Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Sobre o Festival da Canção 2015 em Viena

Ontem, às 20 horas, estava confortavelmente sentada no sofá para assistir ao 60º Festival Eurovisão da Canção! 

Não conhecia nenhuma, mas estava expectante para ouvir cada uma das finalistas.

Já houve um tempo em que era um dos espectáculos mais aguardados do ano, a par com a eleição da Miss Portugal. Depois, deixei de ver. Muitas vezes, quando tomava conhecimento, já tinha acontecido. Talvez porque a participação e presença de Portugal não tem ajudado. E porque, quase sempre, as músicas vencedoras são eleitas mais por questões políticas, do que pela qualidade das mesmas.

No entanto, este ano, propus-me a ver e a celebrar o 60º aniversário do Festival Eurovisão da Canção.

Para começar, não posso deixar de elogiar a espectacular abertura, quer em termos de efeitos visuais, quer em termos musicais, com a bela música que deu voz ao lema do festival "Building Bridges" e que seria, para mim, uma boa candidata ao Eurofestival!

 

Não vou falar da Conchita, porque não percebi muito bem o que estava ela ali a fazer, a não ser pose para a câmara.

Mas vou falar de mais um importante momento que alia uma bela música a tecnologia e efeitos gráficos, também associada ao tema "Building Bridges", e que passou ainda antes de darem início ao grande espectáculo - Video Bridge.

 

E, com uma abertura destas, o festival prometia!

Mas confesso que as primeiras músicas não me encheram as medidas. Estava já eu a dar o meu tempo por desperdiçado, quando chega a vez da actuação da Lituânia. E, a partir daqui, foi difícil escolher uma favorita! Penso que foi um dos festivais em que gostei de mais músicas - Lituânia, Sérvia, Noruega, Grécia, Montenegro, Alemanha, Letónia, Roménia, Espanha, Hungria, Georgia, Azerbeijão, Russia e Albania.

Destas, as minhas favoritas à vitória seriam a Sérvia, a Roménia, a Espanha, a Georgia e a Rússia.

Mas estava a torcer pela Rússia, cuja actuação da Polina Gagarina me tocou, pela forma como ela própria sentiu a música, enquanto a interpretava.

 

A da Roménia também era muito bonita!

 

Infelizmente, os votos deste ano deram a vitória à música da Suécia, que até pode ter uma bela mensagem, mas não me convenceu. Parece uma música vulgar, que ouvimos diariamente nas rádios.

 

E, mais uma vez, se constatou que, neste tipo de festivais, nem sempre vencem as melhores! Com esta vitória, a Suécia torna-se o segundo país com maior número de vitórias, a última das quais há 3 anos, conseguida pela Loreen.

Foi também uma pena que o país anfitrião tivesse terminado nos últimos lugares da classificação, sem um único ponto, a par com a Alemanha mas, de facto, a música deixava muito a desejar. 

Ao contrário do seu país, que me pareceu encantador.

Resta-me louvar as mensagens transmitidas em cada uma das músicas, e os efeitos especiais que deram cor e um brilho especial a todas as actuações, valorizando-as ainda mais! E esperar que, no próximo ano, haja uma espectáculo ao mesmo nível do de 2015, e que Portugal possa lá estar!

 

 

 

 

 

Conservatório de Música de Mafra!

BREVEMENTE

 

É verdade! 

Depois de se mudar para cá o Museu da Música, só faltava mesmo uma iniciativa como esta!

Uma iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Mafra, da Escola de Música Juventude de Mafra, e do Conservatório de Lisboa, que vai gerir este agora criado.

Apesar de só abrir portas em Setembro, já está aberta a primeira fase de candidaturas, que irá decorrer de 1 de Maio a 15 de Junho.

Podem inscrever-se crianças a partir dos 3 anos de idade.

Estão também agendadas sessões públicas de apresentação do Conservatório de Mafra, para quem estiver interessado.

Para mais informações, podem consultar neste link https://www.facebook.com/conservatoriodemafra?fref=photo onde estão também os contactos, datas das candidaturas e das sessões de apresentação, e outras novidades e publicações.

 

Os professores também erram

Resultado de imagem para aluno

 

Os professores são seres humanos iguais a todos nós, e também eles podem errar!

Errar na sua maneira de ensinar, errar nas suas atitudes na sala de aula, errar na forma de lidar com os alunos, e até errar na correcção de uma ficha de avaliação.

E o que devem fazer os alunos, nesse caso? Deixar passar e não dizer nada, porque é irrelevante, ou porque têm medo que o professor não aceite com bons olhos esse tipo de abordagem? 

Ou, pelo contrário, não devem ter qualquer receio em conversar com os professores?

No outro dia, estive aqui em casa com a minha filha a fazer a correcção do teste de matemática. Num dos exercícios, a professora considerou quase todas as respostas erradas. A minha filha insistia que as respostas estavam certas. Fui ver ao manual, apliquei as regras que lá vinham e que se aplicavam a cada caso, e ainda conferi com a calculadora.

A mim também me parece que as respostas dadas estão correctas. E, por isso mesmo, a minha filha vai levar o teste para que a professora reveja e lhe explique porque é que considerou tudo errado.

Penso que deve haver essa confiança por parte dos alunos para expôr os seus pontos de vista, abertura da parte dos professores para os ouvir, e responsabilidade para assumir o erro, se for esse o caso.

O que é que pode acontecer? Se, realmente, o exercício estiver errado (não me parece que seja o caso da minha filha), pelo menos ficam a perceber como se faz e porque está errado. Se tiver havido engano, são mais uns pontos que se somam à nota obtida, e que podem fazer a diferença. E os professores constatam que os alunos estiveram atentos, sabem a matéria e conseguem detectar os erros.

Porque se é verdade que os alunos erram muitas vezes, também é verdade que os professores podem falhar!

  • Blogs Portugal

  • BP