Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O ensino do inglês na actualidade

 

 

Preocupa-me o ensino do inglês na actualidade.

Receio que se esteja a enveredar pelo facilitismo.

Receio que se esteja, apenas, a dar a conhecer a forma final, sem aprofundar e explicar as bases.

E que as crianças estejam apenas a memorizar expressões em inglês, sem saber o que realmente significam, ou que estejam a utilizar gramática que nem sabem para que serve, e qual o seu papel naquelas frases.

Vejo, por exemplo, alguns exercícios que a minha filha traz para fazer em casa:

“What colour is the pencil case?”

No meu tempo, respondíamos: “The pencil case is blue”.  Agora, basta-lhes responder “It’s blue.”

Mas saberão eles que o “It’s” é a junção e o mesmo que ” It is”? Que o “It” está a substituir “The pencil case”? E que “is” é o verbo “ser” na frase?

Ou estarão, simplesmente, a responder assim porque foi assim que a professora disse para escreverem, e porque era assim que estava nos exemplos do livro?  

De uma forma geral, a minha filha, nos seus exercícios e no manual, não utiliza “what is”, “where is”, “he is”, e por aí fora, mas sempre as expressões abreviadas, com o apóstrofo.

Nas respostas, as palavras da pergunta são sempre substituídas pelo “It”. Já não se utiliza a expressão “Thank you” mas sim “Thanks”.

E poderia dar muitos outros exemplos. Talvez seja assim o inglês moderno. Talvez até seja mais simples. Mas pergunto-me se, de facto, saberão o que estão a aprender, a escrever, e porque o fazem?

 

 

1 comentário

Comentar post