítima das suas próprias emoções. 
Casada com um banqueiro de sucesso, Camille sempre viveu fechada no seu próprio mundo. Contudo, a sua tendência para o isolamento fez com que se tornasse cada vez mais crítica, obsessiva e pessimista. Incapaz de suportar ser confrontada ou contrariada, não se permitia receber a ajuda de psicólogos ou psiquiatras; iniciou vários tratamentos, sem concluir nenhum. 
Ao ver a depressão, as manias e as fobias de Camille agravarem-se cada vez mais, o marido decide comprar uma quinta, para se poderem afastar do stresse da cidade e encontrar inspiração na natureza. Espera que, desta forma, Camille possa voltar a encontrar-se a si própria. Ainda assim, os transtornos emocionais de Camille impedem-na de sequer sair de casa e os pesadelos causam-lhe insónias; piora a olhos vistos. 
Dois inesperados encontros vão levá-la a dar uma volta à sua vida. O primeiro, com o excêntrico jardineiro da quinta, que, com a sua inteligência de pessoa simples e humilde, lhe ensina uma lição valiosa: de nada serve cultivar a inteligência, se não se deixar também florir o coração. O segundo encontro é com o sábio e intrigante psiquiatra Marco Polo, que a estimula a resolver os seus conflitos interiores e a reencontrar-se com alguém que perdera há muito tempo: ela própria. 

 

 

"A dor que eu vejo está na periferia do espaço, a dor que eu sinto está no centro do Universo. É maior do que aquilo que entendes e muito maior do que aquilo que eu explico."

  • Blogs Portugal

  • BP