Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O bilhete esquecido!

doc20160224224008_001.jpg

doc20160224224102_001.jpg

 

 

Ontem descobri, dentro do livro de inglês da minha filha, um bilhete para o circo!

Daqueles que costumam distribuir pelas escolas, e que dá direito ao bilhete de criança grátis, na compra do bilhete de adulto.

Mas, se ainda me alegrei por momentos com tal descoberta, depressa a alegria passou!

 

Diz a minha filha: "Ah, pois é! Esqueci-me de te dar!"

Olho para a data, e descubro que o bilhete era para uma das sessões de circo dos dias 5, 6, 7, 8 e 9 de Fevereiro!

Lá se foi a nossa ida ao circo!

 

 

 

Montanha russa

 

Como num parque de diversões, o meu companheiro desafia-me a dar uma volta na montanha russa!

Olho para ela - subidas a pique, descidas vertiginosas, loopings de arrepiar...e é tão grande...tão alta...

Digo-lhe que não vou conseguir, claro, e que o melhor é ficarmos cá em baixo e deixar os outros andarem!

Ele afirma, convicto, que não tenho que ter medo, que vai ser divertido e que está ao meu lado. E eu penso "pois, pois, isso dizes tu. Eu não consigo ver o lado divertido e descontraído da coisa"!

Mas de tanto me "massacrar" para experimentá-la, lá me resolvo então a acabar com o tormento de uma vez por todas - afinal, são só alguns minutos, e depois de ele ver o estado em que de lá saio, nunca mais me volta a falar de montanhas russas!

Estou, então, prestes a comprar o bilhete, e a sentar-me no lugar que me será destinado, com aquele nervoso miudinho de quem ainda nem começou e já se arrependeu de ter aceitado, de quem sabe que não pode voltar atrás nem se levantar sem que a viagem tenha terminado, de quem conta os segundos que mais parecem uma eternidade, para que a montanha comece a andar e acabe depressa, mas sempre na esperança que algum imprevisto a impeça de funcionar!

Afinal, surgiram mesmo imprevistos, e parece que a montanha vai permanecer parada até nova ordem.

Experiência adiada, ainda que sem direito a desistência...

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP