Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Kate e Meghan - amizade para a vida ou nem por isso?

Imagem relacionada

 

Numa entrevista conjunta, estavam ambas sorridentes e animadas.

Todos acreditam que as duas podem vir a ser, se já não o são, grandes amigas, para além de cunhadas, e que Kate será uma ajuda preciosa para a integração de Meghan na família real e nas tradições e regras que Meghan terá que passar a cumprir.

Sendo Harry considerado por Kate como um irmão mais novo, e sendo Kate, o marido e o cunhado muito unidos, nada mais natural que essa cumplicidade se estenda a Meghan.  

 

 

 

 

No entanto, se antes do casamento de Harry e Meghan, tudo fazia crer que assim fosse, parece começar a haver alguma especulação quanto à amizade das duas, nomeadamente, se Kate não estará a passar por uma crise de inveja e ciúmes, pela maior liberdade e escrutínio menos apertado sobre a cunhada, ao contrário dela própria. E pelo facto de se sentir ameaçada quanto à eventual preferência dos britânicos pela sua cunhada, que foi considerada a mulher mais atraente da realeza britânica, superando Kate, que ficou assim em 2º lugar.

 

 

 

Resultado de imagem para meghan markle aniversário da rainha

 

E neste primeiro ato oficial da duquesa de Sussex após a lua-de-mel, em que se estreou na famosa varanda do Palácio de Buckingham, Kate ocupou a dianteira do plano, parecendo querer roubar-lhe o protagonismo.

O que não é fácil.

Kate parece assumir e levar o seu papel cada vez mais a sério. Ela própria está a surgir com uma expressão séria nas últimas fotografias. Casada há vários anos, mãe de 3 filhos, e com um papel importante a desempenhar, Kate parece carregar todo o peso da responsabilidade nas costas, aparentando estar cansada e sem brilho.

Já Meghan, surge como uma lufada de ar fresco, um espírito mais livre e descontraído, que brilha por onde passa, e cativa naturalmente. A fazer lembrar a Kate de há uns anos atrás.

 

 

 

Sobre Justin Bieber e outras "estrelas" cadentes

“Justin Bieber tem estado, nos últimos dias, na ribalta, mas pelos piores motivos.

Detido uma primeira vez, por suspeita de conduzir sob o efeito de substâncias ilegais e circular a alta velocidade, repetiu a experiência, desta vez acusado de agressão contra o motorista da sua limusine, a 30 de dezembro do ano passado.”

 

Este é apenas um dos muitos casos de ascensão galopante de determinadas pessoas ao estatuto de estrelas, seguida de vertiginosa queda.

Para muitas dessas pessoas, a sua vida anterior, enquanto ilustres desconhecidos, enquanto meros e comuns mortais, uma vida perfeitamente normal, dificilmente será recuperada.

Será pura imaturidade?

Será consequência natural do crescimento e desenvolvimento?

Terão os respectivos pais a sua quota-parte de responsabilidade?

Será culpa da pressão exercida pelo meio em que se passam a mover?

Ou um conjunto destes e outros factores?

Sejam quais forem os motivos, parece ficar provado que a fama tem também um lado negro, que nem todos estarão preparados para evitar, ultrapassar ou vencer.

E, quando assim é, depressa se transformam em estrelas cadentes, e sem qualquer brilho.

Uma dança chamada amor!

 

Um dia, alguém disse:

"Quando um par está a dançar, tem que haver partilha. São duas pessoas, que têm que funcionar como uma só, e que dependem dos passos uma da outra para que a dança corra bem e o resultado seja o melhor.

Nenhuma delas pode querer brilhar mais que a outra. E, se quiser que alguma delas brilhe, deve ter a bondade de deixar isso acontecer com o parceiro. Nunca pensando individualmente. Em querer o brilho só para si. Aí, em vez de partilha, surge o egoísmo. E deixamos de ter um par, para ter duas pessoas a dançar, cada uma por si..."

 

Também o amor é uma dança a dois. Temos que aprender os passos certos, adaptarmo-nos a eles e aprender a conjugá-los, adaptarmo-nos ao nosso parceiro, partilhar a dança com ele e brilharmos como um só. Apenas pelo prazer de dançar, pelo prazer de amar...

Mas se só o soubermos fazer sozinhos, se não formos capaz de dividir a "cena", se quisermos o protagonismo só para nós, então deixa de haver amor. E a dança deixa de fazer sentido... 

  • Blogs Portugal

  • BP