Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Os grandes impulsionadores das mudanças

Imagem relacionada

 

Se repararmos bem, percebemos que as tragédias, as perdas, as dificuldades e os maus momentos, acabam por ser os maiores impulsionadores e responsáveis pelas grandes mudanças da nossa vida. 

Porque será que, nesses momentos, descobrimos forças que não sabíamos que tínhamos? Determinação que estava escondida? Vontade de agir, que permanecia inactiva até então? Coragem que nunca antes demos por ela?

Precisamos de "coisas menos boas" na nossa vida, que nos obriguem à acção e à mudança, porque de outra forma nunca o faríamos? Estas provações são uma espécie de "empurrão", que nos leva a tomar decisões que, de outra forma, nunca viriam?

O que é certo é que, muitas vezes, essas mudanças acabam por ser o que de melhor nos acontece na vida!

Serão essas situações, que nos obrigam a mudar, a chave que nos abre portas para novos caminhos que tínhamos que descobrir e que, de outra forma, nunca iríamos percorrer?

Precisamos da tristeza, para encontrar e valorizar a felicidade?

Fará tudo parte do equilíbrio da vida?

2 comentários

  • Imagem de perfil

    marta-omeucanto 27.03.2018 09:48

    Porque não?
    Uma pessoa empregada, com um emprego mais ou menos razoável, e contas para pagar, dificilmente sai para algo incerto, por muito que o desejasse. Uma pessoa desempregada, pode arriscar mais, porque nada tem a perder.
    Mas isso não quer dizer que todas as desgraças sejam para nosso bem. Nem sempre são.
    Veio isto a propósito do filme "Dei-te o melhor de mim". Foi preciso um amigo comum morrer, para eles se reencontrarem, para ela o voltar a perder, e decidir tirar o curso que sempre quis quando era adolescente, e nunca o fez. Foi também preciso este reencontro para que percebesse que o seu casamento não tinha futuro, e tomar a decisão do divórcio. E depois, analisando a minha vida, percebo que também tem sido um pouco assim.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.