Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Aprender a dizer "sim"

LOGO_3D_SEM_FUNDO_2365x.png

 

Todos sabemos o quão importante é saber dizer "não" em determinados momentos ou situações da nossa vida.

Mas é igualmente importante aprender a dizer "sim", em outras tantas. 

Se há ocasiões em que se torna fundamental colocar um travão, outras há em que é preciso largá-lo.

 

Pode parecer que não mas, da mesma forma que aquelas pessoas, que têm dificuldades em dizer "não", acabam muitas vezes por ser prejudicadas, porque abusam delas, ou simplesmente porque, para fazer a vontade aos outros, anulam a sua, também as pessoas que não sabem dizer "sim" se privam, muitas vezes, de tantas coisas que poderiam ser boas para elas.

 

E porquê?

Porque, quase automaticamente, essas pessoas estão "programadas" para dizer "não", rejeitando tudo, sem dar qualquer oportunidade aos outros e, sobretudo, a si mesmas.

Estão tão habituadas, que dizem "não" sem nem sequer tentar, experimentar, dar uma hipótese. 

Por vezes, fazem-no porque creem que isso é o melhor para si.

Outras, porque têm receio.

E algumas, apenas porque foi uma sugestão, ideia ou proposta de uma determinada pessoa. Ou seja, mais uma vez, mas no sentido oposto, estão a anular os seus desejos e vontades, ou a desperdiçar oportunidades, em função ou por causa dos outros.

 

Por isso, é importante aprender e, de vez em quando, ter a coragem e ousadia de dizer "sim".

Por nós. Porque temos que pensar em nós, em primeiro lugar.

Quem sabe não descobrimos, nesses "sim's", momentos felizes que, de outra forma, nunca viveríamos?

Porque é que a diferença incomoda tanta gente?

passarinhos-azuis.jpg

 

A diferença não tira o lugar. Não substitui. Não ameaça.

Apenas complementa os espaços ainda não ocupados.

Aprendemos mais com as diferenças, do que com as semelhanças.

Ser diferente não significa, necessariamente, ser melhor, ou pior. Ser superior, ou inferior. É, apenas, ser diferente.

E ser diferente torna tudo mais completo, mais diversificado, mais dinâmico.

O problema da diferença, é cada um ter metido na cabeça que é uma espécie única e que, qualquer outra, terá que se assemelhar a si, ou não haverá lugar para ela no mundo.

No entanto, esquecem-se que a melhor forma de nos tornarmos semelhantes será respeitando, mutuamente, essas diferenças.

 

Escolhas

37817145_1745760712205893_3284283958501572608_o.jp

 

A vida é feita de escolhas – algumas boas, outras não tão boas, algumas acertadas, outras erradas mas, ainda assim, são aquelas que fazemos – e essas escolhas têm as suas consequências. Se algumas escolhas são um erro, não devemos desanimar – é com os erros que aprendemos!

Sim, eu vejo o Big Brother! E daí?

Big Brother: Após strip de Diogo, Ana Catharina não resiste a ...

 

Sou uma pessoa menos culta, por isso?

Menos instruída?

Porque é assim tão estranho eu gostar de ver este reality show, quando já vi tantos outros, ainda que com conteúdos e objectivos diferentes?

Qual a diferença do Big Brother, para o Casados à Primeira Vista, por exemplo, que torna um mais, ou menos, válido que o outro?

 

Não vi os primeiros meses.

Ia lendo o que se escrevia e publicava sobre o programa.

Há umas semanas vi um pouco da gala.

Nas seguintes, também.

Agora tenho acompanhado mais regularmente e com mais frequência. E gosto.

 

Podia ver um filme, uma série, um documentário. Podia ler um livro.

Mas não era nada disso que me apetecia.

Por vezes, só queremos ver algo leve, para entreter.

Ainda que não se retire ou se aprenda nada com isso.

O que nem é o caso. 

Porque há ali muito por explorar, em termos de comportamento humano e da sociedade em que vivemos actualmente.