Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Sonhos que davam histórias #1 - 4ª parte

kathy-hare-sonhar-acordada-verc3a3o.jpg

 

O regresso foi estranho. Uma mistura de sentimentos.

O voltar como uma desconhecida, que talvez pudesse nunca recuperar o que havia perdido.

E, no entanto, tudo continuava a parecer-lhe tão familiar, como se nunca tivesse estado longe.

Passou por uma loja de fotografia, e entrou. 

Ao balcão, estava apenas um rapaz, que pareceu reconhecer. Ou talvez a sua lembrança lhe estivesse a pregar uma partida. Seria mesmo ele? O pequeno Lucas, que tinha crescido e agora estava em plena adolescência?

Ao vê-la, o rapaz perguntou-lhe se poderia ajudá-la. Ela, após um breve instante em que se deixou absorver pelos seus pensamentos, explicou-lhe do que andava à procura.

O rapaz pediu-lhe então para esperar um pouco porque, como só ali estava de vez em quando, não lhe sabia responder e tinha que perguntar ao seu pai.

Foi quando o rapaz abriu a porta que dava para uma divisão anexa, que ela o viu! E, então, não teve dúvidas. Nem esperou que ele acabasse de tirar as fotografias aos clientes que tinha no estúdio, para a atender.

Quando o rapaz voltou à recepção, para lhe dizer que o pai viria atendê-la num instante, já não a encontrou.

Não teve coragem...

O pequeno Lucas não a reconheceu. Não fazia a mínima ideia de quem ela era. Quem o poderia condenar.

Mas o pai, esse por certo, reconhecê-la-ia. E depois? O que diria ele? Como a receberia? Não estava preparada para uma mais que certa rejeição, incompreensão.

Por isso, fugiu dali o mais depressa que pode.  

Nessa noite, teve um sonho. Ou melhor, uma visão. Alguém lhe dizia "Se queres recuperar a tua vida e o amor que deixaste para trás, luta por ambos. Só assim saberás o que te espera. Não podes apagar o passado, mas tens o poder de decidir o teu presente."

Mas Lois não teve coragem para enfrentar os seus medos, os fantasmas que a assombravam. Entre ficar com a lembrança do que de bom viveu, e arriscar sabendo que poderia perder tudo de vez, optou por viver com as lembranças.

E assim deixou, definitivamente, Portugal, e as duas pessoas que mais amou na vida. Nunca mais voltou. Nunca mais soube deles. Dedicou-se aquilo que sabia fazer. Até ao dia em que uma bala perdida lhe tirou a vida. Tinha, então, 40 anos.

 

 

 

E foi nessa altura que acordei! Estava na hora de me levantar e ir para o trabalho.

  • Blogs Portugal

  • BP