Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Publicidade encomendada? Não, obrigada!

Resultado de imagem para publicidade no blog

 

Já por aqui tenho lido relatos de bloggers a quem determinadas empresas contactam, com o propósito de publicitarem determinados produtos, ainda que em nada estejam relacionados com o conteúdo do blog, e na maioria das vezes, para mera publicidade (positiva, claro) sem sequer poderem experimentar primeiro os produtos em causa.

 

 

No meu caso, tenho vindo a receber propostas de artigos de instituições/ associações, cujas causas até estão, de certa forma, relacionadas com alguns textos que partilho.

Mas a intenção é a mesma: falar de algo que não conheço, publicitando serviços e instituições, só porque sim.  

 

 

Da primeira vez, em resposta, expliquei que não tinha por hábito escrever esse tipo de artigos mas sugeri, em contrapartida, fazer entrevista para a rubrica "À Conversa Com...", onde a própria instituição poderia explicar quem era, o que fazia, o que tinha a oferecer, como funcionava e, ao mesmo tempo, falar sobre a causa em questão.

Pensei que não alinhariam nisso mas, para minha surpresa, aceitaram fazer a entrevista, ainda que com a preocupação de, algures na mesma, haver um link para a dita instituição.

 

 

As questões para a entrevista foram enviadas há mais de um mês. Ainda não tive qualquer resposta!

Provavelmente, não esperavam ter tanto trabalho. Ou talvez não lhes convenha responder às questões.

Não sei...

 

 

Tempos depois, uma nova proposta do género. Confesso que ainda não respondi.

A verdade é que, se a intenção for apenas publicidade encomendada, a minha resposta será sempre "não, obrigada!".

E não me apetece estar a ter trabalho a elaborar uma entrevista que nunca será respondida.

 

E, de repente, tornei-me "a louca"...

mulher-digita.gif

 

 

... a louca que corre para o telemóvel , ou pega no primeiro pedaço de papel que tem à mão, para escrever aquela ideia que acaba de surgir, nas horas mais impróprias, e nos sítios mais inusitados.

 

E não é porque são muitas!

É mesmo porque a memória está mais para formiga, do que para elefante e, se não o fizer na hora, minutos depois já não me lembro de nada.

 

E, sim, este post também foi objecto de apontamento, na parte de trás da lista de compras do marido!

Fui banida do facebook!

Resultado de imagem para facebook

 

 

 

Bem, não exactamente banida, mas muito restringida, e altamente discriminada!

 

 

O blog tem uma página no facebook e, desde que o Sapo facultou a funcionalidade das redes sociais, os posts do blog são lá publicados, tal como os posts d'A Palhaça Martita.

Sem problemas.

 

 

Até que reparei, esta semana, que todas as publicações do blog "Marta - o meu canto" tinham sido eliminadas da página do blog no facebook, bem como de todas as outras páginas em que tenham sido partilhadas ou mencionado o blog com link!

Só ficaram as d'A Palhaça Martita, e as publicações directas na página, sem ligações ou links.

 

Como se não bastasse, relativamente às publicações partilhadas no meu perfil pessoal, com ligação ao blog, aparece-me a seguinte mensagem:

"Esta publicação desrespeita os nossos Padrões da Comunidade, pelo que só tu a podes ver."

 

 

 

Já nas mensagens em que faço referência ao blog, aparece isto:

"Esta mensagem foi removida porque inclui uma ligação que infringe os nossos Padrões da Comunidade."

 

 

Publicar os links na página, não dá, porque surge "erro da query"

 

 

 

Ao escolher, aqui no blog, a opção "partilhar no facebook", dá isto:

Não foi possível enviar a tua mensagem porque esta inclui conteúdo que outras pessoas no Facebook denunciaram como abusivo."
 
 
 

 

E, se tento aceder a qualquer ligação ao blog, através do facebook, aparece esta mensagem:

"A ligação que tentaste visitar desrespeita os nossos Padrões da Comunidade."

 

 

 

Que raio de Padrões da Comunidade é que as publicações do blog, ou a mera referência ao blog, através do respectivo link, estarão a desrespeitar, de há uns dias para cá?

Será o temido artigo 13º, e os seus filtros automáticos, que censuram tudo o que possa constituir uma violação aos direitos de autor, ainda antes de serem publicados, a causar mossa e a fazer as primeiras vítimas?!

Ou alguém com muita inveja do blog (nem sei porquê), decidiu boicotá-lo?

 

 

Obviamente, esta será mais uma publicação barrada no facebook, pelo que só a encontrarão por aqui!

 

Porque é que tenho mesmo um blog?

Imagem relacionada

 

Ah, pois, é isso: porque gosto de escrever!

Por vezes, é bom relembrar que o principal objectivo é o prazer, e não uma obrigação.

Na semana passada, as ideias andavam escassas, a imaginação não abundava e não fazia a mínima ideia sobre o que escrever no blog.

E então, lembrei-me do livro que o meu marido anda a ler "A Arte Subtil de Saber Dizer Que Se F" e esse pensamento serviu que nem uma luva: que se lixe!

 

Que se lixe se hoje não há post, que se lixe se não tenho nada para dizer, e não me apetece vir aqui escrever só por escrever.

Que se lixe se não estou com paciência para vir aqui dizer mal disto ou daquilo.

Que se lixe se ainda não posso falar sobre o livro que ando a ler, porque ainda não acabei de o ler.

Que se lixe se não posso falar de filmes ou séries porque, simplesmente, não tenho visto nada.

Que se lixe se a vida anda tão normal, que não há nada de interessante para contar.

 

Não é por o blog ficar sem posts durante uns dias, que vem mal ao mundo. Nem eu deixo de estar cá, nem os seguidores deixam de estar lá.

E por vezes, é bom fazer pausas. Não só nos blogs, mas nas redes sociais, em geral.

Sempre que estamos ligados, andamos sempre, por um lado, naquela ansiedade constante de "será que já me responderam?", "será que já veio o que estava à espera?" e, por outro, "tenho que responder", "tenho que fazer isto", "estão a contar com aquilo".

 

Um fim de semana sem estar preocupada com emails, facebook, blogs, é sempre uma boa terapia de relaxamento!

 

O melhor do meu ano 2018

Resultado de imagem para o melhor de 2018

 

 

O melhor que este ano de 2018 me trouxe foi a certeza de que, por muito que nos custe a acreditar, a nossa história somos nós que a fazemos.

E foi assim que começámos esta caminhada, em janeiro, com o concerto de Soy Luna, na Altice Arena.

 

Seguiram-se vários passeios como a nossa ida, em Maio, até à aldeia de Alcarias, em pleno Alentejo, para visitar uma colónia de gatinhos muito especial, e sermos recebidos com a maior simpatia pela Nélia e pela Daniela.

 

Houve momentos em que me senti mais esgotada, e me perguntei “para onde vai a nossa disposição quando somos engolidos pela rotina", mas nada como uma caminhada pela Lagoa de Óbidos, pela zona do Vimeiro ou até mesmo pela Foz do Arelho, para recuperar energia e voltar a casa com um sorriso no rosto.

 

Foi um ano de muitas entrevistas para o blog, de muitas sugestões para os fins de semana no FantasticTV, e por aqui.

Não faltaram os momentos hilariantes com os bichos lá por casa, como o batalhão de formigas que nos invadiu a casa durante semanas, nem os stresses habituais com a escola, os professores, a chuva de testes e os trabalhos de grupo.

 

Aventura também não faltou, com a nossa ida à famosa Praia do Cavalo, em Sesimbra, onde tivemos que percorrer um trilho que quase nos matava do coração, para chegar ao paraíso mas, por vezes, não podemos evitar o inevitável!

 

Mas, como a carteira nem sempre dá para grandes extravagâncias, tivemos que manter o equilíbrio, e encontrar locais aqui mais perto de nós, com uma beleza que desconhecíamos, como as Cascatas do Rio Mourão, Senhora do Arquitecto ou São Julião.

 

2018 foi o ano de deixar para trás quem não quer seguir connosco, porque cada um deve seguir a sua vida livremente, sem depender de ninguém, nem estar preso a ninguém.

Se é difícil? É.

Mas, muitas vezes, são estas situações os grandes impulsionadores das mudancas que ocorrem na nossa vida.

 

Neste ano que agora se aproxima do final, tive ainda imenso prazer em colaborar com um projecto inovador em Portugal – uma revista totalmente dedicada aos felinos - a Miau.

 

Li muito, vi imensos filmes, conheci e acompanhei novas séries e programas televisivos.

Escrevi imensos textos para o blog, dos quais destaco alguns, como estes dois:

a dúvida corrói mais que uma verdade dolorosa ou carta a uma amiga que um dia foi especial.

Em 2018, a revista Inominável despediu-se, e com essa despedida chegaram ao fim 3 anos de colaborações.

 

Foi o ano em que senti, pela primeira vez, alguns dos tremores de terra que se fizeram sentir no país. E em que me preparei mentalmente para a possibilidade de a minha filha vir a namorar brevemente para, logo depois, perceber que ainda não seria desta que teria de lidar com isso.

 

É ainda o ano em que me tornei oficialmente quarentona!

 

Se poderia ter sido melhor? 

Talvez... Mas estou grata por tudo o que ele me trouxe.

 

 

 

E planos para 2019?

Não há! 

O caminho faz-se caminhando, e quando lá chegar, logo verei o que ele me reserva, e o que poderei fazer com ele!

  • Blogs Portugal

  • BP