Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

A sério que gostava de compreender...

 

...mas não consigo.

Dizia o meu pai que o motorista do autocarro da vila, sportinguista, já tinha o espumante preparado, os cachecóis e tudo o mais que faz parte de uma comemoração, e até já tinha feito uma troca para ter o dia, e ir festejar a vitória do Sporting!

O meu marido, andava ontem que nem louco à procura dos cachecóis do Benfica, e andou a semana inteira a dizer que hoje queria ir celebrar a vitória do Benfica. Até pediu para o colega chegar mais cedo, para vir para casa rápido e irmos lá para o centro de Mafra festejar.

 

Mas está tudo louco?

 

 

Andam os adeptos de ambos os clubes nervosos, ansiosos e a desejar que o jogo comece e acabe depressa porque "isto é um sofrimento"!

Andam a queixar-se de que os árbitros estão contra um ou outro clube, que vão facilitar um ou outro, que as equipas que já não têm nada a ganhar podiam dar hipóteses à outras.

 

Mas o que é isto?

 

Ainda não está nada ganho nem perdido, mas a equipa que quiser ganhar só tem é que lutar por isso, e vencer com mérito e não com favores. E, além disso, para quê tanto stress e tantas ânsias, se os adeptos não ganham nada com isso? Ou até ganham: nervos, stress, problemas de saúde.

Sim, já vi muito boa gente com dores no peito, e a sentirem-se mal só por assistirem a um jogo de futebol, e sofrerem como se de uma vitória ou derrota do seu clube dependesse alguma coisa nas suas vidas.

 

Tenham calma, senhores (e senhoras) que o jogo é só mais logo, e que vença o melhor. 

Depois disso, celebrem ou chorem à vontade, mesmo que não ganhem nada com isso mas, até lá, tenham calma, e não deitem foguetes antes da festa, porque podem vir a ter uma surpresa. E aproveitem o dia porque ninguém vos paga para sofrer por antecipação, por um resultado que em nada depende de vós.

Porque nunca hei de participar num trail

 

Ultimamente tem vindo a ganhar bastantes adeptos, e parece que se tornou mesmo uma moda, paralelamente à corrida de estrada.

O meu marido, que costuma participar em algumas corridas, há muito desejava experimentar correr um trail.

E sobre isso, tenho uma opinião muito própria, que pode ser completamente absurda tendo em conta que se trata de uma competição, mas que para mim faz todo o sentido:

- o trail deveria ser algo para se participar em grupo (duplas ou equipas maiores), em que uns se ajudam aos outros e mantêm-se unidos, a ultrapassar os obstáculos e a derrubar barreiras, até à meta;

- o principal objectivo deveria ser a experiência, um momento diferente passado com amigos, um desafio a superar mas sem a preocupação ou pressão da vitória, ou de uma boa classificação;

- apesar de se escolher, propositadamente, terrenos acidentados, de difícil acesso e que exigem uma excelente forma física, e as condições serem totalmente diferentes de uma estrada de betão, ainda assim deveria haver mais segurança e mais meios à disposição dos participantes;

- quem quiser experimentar um trail, deve treinar antes para isso, e não se aventurar sem qualquer preparação;

- pode ser péssimo para quem, como eu, não tem o mínimo sentido de orientação, ainda mais se os meios disponíveis para orientação forem escassos ou nulos; 

- deveria haver alguém ligado à organização em pontos estratégicos do percurso;

- deveria ser fornecido aos participantes um contacto de emergência para o caso de alguma eventualidade;

 

É por tudo isto, que nunca hei de participar num trail! Além, claro, da minha pouca vontade de correr. 

Porque para mim não faz qualquer sentido ir cada um por si, preocupado com uma medalha ou prémio, e arriscar-se a ficar pelo caminho, sem qualquer recurso à disposição. 

Até pode ser um perfeito disparate o que estou para aqui a dizer, mas a mim não me apanham a subir montanhas, nem a atravessar rios, nem qualquer outra actividade radical ligada ao trail!

 

No desporto não existem traições, existem negócios!

Imagem www.publico.pt

 

É a notícia do dia: Jorge Jesus abandona o Benfica, e assina contrato com o Sporting!

E, ao que parece, tem dado pano para mangas, e incendiado redes sociais, imprensa, e adeptos de ambos os clubes.

Por acaso li, no outro dia, algo sobre o Luis Filipe Vieira só deixar sair o Jesus se fosse para um clube estrangeiro. Pelos vistos, não foi bem assim!

E agora? Agora, o Benfica só tem que ter presente aquela velha máxima de que "ninguém é insubstituível". Nem mesmo Jorge Jesus!

Sim, olhando para tudo o que Jorge Jesus fez no Benfica, e olhando para qualquer outro treinador que venha agora para o clube, é normal que haja cepticismo e desconfiança quanto ao trabalho que o novo possa vir a desenvolver. Depois de termos um grande treinador, é difícil ver-mo-nos com qualquer outro, aparentemente, inferior.

Mas, já no ano passado, o Benfica perdeu, por exemplo, grandes jogadores, e na altura muitos questionavam o que iria ser da equipa sem eles. No entanto, ganharam o campeonato!

Se é traição de Jorge Jesus? Não me parece! No desporto não existem traições, existem negócios! E, por vezes, um pouco de paixão. Todos sabemos que Jorge Jesus é sportinguista. Talvez o amor pelo clube, e por uns milhões a mais no salário, tenham falado mais alto! De qualquer forma, ninguém é obrigado a ficar onde não quer. Se o contrato terminou, ele é livre de escolher para onde quer ir. Se não terminou, os interessados pagam o que têm a pagar e o assunto fica resolvido. O futebol é mesmo assim.  

Se vai ser uma traição o Jorge Jesus surgir como treinador do nosso adversário da Supertaça? Não! Então e aqueles jogadores que já jogaram pelo Benfica, ou por Portugal, e estão mais tarde a disputar jogos contra nós, em clubes adversários? Não interessa os que partem, interessa é os que ficam!

E até me parece que Jorge Jesus teve uma atitude inteligente. Em vez de ir para um qualquer clube estrangeiro, e correr o risco de fazer má figura, como já aconteceu a outros grandes treinadores que quiseram dar um passo maior que a perna, Jorge Jesus optou por ficar aqui mesmo na capital!  

Quanto ao Sporting, vamos lá ver como se vai dar o Jesus com aquele que se julga o Deus da verdade e da honestidade.

Para já, apesar das rivalidades, parece que existe um consenso em relação à contratação de Jorge Jesus, por parte dos adeptos de ambos os clubes: ninguém está a gostar da notícia! 

Vamos lá ver até onde nos vai levar esta telenovela!

A propósito da festa do Cristiano Ronaldo...

 

transferir.jpg

...só tenho a dizer:  

 

Que fez muito bem em em seguir adiante com ela, se assim o entendeu!

Se os jogadores têm que esquecer a sua vida pessoal e colocar os problemas pessoais de lado, enquanto trabalham, por que raio não haveriam de deixar as questões do trabalho de lado, quando estão a viver a sua vida pessoal?

Se é certo que nem sempre se conseguem deixar os problemas pessoais de lado, também é verdade que os problemas do trabalho, muitas vezes nos acompanham.

Mas cancelar a festa de aniversário só fazia sentido se fosse uma decisão vinda do aniversariante, e consequência do seu estado de espírito, após a derrota. Nunca pelo possível descontentamento dos adeptos.

Adeptos esses que, apesar do desgosto, não vão deixar de viver a sua vida, de beber umas quantas cervejas com os amigos para afogar as mágoas, de se divertir só porque o seu clube do coração perdeu um jogo.

Alguns desses adeptos manifestaram-se junto ao centro de treinos do Real, exibindo uma faixa: "O vosso riso é a nossa vergonha". Pois eu diria que algumas das vossas atitudes, também são uma vergonha para o clube que tanto dizem gostar.



Pontapé de saída

 

Já por mim foi dito que, de futebol, pouco percebo.

No entanto, tenho a minha opinião e visão das coisas, assim como suspeitas, sejam elas devidamente fundamentadas ou não, e que preferia francamente não ver confirmadas.

Refiro-me, como benfiquista que sou, ao meu clube – o Benfica.

O que lá vai, lá vai. O que está feito, feito está. Não vale a pena voltar a falar do que perdemos, do que ficou por fazer, das tristezas que o final da época trouxe a todos os adeptos.

Mas, desde então, um pensamento permaneceu na minha mente – se o Benfica não conseguiu na época passada, não será nesta que vai conseguir. Há sempre um momento alto na vida e o do Benfica, era aquele que acabou por desmoronar.

A partir de então, o treinador foi altamente contestado e criticado. A decisão (insistência) do presidente de mantê-lo nesta época, colocou-lhe um peso e uma pressão adicional em cima. Afinal, será dos poucos a acreditar que o treinador é o indicado para levar o clube ao tão ansiado final feliz. E, de qualquer forma, se não fosse o Jorge Jesus, conseguiria um novo treinador adaptar-se à equipa, e a equipa a ele, e prometer resultados que o antigo treinador, em muitos anos, não conseguiu? Estaria o sucesso mais garantido?

Neste momento, os jogadores parecem ainda estar sob o efeito da nuvem negra da época passada. O luto ainda não está superado. E não sei até que ponto o gesto de Cardozo (infelizmente em público) não traduz a insatisfação, falta de confiança e desagrado dos restantes jogadores.

Ainda assim, com uma esperança a querer reacender, iniciou-se uma nova época. Que começou com água a ser lançada em cima da pequena chama, e a apagá-la! Nada que a pré-época não fizesse prever.

Parece-me que o treinador continua a cometer erros que não se podem admitir, talvez pela pressão a que está sujeito mas que, ainda assim, não os justifica. Neste momento, estamos à espera que o Benfica comece a atear o lume que apagou. Resta saber se conseguirá reunir condições para isso, e para mantê-lo até ao final. Tenho as minhas dúvidas…

Por isso, acredito que um Sporting, de certa forma, rejuvenescido e sem grandes ambições a curto prazo, nos possa vir a surpreender. E que um Benfica insatisfeito, não preparado e no limbo, possa descambar para uma situação ainda pior que a que se colocou na época anterior. E, alheio a tudo isto, no topo, para variar, o Porto!  

  • Blogs Portugal

  • BP