Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Domingo de excepções

Resultado de imagem para votar

 

Desde os meus 18 anos, idade em que adquiri o direito de votar, ontem foi a segunda vez em que o fiz.

A primeira, tinha sido por ocasião do referendo do aborto.

Aqui em Mafra, já se sabia quem ia ganhar. No entanto, fui votar (não nesse partido) porque, pela primeira vez, houve um partido que me disse alguma coisa, e com o qual me identifico em alguns aspectos.

 

 

Resultado de imagem para croissant de ovo

E porque ontem pareceu ser o domingo das excepções, comi um bolo que já não comia talvez há uns 2/3 anos - um croissant de doce de ovos!

Estava bom, como sempre, e soube bem, embora a determinada altura já achasse que tinha doce de ovos a mais. 

Agora posso passar mais uns anos sem comer outro!

Marta - a gulosa!

Resultado de imagem para doces de fruta

 

"A sério?

Tu és gulosa?! 

Nunca te vejo comer bolos. Nunca te vejo comer doces nem gelados.

É sempre comida saudável!"

 

Sim, respondo eu! 

Pode não parecer, mas eu sou muito gulosa!

Se não costumo comer muitas coisas dessas que atrás referem é porque, se começasse, teria tendência a abusar.

 

No sábabo passado, deu-me para experimentar os doces que estavam à venda no hipermercado. Escolhi 3: de figo, de morango, e de maçã e canela. Três caixinhas pequenas, só mesmo para experimentar.

Diz o meu marido: "mas tu nem és de comer doces". Pois não, e eu já sabia qual era o destino que os esperava, mas queria mesmo experimentar!

Assim que cheguei a casa, peguei numa colher de sobremesa, e provei um bocadinho de cada. O de figo era doce demais e muito enjoativo. Foi logo recambiado para casa dos meus pais que, como o meu pai costuma dizer, a diabetes dele (não tem) pede coisas doces!

O de maçã e canela, e o de morango, eram muito bons. Não sei dizer de qual gostei mais. Ficaram lá por casa, para o meu marido e a minha filha experimentarem.

A minha filha não achou muita graça. O meu marido gostou, mas está numa de alimentação saudável. E eu, comi uns pãezinhos de leite, um com cada doce, fiz a vontade, matei o meu desejo, e chegou-me.

Escusado será dizer que, também estas duas caixas, foram parar ao frigorífico dos meus pais!

 

Olh'á Bola de Berlim

IMG_2794.JPG

 

 

Verão sem praia não é verão! E praia sem Bolas de Berlim, não é praia!

Não se aplica no meu caso mas serei, por certo, uma minoria.

Ainda me lembro de ir para a praia com o meu pai, era eu ainda uma pré adolescente, e andar por lá uma senhora já com os seus 50 anos, com a pele morena e envelhecida pela idade, e pelo sol debaixo do qual caminhava ao longo de toda a praia, com os cestos de batatas fritas Titi num braço, e a arca dos bolos no outro.

E tanto as crianças como os adultos a chamavam para comprar alguma coisa para comer. Apesar do lanche que já levávamos de casa, um pacote de batatas ou o nosso bolo preferido eram um mimo extra que tornava a nossa ida à praia ainda mais espectacular!

Depois, com o tempo, e os bares que foram surgindo junto às praias, esta tradição caiu um pouco em desuso.

Nos últimos anos que tenho frequentado a praia, nunca mais vi ninguém a vender. Até ter ido este ano à Praia dos Pescadores, e me deparar com um vendedor!

Mudam-se os tempos, mudam-se os produtos, e os vendedores.

Agora, é a vez deste homem, aparentemente novo, passar os dias a trabalhar onde todos nós nos divertimos, descansamos e relaxamos, ou refrescamos no mar, debaixo do sol escaldante, a circular por toda a praia, de um lado para o outro, gritando o célebre bordão "Olh'á Bola de Berlim".

Não sei até que ponto será lucrativa esta venda ambulante nas praias, mas admiro estes vendedores que, para ganharem o seu sustento ou um dinheiro extra, têm que se submeter a diversas exigências antes de iniciar a sua actividade, e são depois postos à prova todos os dias na praia, nem sempre sob as melhores condições.

São as novas gerações a dar, muitas vezes, continuidade ao trabalho dos pais e familiares que se iniciaram nesta actividade há décadas atrás.

E nas praias que costumam frequentar, também existem estes vendedores?

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP