Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

San Andreas - o filme

 

Se há filme capaz de captar toda a minha atenção é um que esteja relacionado com qualquer catástrofe natural. Vulcões, tsunamis, tornados, terramotos e afins, são argumento mais que suficiente para eu gostar de um filme, e San Andreas não fugiu à regra. 

Desde que vi a apresentação do filme que estava na minha lista de filmes a ver. Era para alugar, mas como passou na tv, optámos por gravar.

Ontem, cheia de vontade de me sentar no sofá e ver um bom filme, foi o dia!

 

 

 

O filme começa logo cheio de acção, com Ray, um bombeiro e piloto do Departamento de Resgate e Segurança de Los Angeles, numa operação de salvamento de uma jovem que, após um abalo sísmico, foi atirada para um precipício, do qual estás prestes a cair.

Logo em seguida, a acção passa para a barragem Hoover, localizada entre os estados de Nevada e Arizona, nos EUA, no rio Colorado, que é completamente destruída pelo sismo que ocorre no momento em que dois cientistas testam um módulo, que permite prever terramotos com antecedência.

E, enquanto na barragem um dos cientistas perde a vida, após salvar uma criança da morte certa, a ex-mulher de Ray tenta salvar-se do prédio onde se encontra, e que está a ruir.

 

 

 

Por outro lado, e com base neste avanço conseguido pelos cientistas, Lawrence percebe que este sismo foi apenas o início da catástrofe, e que irão haver novos sismos, com intensidade ainda maior, e que São Francisco será a zona mais crítica. A culpa é da falha de San Andreas, uma falha geológica que se prolonga por cerca de 1290 km através da Califórnia, que marca o limite de encontro entre duas placas tectónicas - a Placa do Pacífico e a Placa Norte-Americana, e famosa por produzir grandes e devastadores sismos.

E é por isso que, numa emissão em directo, avisa a população do que aí vem, e aconselha a todos a fugirem para bem longe, ou protegerem-se da melhor forma que puderem.

 

 

 

Ray consegue salvar Emma e, juntos, após receberem um pedido de ajuda da sua filha que está, precisamente, em São Francisco, decidem partir para lá e tentar resgatá-la. Mas o cenário devastador que encontrarão pelo caminho não lhes vai facilitar a vida.

 

 

 

 

 

Em São Francisco, Blake, Ben e Ollie tentam escapar como podem da destruição que os rodeia, e chegar ao ponto mais alto que conseguirem, agora que está em iminência um tsunami, na sequência do sismo.

 

 

 

 

E Ray poderá mesmo não chegar a tempo, e perder, pela segunda vez, uma filha. É que já no passadoele tinha sido incapaz de salvar a outra filha do casal, de morrer afogada. Agora, tudo pode voltar a repetir-se...

 

 

Um filme cheio de acção, do início ao fim, que nos faz suster a respiração e temer o que ainda virá por aí. Com alguns clichés, é certo, mas nada que me incomode minimamente. 

Muitas críticas negativas têm sido feitas a este filme. Eu não sou especialista em avaliação de filmes e, como se costuma dizer, gostos não se discutem.

Para mim, é um grande filme, gostei, e via outra vez!

3 comentários

Comentar post