Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Já posso ter um ataque de nervos?!

Imagem relacionada

 

Estamos a pouco mais de duas semanas do final do primeiro período.

A minha filha tem ainda, por fazer, cerca de 5 ou 6 testes.

Todos os dias traz TPC's para fazer.

Tem um trabalho de Educação Visual para terminar em casa, porque as aulas não são suficientes.

 

 

Como se tudo isto não chegasse, tem ainda para fazer, em pares/ grupo:

  • um trabalho de português
  • um trabalho de espanhol 
  • um trabalho de inglês 
  • um trabalho de geografia
  • um trabalho de físico-química 
  • um trabalho de matemática 

 

 

Inês, já escolheram o artista espanhol para a entrevista? 

Não.

Inês, já pensaste qual a Lei de Newton que vais escolher? Já viste os links que te enviei?

Ainda não.

Inês, já combinaram entre vocês quando é que se juntam para fazer o trabalho de geografia?

Não.

 

 

É tudo para fazer até ao final do período, enquanto estuda e tenta não deixar nada por fazer, mas sem tempo nem cabeça para tudo ao mesmo tempo. E, pelos vistos, também sem muito interesse e responsabilidade.

 

 

Agora digam-me: ainda é cedo, ou já posso ter um ataque de nervos, já que a minha filha é a calma e relax em pessoa?!

 

Formigueiro em casa?!

Resultado de imagem para formigas

 

Volta e meia, na minha casa, aparece formigas.

No início, até sabíamos a causa. Rebuçados ou chocolates que estavam por ali há meses, pacotes de açúcar esquecidos, qualquer coisa doce que as chamava. Costumam aparecer também em determinadas alturas do ano.

Em Janeiro, fizeram a primeira aparição anual. Na casa de banho! O que têm as formigas a procurar na casa de banho? Lá fui exterminando as "mulas", como eu lhes chamo.

Um dia, apareceram na cozinha: na bancada, em cima da mesa, na parede. Olhei para cima, e deparei-me com um carreiro de formigas a passear ao longo das quatro paredes.

Depois do típico ataque de nervos, lá coloquei mãos à obra, para acabar com elas. Deixámos de colocar algumas coisas em cima da mesa, por prevenção. Fomos vigiando.

Passaram-se semanas e, à partida, a crise estava extinta. Até comentei com a minha filha que parecia que as formigas nos tinham dado tréguas. Mais valia estar calada!

No dia seguinte, levanto-me, e a primeira coisa que vejo na cozinha são formigas, na bancada, onde tinha ficado uma caneca e um prato do dia anterior, por lavar. E lá tive eu que intentar mais um "formigicídio". Missão cumprida! Mal sabia eu para o que ainda estaria guardada.

À tarde, vou abrir uma gaveta para tirar uma tampa, e deparo-me com um formigueiro lá dentro. Eram tantas, mas tantas, que as tampas, de metal prateado, estavam quase pretas.

E volto a colocar a mesma questão? O que procuram as formigas numa gaveta?

Tive que retirar a gaveta, a única ocupada pelas "mulas", levá-la para a rua e sacudir as ditas para o chão. Depois, lavar a gaveta, lavar tudo o que estava lá dentro, colocar spray na chaminé (por onde suponho que tenham descido) e tentar não entrar em parafuso, com formigas a subirem-me pelos braços durante todo o processo!

Acho que, por enquanto, está tudo sob controlo. Mas é melhor não falar muito!

 

Ainda tenho um ataque cardíaco!

Matar dois bichos no mesmo dia, no espço de poucas horas, é demais para o meu coração.

 

 

 

Primeiro, descubro uma centopeia dentro de uma caixa, na entrada de casa. Pego na pantufa, e lá começo eu à sapatada à bicha, que me começa a fugir. Dou-lhe mais duas ou três pantufadas e lá consigo esmagá-la.

 

 

 

 

 

 

Mais tarde, quando vou buscar um saco à dispensa, deparo-me com uma aranha. Pego no saco pela ponta oposta, e sacudo a aranha. Ela, esperta, em vez de cair, começa a subir o saco. Dou uns gritos, uns saltos, mais uma sacudidela e ela cai no chão.

Ponho-lhe o pé em cima, mas ainda corre que nem louca a tentar safar-se. Sem sorte, porque volto a atacar, e esborracho-a no chão.

Felizmente não encontrei mais nenhum invasor indesejável nesse dia, senão ainda me dava uma coisinha má!  

A série Quantico

 

Estreou na passada 2ª feira, no AXN, mas só este fim de semana tive oportunidade de ver. Quando vi anunciar, até pensei que fosse um filme, e disse logo ao meu marido para pôr a gravar. Só depois percebi que era uma série.

O meu marido, que até nem é muito dado a séries, também quis ver. E gostou! Eu também adorei! É mesmo o estilo de séries que gosto.

A história está dividida entre o presente e o passado. No presente, Alex acorda no meio da destruição, provocada por um dos maiores ataques terroristas que a América viveu desde o 11 de Setembro, sem se lembrar de nada do que aconteceu.

Levada por agentes com o intuito de os ajudar a escarecer quem foram os autores daquele atentado, de entre um grupo restrito de recrutas do FBI, do qual Alex também fazia parete, ela depressa percebe que estão apenas a empatá-la, e que é ela a principal suspeita!

Mas tudo começa quando várias pessoas, de diferentes nacionalidades, viajam até Virgínia, para formar um grupo de recrutas do FBI, que vai receber treinamento. Todos escondem segredos, as verdadeiras razões para ali estarem, qual é de facto a sua missão. Um deles, será o terrorista responsável pelo ataque.

A história vai, assim, alternando entre a actualidade, em que Alex vai ter de escapar da polícia e tentar a todo o custo descobrir quem é o culpado pelo crime de que a acusam, e o que aconteceu desde há seis meses atrás até à actualidade.

É daquelas séries que temos que estar com atenção máxima, sob pena de perder o fio à meada, de perder uma cena ou uma conversa importante para a compreensão da trama.

Só consigo encontrar um defeito nesta série: só dá uma vez por semana! Se pudesse, via os episódios todos seguidos. É daquelas que uma pessoa vê, e quer mais, e mais. O que vale é que hoje é segunda-feira, e vem aí o episódio n.º 2! 

A inveja não é bonita...

 

...e não nos fica nada bem!

 

Segundo consta, José Cid, vá-se lá saber porquê, decidiu empreender um ataque ao seu colega de profissão, o cantor Tony Carreira, acusando-o de ser "um cantor fraquinho, que só alcançou o sucesso devido a uma enorme estrutura de marketing".

Mas as críticas não se ficam por aqui. Para José Cid, Tony Carreira "evoluiu em termos estéticos, mas não como compositor e intérprete". E vai mais longe, afirmando que as suas músicas têm "letras rafeiras e falta de originalidade, sendo os seus concertos fabricados e não genuínos".

José Cid considera-se um intérprete superior a todos os níveis e frequentador/ convidado para meios aos quais Tony Carreira nunca chegará.

Não sei a que se deveu este súbito ataque, mas posso dizer que tais afirmações não lhe ficam nada bem.

Alguém que se afirma "superior" nunca se prestaria a críticas deste género, nem tão pouco teria necessidade de se gabar a si próprio.

Se é por inveja, só lhe posso dizer que é um sentimento muito feio.

Felizmente, neste mundo, há músicas e cantores para todos os gostos, e ninguém é obrigado a ouvir aquilo que não gosta, aquilo que "não pertence ao seu mundo".

Por isso, se o Sr. José está satisfeito com o seu público de "gente bonita", com os seus concertos em determinadas festas, casamentos e outros locais onde nem todos, incluindo Tony Carreira, podem ir, óptimo! Se os seus concertos são genuínos, ainda melhor para ele!

Mas a verdade é que, se houve uma época em que José Cid esteve no auge da sua carreira, essa época há muito passou.

Os tempos são outros e, por mais que não se queira, o marketing e todo o processo de produção de espectáculos são algo perfeitamente normal e que não tem, necessariamente, por objectivo diminuir ou disfarçar a qualidade das músicas e do cantor que as interpreta.

Não sou fã de José Cid. Também não sou do Tony Carreira. Mas já fui a um concerto deste último e não me pareceu que aquelas quarenta mil pessoas tenham ido em excursões organizadas pelo próprio.

A verdade é que, quer queiramos, quer não, Tony Carreira move massas - mulheres, homens e até crianças - ninguém lhe fica indiferente. E chegou onde muitos outros cantores não conseguiram chegar!

Já se vamos falar de "letras refeiras", poderia dizer que a letra de uma das suas músicas "como o macaco gosta de banana eu gosto de ti..." é uma letra digna de enquadrar essa classe! Por vezes, as pessoas ganhavam mais se estivessem caladas.

Embora cada um seja livre de expressar a sua opinião, e os seus gostos, considero que seria uma atitude mais digna respeitar um colega de profissão, com todas as suas diferenças, sem ataques nem desafios.

Resta a Tony Carreira mostrar, com a sua suposta "inferioridade", que um ataque deste género não merece resposta nem contra-ataque.

Porque quem está seguro do seu valor e das suas capacidades, não precisa de o provar a ninguém que não seja a si mesmo! E não precisa de se servir de "golpes baixos" nem descer ao mesmo nível de quem, gratuitamente e sem aparente motivo, lhe lança críticas!

 

 

 

PS.: Para aqueles que sabem que a minha filha é fã incondicional do Tony Carreira desde os seus 4 anos, informo que não foi ela que me "obrigou" a  escrever este post! {#emotions_dlg.smile}

 

  • Blogs Portugal

  • BP