Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Existem verdadeiras bestas nas estradas

Resultado de imagem para estradas

 

Perdoem-me a expressão, mas é o que me apetece dizer depois da cena de hoje.

Ia com o meu marido para casa quando, a meio do caminho, deparamo-nos com um camião parado na faixa. Quando estávamos quase a ultrapassá-lo, porque havia espaço para tal, o dito camião lembra-se de começar a andar. E assim continuámos, com ele à nossa frente e, por azar, a ir para a mesma rua que nós.

Quando estamos quase a chegar a casa, o camião resolve, sem aviso, parar novamente na estrada, impedindo a passagem. O meu marido dá-lhe uma buzinadela, e o que é que o camionista faz?

Marcha-atrás, para cima de nós! Por mais que o meu marido buzinasse, ele continuava. Nem sequer estava a dar tempo de nós também recuarmos, e eu estava a ver a minha vidinha a andar para trás, mesmo sem o carro o fazer.

Entretanto lá se deu conta, e parou. O pendura, ainda teve a lata de pôr a cabeça do lado de fora e pedir calma!

Até porque o que mais se precisa, quando se vê um camião a vir para cima de nós como se fossemos invisíveis, é calma. Para quê ficar nervoso?! 

Acabou por estacionar por ali. E sinais, não se usam? Estarão aí no camião só para enfeitar e decorar?

Como é que uma pessoa pode perder o trauma dos camiões, se anda sempre a ter problemas com eles?

 

 

É isso e a velha história das passadeiras, de que já aqui falei. Cada vez mais, os automobilistas simplesmente ignoram-nas, e aos peões. 

 

 

Claro que, depois, também temos peões que são a estupidez em pessoa. Ainda no outro dia ia para casa e deparei-me com duas mulheres a atravessar a estrada, onde não havia passadeira, e ainda a reclamarem com o condutor, porque não as deixou passar, como se ele tivesse alguma obrigação disso!

Se os milagres existem, então estarmos vivos é um milagre!

 

 

Quase 11 horas da manhã, estávamos nós a caminho de Tróia para passar o dia na praia. Íamos com calma, na faixa da direita, a entrar na A8.

Vem um camião a aproximar-se de nós, do nosso lado esquerdo. O meu marido até comentou que o camião estava a querer encostar-se a nós. Mas pensámos que ele ia seguir paralelo a nós, cada um na sua faixa de rodagem. Enganámo-nos.

O camião bateu-nos de lado, o meu marido desviou-se o quanto podia (tinhamos o raid ao nosso lado e uma estrada lá em baixo) até bater no raid, virámos para o meio da estrada, demos duas voltas e capotámos.

Assustei-me a valer, claro. Mas não pensei que ia morrer. Só queria era que o carro parasse, e que sofressemos o menos possível.

Quando isso aconteceu, vi o meu marido a tirar o cinto de segurança e sair pela janela partida. Com muita calma, dadas as circunstâncias, fiz o mesmo.

Mas a Inês ficou presa no banco de trás, estava em pânico por nos ver cá fora e ela lá estar, e as portas de trás não abriam. Tentei acalmá-la e comecei a tirar o que estava no carro, para depois ela poder sair pelo mesmo sítio que nós.

Entretanto, um bombeiro que ia de passagem e que parou para ajudar, juntamente com o meu marido, conseguiu tirá-la em segurança pela mala do carro.

Estava traumatizada psicologicamente, mas fisicamente sã e salva, apenas com uma nódoa negra. Eu, fiquei com cortes nas mãos e no joelho, e um braço dorido.

Já o meu marido, ficou com o braço queimado e cortado - queimadura por abrasão - e foi levado para o hospital. Tem que andar com o braço ligado e ter muito cuidado.Ficou também com dores pelos tombos que demos. 

Mas, de uma forma geral, estamos vivos, e sem grandes ferimentos. O carro? Esse não teve salvação.Perda total.

Começámos mal as férias, é verdade. Mas não vamos deixar que isto nos estrague o resto delas. Só nos deu mais força e vontade de aproveitarmos ao máximo cada dia que ainda nos falta.
Não era ainda a nossa hora. Ainda temos muito que fazer cá.

Quanto ao camionista, diz que não nos viu! Ou por distracção, ou porque ia a dormir.
Queremos desde já agradecer a todos os que, de alguma forma, nos ajudaram: desde os automobilistas que pararam para nos prestar apoio moral e testemunhos, ao bombeiro que conseguiu tirar a Inês de dentro do carro, aos tripulantes do INEM, aos médicos e enfermeiros da VMER, aos agentes da GNR de Torres Vedras, pessoal da assistência em viagem e a todos o que estiveram lá e me tenha esquecido de mencionar.
Estamos bem, e é isso que importa. A vida continua!

  • Blogs Portugal

  • BP