Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Da euforia à desilusão em escassos segundos!

Imagem relacionada

 

 

Antigamente, aqui na clínica, o horário das análises era das 08h às 10h, e por ordem de chegada, o que significava ter que acordar cedo para chegar cedo e despachar cedo, até porque não tínhamos muitas opções.

 

A minha filha tem que fazer análises, e queremos aproveitar que está de férias da Páscoa, para não faltar. Ao mesmo tempo, a ideia é eu própria não ter que faltar ao trabalho.

Portanto, apesar de a clínica ter mudado de instalações, para mais perto de casa, ainda assim sabíamos que teríamos que acordar cedo no dia escolhido. De qualquer forma, liguei para lá a confirmar o horário, e se era necessária marcação.

 

 

A euforia:

O horário das colheitas é das 07.30h às 15.30h.

"Que fixe! Dá para ir lá à hora de almoço, e não é preciso acordar cedo.", pensei eu. 

 

A desilusão:

Não funciona por marcação, é por ordem de chegada, mas para fazer essas análises tem que vir em jejum.

 

 

Lá se foi a felicidade de não ter que acordar cedo!

O antes e o depois da consulta médica

Imagem relacionada

 

A marcação

Fui ao centro de saúde em novembro marcar consulta. Disseram-me que o mais cedo que tinham era para janeiro. Marquei. Vim ao portal tentar marcar para mais cedo. Tinha vagas a 2, a 9 e outros dias de dezembro!

Entretanto, num dia em que tive que lá ir fazer um exame, levei as minhas análises para a médica ver. Como não era minha médica, disse-me para marcar consulta e mostrar à minha "marque uma consulta a 5 dias".

"O que é isso?" - pergunto eu, achando que seria uma consulta mais rápida, para não esperar tanto tempo. Estávamos a 28 de novembro, queria marcar-me para 28 de dezembro! Não percebi a lógica dos 5 dias. 

"Então mas eu já tenho consulta para dia 9!" - respondi eu!

 

 

A consulta

Depois de analisados os exames e análises, concluiu que:

- tenho um quisto no ovário - não se faz nada, a não ser repetir a ecografia daqui a uns meses, a ver se evoluiu ou não; não explica os restantes sintomas

- tenho areias e pedrinhas (a que ela gentilmente apelidou de pedregulhos) nos rins - beber muita água, que não da torneira, e repetir exame daqui a uns meses; não deu importância à ectasia dos cálices e do bacinete; pode explicar as dores que tenho nos rins, embora sejam mais moinhas que cólica renal propriamente dita, mas não os restantes sintomas 

- tenho as plaquetas muito baixas em relação ao habitual - 76 - a que a médica chamou de trombocitopenia, mas que também não é indicadora de nada em específico, embora possa, eventualmente, explicar algum cansaço; com este valor, ainda não se faz nada; não explica a sonolência ou a fadiga geral que sinto

- tenho um valor superior ao normal de prolactina - nada de especial, segundo a médica, mas que pode explicar a dor e o inchaço nas mamas, embora não se saiba a causa, uma vez que a gravidez foi descartada

 

Ou seja, tenho várias coisas diferentes sem qualquer ligação entre elas, e nenhuma explica todos os sintomas apresentados. Por isso, mandou-me fazer mais análises e exames:

RX Sela Turca

Rx Mão: para perceber de onde vêm as dores que ultimamente tenho tido no polegar direito, e que me dificultam a escrita e o trabalho em geral

Análises: hormona de crescimento/ ferritina e outras

 

Última possibilidade, de entre muitas que ela falou com a médica interna que acompanhou a consulta - a culpada de tudo pode ser a pílula!

"Faça a experiência, e deixe de tomar a pílula, para ver se os sintomas melhoram!" - disse ela. E depois?

Deixo de tomar a pílula, começo com a TPM, e os sintomas são iguais. E uma amiga minha está a fazer exactamente isso, e continua a ter dores. 

E corro o risco de esta não gravidez se tornar uma gravidez real! Não sei, não.

 

 

O pós consulta

Se já tinha imensas dúvidas quando lá entrei, continuo com elas, ao sair. Quero mesmo tentar perceber o que, de um momento para o outro, me provocou todas estas alterações.

Vem aí nova saga de exames, para me atrofiar ainda mais o cérebro!

 

 

 

Ontem foi dia de consulta

Resultado de imagem para consulta médica desenho

 

Porque os sintomas se mantêm, e já estava a ficar preocupada, resolvi marcar consulta com a minha médica.

Milagre! Há anos que não ia lá (quando vou é sempre em consulta de urgência).

 

Pedi para marcar em horário pós laboral. Só tinham vaga para finais de dezembro!

Noutro horário qualquer, consegui para ontem.

 

A médica avisou logo que eu tenho que lá ir de dois em dois anos, senão retiram-me do sistema. E para dar também o recado à minha mãe, que nunca comparece às consultas.

Aproveitou também a minha ida para marcar uma citologia. Disse à outra médica que eu ando sempre a fugir e que, então, era melhor aproveitar para marcar antes que eu demorasse mais alguns anos a aparecer!

 

Quanto aos meus sintomas, diz que pode ser um problema hormonal.

 

De qualquer forma, mandou-me fazer análise ao sangue para despiste de gravidez. Não me passou mais análises nenhumas, porque quer saber o resultado desta primeiro. Já me está a obrigar a uma nova ida ao centro de saúde.

 

Ainda lá, e porque parece que agora as infecções urinárias são o diagnóstico em voga, pediu a uma enfermeira para me fazer o teste Combur. Não acusou infecção, embora tenha indicado presença de sangue, que a médica desvalorizou.

 

O peso está nomal, o mesmo de sempre. A tensão arterial em 8/5. Os batimentos cardíacos não me disse.

 

A análise de gravidez, como já se esperava, deu negativa. Agora é esperar pelo resultado da ecografia que também me mandou fazer, e das análises que ainda irá passar.

 

 

O senhor é homossexual?Activo? Então não pode dar sangue!

Gay.jpg

Que me desculpe quem inventou mais esta forma de discriminação, porque é algo que eu, simplesmente, não compreendo!

Mais uma vez, expliquem-me como se eu fosse muito burra, por que raio os homens (e apenas homens) homossexuais, não podem doar sangue como outra pessoa qualquer?!

Em primeiro lugar, quando uma pessoa se oferece para ser dadora de sangue, perguntam à mesma a sua orientação sexual? Que eu tenha conhecimento, essa pergunta deixou de constar dos questionários escritos antes das dádivas de sangue. No entanto, continua a haver indicação no sentido de a mesma ser formulada. E isso é discriminação. A orientação sexual de cada um só a si diz respeito, e a mais ninguém.

Ah e tal "o instituto não faz qualquer discriminação em função da orientação sexual, mas sim em função da prática sexual", diz Hélder Trindade, presidente Instituto Português do Sangue e da Transplantação.

E afirma ainda que "nada é perguntado sobre a orientação sexual, mas antes sobre o comportamento sexual. O que o instituto questiona é o comportamento de risco. Tanto faz se é homo ou heterossexual.", para logo a seguir se contradizer "o dador não será excluído por se assumir homossexual, mas por praticar sexo com outros homens".

Ou seja, os homossexuais homens, podem doar sangue, sim. Mas, apenas e só, se estiverem num período de abstinência sexual! E porquê? Porque "o contacto sexual de um homem com outros homens é definido como fator de risco".

A sério? Factor de risco é qualquer prática sexual desprotegida, seja ela entre heterossexuais ou homossexuais.

Só há riscos na prática sexual entre homens? E entre mulheres, não há? E entre heterossexuais? São uma classe superior, por acaso? Imune aos riscos?

Obviamente que não!

Então isto funciona assim. Uma mulher vai doar sangue. Como é mulher, quer seja heterossexual ou lésbica, pode fazê-lo. Mesmo que tenha tido comportamentos de risco, pode fazê-lo. Mesmo que seja portadora de VIH, pode fazê-lo. O mesmo acontece com um homem que seja (ou assim o diga), heterossexual. Ou que, sendo homossexual, não tenha tido qualquer actividade sexual num determinado período de tempo. E ninguém saberá, até ser tarde demais. Porque o seu sangue pode, entretanto, ter sido utilizado.

Como diz Hélder Trindade, apesar de o sangue ser testado antes da sua utilização, "há uma janela de tempo, que é variável, em que o VIH pode não ser detetado na análise ao sangue doado".

No entanto, um homem homossexual, activo, pode não estar infectado, e o seu sangue ser totalmente seguro. Mas, segundo estes senhores, ser homem e ter sexo com homens já constitui, por si só, um factor de exclusão! 

Desculpem-me mais uma vez, mas isto é a maior estupidez. Como é que pensam comprovar o orientação e prática sexual dos dadores? Sim, porque qualquer pessoa pode dizer que é uma coisa, sendo outra! Ainda mais sabendo deste tipo de discriminação. E qualquer pessoa pode dizer que está em abstinência, não estando.

Não é preconceito?! É!

Querem garantir a qualidade e segurança das dádivas? Façam exames, análises e tudo o que se mostrar necessário para tal. Sem discriminar! É a única forma - com rigor científico, e sem preconceito. 

Assim, só estão a criar entraves desnecessários e, na prática, inúteis, à doação de sangue que, como têm vindo a constatar, é cada vez menor. Estas limitações só provocam nas pessoas visadas a revolta, o desejo de esconder a verdade, de ocultar aquilo que querem saber. Com consequências que pretendem evitar.



Ler mais: http://expresso.sapo.pt/homossexuais-so-podem-dar-sangue-se-estiverem-em-abstinencia-sexual=f922315#ixzz3YnsvAqtB9

  • Blogs Portugal

  • BP