Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Fuga do Hospício: A História de Nellie Bly

images.jpg

 

Era uma vez uma mulher que, querendo escrever, com a maior veracidade possível, sobre a malvadez do lobo mau, entrou na floresta e colocou-se mesmo à frente dele. Só que acabou mesmo por ser devorada por ele. 

E agora, como fará ela para sair de dentro da sua barriga?

Conseguirá alguém aniquilar o lobo mau, e salvá-la, antes que seja tarde demais?

 

 

Se, ainda hoje, as doenças mentais são um assunto "tabu", e ainda há tanto por saber sobre elas, imaginem há dois ou três séculos atrás.

Nesse tempo, qualquer coisa fora do padrão era considerado loucura.

Até mesmo as mulheres que se tornavam, em algum momento, incovenientes, eram enviadas para manicómios como loucas.

E, dado os "tratamentos" a que estas pessoas eram sujeitas naquela altura, mesmo aquelas que entrassem lá na posse da sua sanidade mental, acabavam por a perder.

 

Para retratar essa realidade e denunciar as práticas abusivas, Nellie Bly, uma conceituada jornalista, infiltra-se num hospício onde a enfermeira-chefe é, ela própria, uma mulher louca a precisar de tratamento urgente, e o médico que acompanha as pacientes, muito suspeito.

 

Só que...

Nellie não se lembra de nada. Não sabe quem é. Perdeu a memória.

Tem noção de que não é louca. Que não pertence ali.

Vai tendo algumas visões, mas nada de concreto, que a possa ajudar a descobrir quem é, ou o que faz ali.

E, à medida que o tempo passa, pior a sua situação vai ficando, no meio de toda aquela gente sem qualquer piedade.

 

Conseguirá Nellie escapar daquele hospício com vida?

Ou ficará, para sempre, presa na teia que ela própria teceu, para apanhar as suas presas?

 

Como já li alguns livros sobre os hospitais psiquiátricos, hospícios e tratamentos desumanos que eram prática habitual, este filme não foi assim nada de especial, de novo ou muito chocante mas, ainda assim, vale a pena ver.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.