Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Quando sabotamos a nossa própria felicidade

Imagem relacionada

 

Ainda a propósito do desafio do balão, de que falei há uns dias, fiquei a pensar na pessoa que acabou por rebentar o seu próprio balão.

 

Dizem que a felicidade dos outros incomoda muita gente.

Mas, e quando somos nós mesmos a impedir que a felicidade chegue até nós?

Quando somos nós a sabotar a nossa própria felicidade? Por achar que não a merecemos? Ou por não saber o que fazer com ela?

 

Uma pessoa que, logo à partida, desiste de si própria, nunca poderá investir noutra, nem tão pouco numa relação. 

Se ela se vira contra si própria, se se ataca a si mesma, se construiu um escudo tão forte que nem permite entrar aquilo que a poderá fazer feliz, nem a deixa sair para encontrar a felicidade fora dele, torna-se impossível alcançá-la.

 

E se o seu balão rebenta tão rapidamente, é normal que, na falta dele, ela tenha que começar a furar o balão dos outros.

Somos como um balão!

desenho-de-balão-colorido-dibujos-ideia-criativa.

 

 

Ao longo do nosso dia, algumas situações menos boas vão-se acumulando, como o ar que vai enchendo, aos poucos, um balão.

Da mesma forma, acontecem outras que compensam as primeiras e, de certa forma, soltam a boca do balão por momentos, esvaziando algum do ar que lá se encontrava.

Se o balanço final for positivo, e conseguirmos pôr para trás das costas o menos bom, é possível que cheguemos ao final do dia com o balão vazio. E que bem que sabe soltar todo aquele ar que se foi acumulando!

 

 

No entanto, este processo vai-se repetindo ao longo da nossa vida, e o balão, de tantas vezes que se enche e esvazia, começa a ficar mais enfraquecido.

Por outro lado, não é saudável andar sempre com ar dentro do balão, por pouco que seja, sem o conseguir soltar. Até porque, quanto mais ficar acumulado, mais depressa o balão enche, e mais fraco e susceptível de rebentar se torna.

 

 

O resultado, num ou noutro caso, é que corremos o risco de, um dia, sem contarmos, o balão, simplesmente, rebentar. 

Se for por excesso de ar, muito mais rapidamente, é certo, e muito mais previsível.

Se pelas várias metamorfoses que foi sofrendo ao longo do tempo, mais demoradamente, e de forma imprevisível.

 

 

E o que acontece, quando o balão rebenta?

Para além de não haver nada a fazer, e ter que ser substituído por outro, pode atingir tudo à sua volta com os estilhaços daí resultantes.

Haverá sempre consequências, e mudanças.

Mas nem sempre o podemos evitar...

Alguém me arranja um balão?

 

Há dias em que dava imenso jeito ter uma espécie de balão à mão, para que pudesse soprar lá para dentro tudo aquilo que enerva, irrita e me deixa a ponto de "esganar" alguém!

Assim, todos os possíveis disparates que pudessem sair pela minha boca, e as palavras ditas no momento das quais mais tarde me arrependeria, ficariam juntas dentro do balão que, depois de bem atado, poderia lançar ao ar, para bem longe.

Toda a tensão estaria descarregada, voltaria a sentir-me bem, evitava desperdiçar tanto tempo da minha vida a discutir sobre coisas que não fazem sentido, e aproveitaria o pouco tempo que tenho ocupada com o que realmente interessa e me deixa feliz!

  • Blogs Portugal

  • BP