Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Nenhuma dependência é benéfica, seja ela qual for

Sem Título.jpg

 

Criar uma dependência é fácil. Difícil, é livrar dela!

Normalmente, as dependências começam para colmatar a falta de algo, para responder a uma necessidade imediata, para tentar solucionar, provisoriamente, uma situação mais difícil pela qual a pessoa esteja a passar.

E, naquele momento, funciona.

Mas, com o tempo, deixa de ter o efeito inicial e desejado, e então é preciso mais, e mais. E quanto mais dependentes nos tornamos, piores ficamos, e mais queremos, num círculo vicioso que não augura bom futuro para ninguém.

É como andar constantemente a tapar um "buraco" com remendos, sendo que, apesar disso, vai ficando cada vez maior e mais difícil de cobrir por inteiro.

Sejam drogas, álcool, medicamentos, alimentos, jogo, ou até mesmo dependência de outras pessoas, a partir do momento em que a pessoa se torna dependente, nunca mais poderá dizer que está tudo controlado, porque esse aparente controlo é falso, e depressa se transforma em descontrolo que pode pôr em causa o trabalho, as relações com os outros, e até a própria vida.

Aqueles que ainda não entraram na teia da dependência, têm que ter um cuidado extra para lhe escapar.

Já os que já foram apanhados por ela, precisarão de muita ajuda para se conseguirem desemaranhar, sem sequelas, e voltar a ter uma vida normal.

 

 

O ser humano é um "bicho" estranho e contraditório

Resultado de imagem para pescadinha de rabo na boca desenho

 

As pessoas, mediante determinadas situações da sua vida, tomam decisões que acham que as irão melhorar ou resolver mas, depois, acabam por não estar satisfeitas, e tomar novas decisões que as levam às situações de onde queriam sair. E torna-se uma "pescadinha de rabo na boca".

 

Por exemplo:

A excessiva disponibilidade leva-nos a ocupá-la com as mais diversas actividades que, quando percebemos, nos deixam sem qualquer disponibilidade, pelo que acabamos por abdicar delas, para voltar a ter disponibilidade e, logo em seguida, vontade de querer ocupá-la de alguma forma!

 

Não raras vezes, sentimo-nos sozinhos e acabamos por iniciar uma relação amorosa, para termos alguém ao nosso lado, com quem partilhar os momentos, os dias, as férias, os fins de semana, as noites. Mas, às tantas, de tanto estarem juntos, começam a sentir falta de tempo só para si, o que leva a que vá cada um para seu lado, voltando a estar sozinhos, até sentir falta de ter alguém, e voltar a repetir o ciclo!

 

Muitas pessoas vão para o ginásio para conseguir um corpo tonificado e bonito, para agradar ou ser mais fácil conquistar alguém. Quando o conseguem, acabam por deixar o ginásio de lado, porque há muito mais com que se ocuparem, e começam a perder o corpo de sonho, o que leva a que algumas vezes, a atracção deixe de existir, e as relações terminem. E logo vão para o ginásio de novo, para repetir todo o processo.

 

E, assim, sucessivamente, para as mais diversas situações e circunstâncias.

O ser humano é mesmo um "bicho" estranho e contraditório.