Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Relatos da quarentena, de Gabe Brandão

Relatos da Quarentena

 

A quarentena forçada pela Covid 19, descrita por um jovem de 18 anos, residente no outro lado do Atlântico, num relato que mostra que, no fundo, apesar de estarmos em pontos diferentes, esta foi vivida, em muitos aspectos, da mesma forma, e gerando sentimentos muito semelhantes.

 

Acredito que a quarentena foi encarada, tal como acontece com algo que é novo e não nos importamos de experimentar, como uma situação que até poderia ser benéfica, uma pausa na correria do dia a dia, uma chamada de atenção para darmos mais importância à família, ao nosso corpo, ao descanso, aos pequenos momentos, e para valorizarmos mais aquilo que temos por, nesse período, muito nos ser vetado.

 

No caso deste jovem, e como terá, certamente, acontecido em muitas casas, a convivência obrigatória entre os vários membros da família, e algumas com membros extra que por ali montaram a tenda, com diferentes funções, a convivência, em vez de se tornar um momento de união familiar, transformou-se num caos, que viram ser arrastado no tempo.

As coisas mais pequenas ganham proporções gigantes. Os nervos vão-se acumulando, gera-se um outro tipo de stress, tudo aquilo que sentimos de menos bom é ampliado e, a qualquer momento, as pessoas podem explodir.

Veio ao de cima o melhor, e o pior das pessoas. A generosidade, mas também o egoísmo. O bom senso, mas também o falso moralismo.

 

Por outro lado, o facto de ficarmos isolados, enclausurados, limitados na convivência com os demais, e nos movimentos e momentos de lazer, que nos distraíam a mente e serviam de escape aos "monstros" que, volta e meia, nos assombram, fá-los ganhar mais força, e faz-nos ter que encará-los de novo, sem hipótese de fuga.

Assim, aquilo que no início até era bom, e fazia falta, porque o julgávamos temporário, acaba por se tornar indesejável, mau, saturante, quando prolongado por tempo indeterminado, sem fim à vista, e só queremos voltar à "normalidade".

Aquilo que víamos como entusiasmante, único, histórico, um transformar da ficção em realidade, como se estivéssemos dentro do filme e fossemos as personagens, torna-se um pesadelo do qual só queremos acordar o mais rapidamente possível, e esquecer que o tivémos.

Queremos a nossa vida de volta. As nossas rotinas.

Até a solidão, tantas vezes desejada quando no dia a dia nos vemos rodeados de gente, se torna difícil de suportar, e só queremos ver gente de novo.

Quando, antes, arranjávamos desculpas para ficar em casa, com a pandemia, passaram-se a arranjar desculpas para sair de casa.

Pessoas inactivas começaram a correr e caminhar. Os cães nunca foram tantas vezes passeados. Nunca precisámos de fazer tantas compras na vida!

 

Ainda assim, ficou tanto por viver.

Tantas pessoas por ver.

Tantos acontecimentos por experienciar.

Tantas despedidas por fazer.

 

Depois, pouco a pouco, começou o desconfinamento.

Vieram uma infinidade de regras, de regulamentos, de restrições, de limitações, mas que nos permitiam, aprendido o básico e tentando não esquecer ou confundir algumas delas, regressar a uma nova normalidade.

Reviram-se familiares, amigos, conhecidos.

Reabriram o comércio e os serviços.

Ainda que a medo, voltámos aos beijos e abraços.

Às celebrações contidas. Às reuniões antes evitadas.

Voltámos ao trabalho. Às idas ao restaurante. Ao cafezinho ou cerveja na esplanada.

As férias, e as viagens.

Reatámos relações em suspenso.

 

Havia esperança, e expectativas para o novo ano que em breve chegaria.

Mal sabia Gabe que, após escrever estes relatos, tudo se voltaria a repetir, em 2021.

Cada pessoa encarou esta realidade da pandemia de forma distinta.

"Relatos da quarentena" foi o resultado da vivência de Gabe Brandão, compilada em episódios que misturam ficção e realidade, sempre com uma pitada de humor.

 

Sinopse

A realidade e a ficção se confundem em 2020. Quem poderia imaginar que aquele ano seria tão caótico? Ninguém. Nunca a humanidade usou tanto álcool em gel, ficou tanto em casa e sofreu tanto de tédio quanto neste ano. O que passa na cabeça de um jovem confinado? Lembranças, frustrações, devaneios e opiniões. Gabe Brandão apresenta, entre vivências, opiniões e sarcasmos, tudo de forma bem humorada, o que a sociedade viveu naquele ano.

 

Autor: Gabe Brandão

Data de publicação: Dezembro de 2020

Número de páginas: 260

ISBN: 978-989-52-9081-9

Colecção: Palavras Soltas

Idioma: Português/BR

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.