Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O facto de se gostar de dramas faz de alguém uma pessoa dramática?

Resultado de imagem para drama

 

Quem me conhece, sabe que, de uma forma geral, não gosto de filmes de comédia.

Que não acho piada à maior parte dos humoristas, e àquilo que debitam com intenção de nos fazer rir. Mais depressa o faço com o Mr. Bean, por exemplo, que nem precisa de abrir a boca.

E que, raramente, me rio dos vídeos de parvoíces que circulam por aí, pelo youtube ou facebook, que a maioria gosta, e lhes acha graça.

Não tenho um sentido de humor igual ao das outras pessoas, lamento. 

Mas isso não quer dizer que não me ria, que não ache graça a certas coisas, situações, cenas com as quais me vou deparando. 

 

Por outro lado, estou quase sempre pronta para um bom filme ou história dramática, e é-me muito mais fácil e, diria até, inspirador, escrever sobre drama, sobre tristeza.

As emoções chegam de forma mais natural, e a escrita flui muito melhor, do que se tiver que exprimir algo oposto.

 

Sou assim. Posso ser diferente da maioria, mas não estou cá para agradar os outros. Estou cá para ter a minha própria opinião.

No outro dia, dizia-me o meu marido que eu era uma pessoa dramática, que só gosto de coisas tristes, de lágrimas, de sofrer, e nunca acho piada a nada, como se não quisesse viver alegre ou animada.  

 

Então, o facto de se gostar mais de dramas faz de alguém uma pessoa dramática?

Eu até me considero uma pessoa bastante divertida e animada, quando assim se proporciona. Sou pessoa para me rir de muitas parvoíces, de cenas espontâneas que assisto, até de mim própria!

Não sou pessoa de andar por aí a lamentar-me, a chorar pelos cantos, a vitimizar-me pela vida que me calhou.

Pelo contrário, até sou um pouco "palhaça". E, não raras vezes, acabamos a noite, eu e a minha filha, a rirmo-nos à gargalhada, por alguma coisa que disse ou fiz. 

 

Mas, se há coisa que me irrita, é que me tentem impingir, à força, algo a que não acho graça. Pior, que queiram que eu seja da mesma opinião que essas pessoas que gostam muito e acham piada, e que fiquem aborrecidos por eu não pensar da mesma forma.

 

 

Presa Branca - o melhor filme que vi este ano!

Resultado de imagem para presa branca filme 2018

 

Presa Branca foi, sem dúviva, o melhor filme que vi este ano!

E que recomendo, a todos aqueles que gostam de animais.

 

É um filme que nos faz enternecer, sorrir, chorar, enervar, e despertar o nosso lado mais agressivo para dar uma lição a uns quantos personagens que por ali andam.

Tenho tanto para dizer sobre este filme, mas não poderia fazê-lo sem vos dar a conhecer a história deste lobo, e tudo o que ele passou. Mas digo-vos que o trailer não faz jus ao filme. Nem de longe. 

 

 

 

Resultado de imagem para presa branca filme 2018

 

O filme começa logo com uma cena intensa e trágica, que mexe logo connosco.

Depois, ao longo da história, são vários os momentos marcantes, que coincidem com as mudanças na vida de Presa Branca, um lobo que depressa aprende quais são os seus deveres, o que deve fazer para que o respeitem, como sobreviver. Mas também um lobo que não esquece quem é seu amigo e quem lhe fez mal, quais são as suas origens, e onde vive a sua única familia.

 

É aquele animal que todos gostaríamos de ter mas que, a determinado momento, teríamos que deixar seguir o seu caminho, para que pudesse ser feliz!

 

Se puderem, vejam!

 

 

Sinopse:

"Baseado no conto de Jack London, o filme reinventa este clássico para os mais pequenos, num emocionante conto de bondade, sobrevivência, humanidade e maravilhas do mundo natural. Depois de ser separado da sua mãe ainda filhote, Presa Branca passará pelas mãos de vários donos, experimentando e aprendendo lições essenciais de vida ao longo do caminho. É levado pela primeira vez por Castor Cinzento, um líder da tribo Gwich'in de Nativos Americanos no Yukon. Lá, Presa Branca é tratado com respeito e reverência, e aprende a ser um líder e amar a humanidade pelos seus melhores exemplos. Mas tudo muda quando Presa Branca é levado pelo malvado Beauty Smith, que o atira para o mundo cruel das lutas de cães. O Xerife Weedon Scott intervém e com a ajuda da sua esposa Maggie, cuidam de Presa Branca devolvendo-lhe a saúde física e espiritual, restaurando nele a ternura e o amor que Beauty Smith roubara. Depois de um emocionante confronto entre Scott e Beauty Smith - numa batalha pela vida de Presa Branca - Weedon e Maggie decidem deixar o Yukon para trás. Mas Presa Branca, agora um herói crescido, curioso e autossuficiente, toma a decisão de ficar, e volta para seu lugar de direito na vida selvagem para prosperar e para criar a sua própria família."

 

 

Patrulha de Gnomos

Imagem relacionada

 

Posso dizer que fui ver este filme, convencida que ia ver outro!

E acho que só percebi isso no final. É o que faz haver tantos filmes sobre gnomos.

Na altura em que fomos ver o filme Coco, vimos um trailer sobre gnomos que até comentei que deveria ser uma espécie de continuação do Gnomeu e Julieta.

Quando andei a pesquisar que filmes de animação estavam agora no cinema, vi este e associei automaticamente ao tal que tinha visto anunciar. Como li apenas sobre o que este se tratava, sem ver o trailer, não percebi o erro.

Só depois de o ver é que conclui que, o que eu pensava que ia ver era o Sherlock Gnomes, e o que acabei por ver, foi Patrulha de Gnomos.

 

Confusões à parte, posso dizer que é um filme fraquinho, sem graça, daqueles nunca perderia tempo (e dinheiro) a ver no cinema. Mas como era para a minha filha e as amigas, e tinha sido este a preferência, paciência.

Tem a sua lição de vida, tanto no que toca à relação entre pais/filhos, como na relação entre amigos, e o que é a verdadeira amizade, e como muitas vezes, consciente ou inconscientemente, temos uma percepção errada do que isso significa e representa.

Mas fora isso, não convence.

 

Coraline: um filme de animação de terror?!

Resultado de imagem para coraline

 

Quando vi a história do filme, acho que não me apercebi bem do que se tratava, e lembro-me de ter pensado que era um bom filme para ver. 

Nunca cheguei a vê-lo, durante todos estes anos, mas no domingo passou na televisão, e achei que seria boa ideia vermos os três, no final do dia, para descomprimir dos estudos e trabalho rotineiro de fim de semana. E, assim, sentámo-nos os três na sala, nós duas com as bichanas ao colo a dormir, para uma sessão de cinema infantil.

A minha filha, que agora está na fase dos filmes e séries de terror, não estava lá muito entusiamada, mas depressa mudou de atitude, ao ver que aquele filme era puro terror, só que em formato de animação!

 

Embora tenha sido considerado um grande filme para todas as gerações, tenha angariado várias críticas positivas, e transmita uma importante mensagem, para mim, foi um filme que não me inspirou, de todo. E que não recomendo a quem que não tenha um gosto específico por este género de ficção.

Mais, sendo um filme de animação que era suposto ser para crianças, não recomendo. Os mais novos são bem capazes de ter pesadelos!

 

Destaco a personagem do gato, que tem um papel extremamente importante na história e consegue, mesmo quando não fala, transmitir aos espectadores os seus sentimentos e emoções.

De resto, tirando mesmo a moral da história, achei um filme uma grande "seca", e arrependi-me de ter sugerido desperdiçar o nosso precioso tempo com ele.

Coco: o filme de animação deste Natal

Resultado de imagem para coco filme

 

Já tinha lido algumas críticas positivas relativamente a este filme, por isso, esta semana, fomos ao cinema vê-lo.

O meu marido não tinha achado o trailer animador. A minha filha preferiu este a outros e, como era o que mais se ajustava aos nossos horários, acabou por ser o escolhido.

Entrámos sem expectativas. Saímos de lá satisfeitos com a escolha!

 

É um filme que fala, essencialmente, sobre a família e a importância e valor que ela tem, ou não, para cada um de nós.

E sobre sonhos! Sobre como devemos sempre seguir os nossos sonhos, independentemente do que os outros possam querer ou desejar para nós, ou de quem nos queira impedir de os seguir.

Não temos que viver a vida dos nossos antepassados, nem reger-nos pelo que possa ter acontecido a eles, para determinar o nosso futuro.

 

Por vezes, a tradição entranha-se de tal forma que se torna difícil ver para além dela. Ver que os descendentes podem não querer perpetuar essa tradição, por terem outra igualmente válida em mente. E, outras vezes, nem sempre a tradição é má, e pode até ser o elo que nos liga a todos enquanto família, e nos torna mais fortes.

 

Independentemente do que a nossa família possa pensar, e dos limites que nos tente impôr, mesmo não sendo o mais acertado, só o fazem para nos proteger. E, aconteça o que acontecer, mais cedo ou mais tarde, a verdadeira família irá sempre apoiar as nossas decisões, e desculpar as nossas loucuras!

 

Para não desvendar já a história do filme, adianto apenas que, a meio da mesma, houve uma reviravolta que não estava, de todo, à espera!

E sim, saímos de lá de lágrimas nos olhos!