Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

E de repente, passei a ser "a outra"!

645e2a476dbb8edfe8735cec1d624279.jpg

 

Chega uma pessoa aos 45 anos, para isto!

Perguntava o meu pai, ao meu irmão, onde é que eu trabalhava.

Como ele está com alguma confusão, o meu irmão pergunta se se estava a referir à Inês (neta).

Responde o meu pai: "Não, a Inês trabalha nos computadores. Estou a falar da outra." 

E é isto. Nem Marta, nem filha. Passei a ser "a outra"!

 

Isto até seria engraçado, se não fosse mau.

Ele já fazia alguma confusão antes, mas desde que teve covid e foi internado, para além de ter voltado fisicamente fraco, veio ainda pior a nível mental.

Claro que tem os seus momentos de normalidade, conversa, sabe o que diz mas, depois, tem momentos em que não sei o que se passa na cabeça dele.

 

Depois, como sou a única que mora ali quase ao lado, sou eu (ou marido, ou filha) que vamos lá ver se ele come.

E não gosto desse papel porque parece que só vou lá para lhe "enfiar comida na boca".

Porque ele precisa mesmo de comer e, se não andarmos em cima, petisca mas não se alimenta em condições. Mas não quero ser a "fiscal" de serviço.

Antes tomava a medicação habitual para o coração e rins.

Agora, reclama sempre que lhe dou os medicamentos.

Tem momentos em que não percebo se ele acha que eu vivo com ele, porque se eu saio, pergunta-me onde vou ou, quando chego, o que andei a fazer.

 

Por isso, nós vamos rindo, vamos relativizando, mas custa ver a pessoa que ele foi, e como está a ficar.

Ainda tem aquela garra de se levantar da cama. De ir até ao quintal apanhar sol. De, por exemplo, querer fazer a barba.

Mas passa o tempo entre cozinha, quintal e cama. Muito mais tempo na cama. 

Desde que veio do hospital, nunca mais quis ver televisão.

Acredito que ele já nem saiba como ligá-la. Mas mesmo quando pergunto se quer que ligue, responde que não.

Tenho a ideia de que ele também já não sabe atender o telefone, nem ligar para ninguém.

O que também não ajuda. 

 

E é isto. Chega aos 82 anos, e acho que alterna ali entre a vontade de viver mais uns tempos (ou não tinha pedido para ir ao hospital), e o deixar-se levar pelo cansaço.

Entre os momentos lúcidos, em que acreditamos que está a melhorar e que, com tempo, vai voltar ao estado anterior, e os momentos em que parece que essas melhoras não se estão a verificar, e que é uma questão de tempo, até se deixar ir.

 

Mas isto sou eu, que sou pessimista...

 

 

 

Quando conversar se torna difícil, resta o silêncio

ressentimento.jpg 

 

Não que eu seja muito dada a conversas mas, quando é algo que me interessa, ou sobre o qual posso dar a minha visão, a minha opinião, ou questionar, gosto de conversar com os outros.

Mas gosto, quando é uma conversa saudável. Quando todos podemos ter opiniões ou visões diferentes. Quando cada um respeita o outro. Quando é possível trocar ideias e pensamentos de forma pacífica.

No entanto, cada vez mais noto que, com algumas pessoas isso, simplesmente, não é possível.

Porque não admitem outra linha de pensamento que não a exposta por elas. Porque ficam chateadas por estarmos a levantar questões que não têm de ser colocadas. Porque, para elas, não faz qualquer sentido estarmos a desviar da "linha recta" por elas traçada, e enveredar por outros caminhos, que não o único por elas sugerido.

Então, aquilo que poderia ser uma conversa normal, torna-se uma guerra inútil, uma discussão desnecessária.

E, sendo assim, quando conversar se torna difícil, cansativo, stressante e desgastante, resta o silêncio...

 

 

 

Os últimos dias...

Página 2 | Cansaco Desenho Imagens – Download Grátis no Freepik

 

... têm sido muito cansativos.

Saí do trabalho na quinta-feira, fomos a casa pegar nas gatas e seguimos para o veterinário, para levarem a vacina.

Portaram-se bem, estão em forma - uma não engordou, a outra perdeu umas gramas - e só lá voltam em 2026.

Nessa mesma noite, preparar as coisas para a cirurgia do meu marido, do dia seguinte.

 

Sexta-feira, dia de cirurgia para ele. Passou o dia todo no hospital, veio para casa ao final da tarde.

Já eu, saída do trabalho, tive que ir com a minha filha a mais uma etapa da vida dela.

Cheguei já tarde, o marido à minha espera para o ajudar, e tudo em casa para fazer.

 

O fim de semana foi passado entre as tarefas domésticas do costume, e em modo "moça de recados", "administrativa" e "enfermeira".

Esta semana, não será diferente, com o marido em casa, de baixa, e sem poder fazer grande coisa. E as mulheres da casa a trabalharem.

 

Mas pronto, hoje já é terça-feira! Já não falta tudo 

 

Ai, esta cabeça!

Lentes De Contato PNG Images | Vetores E Arquivos PSD ...

Depois de um dia de trabalho, perdida de sono e com dor de cabeça, cheguei a casa, fiz o que tinha para fazer, jantei, fui buscar a minha filha ao trabalho, preparei-lhe o jantar e despachei-me para ir para a cama.

Já deitada, veio-me à mente que não deveria ter guardado as lentes de contacto, porque ia estrear novas no dia seguinte.

Adormeci.

 

Esta manhã, levanto-me.

Sentia os olhos muito secos.

Pus os óculos. Tive que os tirar. Estava a ver tudo desfocado. Via melhor sem eles do que com eles.

Fui ver os olhos no espelho, pareciam normais. Não estavam vermelhos nem com sinal de inflamação ou algo do género.

Lavei a cara.

 

Voltei a pôr os óculos.

A mesma coisa.

Meu deus, só me falatava agora também isto. 

Vou ter que marcar uma consulta de oftalmologia urgentemente.

 

Continuo ali a examinar no espelho, à espera de detectar algo estranho, quando percebo que tenho as lentes de contacto postas!

Sim, pela primeira vez na vida, sem sequer saber nem dar por isso, em mais de 20 anos de uso de lentes de contacto, dormi com elas postas. O que nunca se deve fazer.

Por isso é que, quando punha os óculos, via tudo desfocado: eram lentes em cima de lentes!

E por aqui se vê o estado em que anda a minha cabeça, e o cansaço que sinto, que nem me apercebi que me estava a deitar naqueles preparos.

Quem procura, acha!

Lupa - ícones de diversos grátis

 

Sempre ouvi dizer.

E foi por isso que hesitei em marcar consulta com a minha médica de família.

Porque não sabia se queria mesmo encontrar alguma coisa, ou ficar sem saber e deixar andar, em total desconhecimento.

Só que a necessidade levou a melhor.

 

Quando aquilo que sentimos começa a afectar toda a nossa rotina, toda a forma como vivemos o dia-a-dia, e acções tão básicas e fundamentais como respirar, então só há um caminho.

A primeira vez que tive estes sintomas, foi em plena pandemia, corria o ano de 2021.

Nessa altura, queixei-me à médica mas, lá está, naquele momento tinha passado, e ela pensou que eu tivesse tido covid.

 

Desde então, volta e meia, os sintomas voltavam, passavam, voltavam de novo, até que ficaram de vez.

Cansaço fácil, fraqueza, dores musculares (pernas e costas), a sensação de que todo o meu sistema imunológico está enfraquecido e, sobretudo, dificuldade em respirar. Mesmo quando estou sentada, ou deitada. Sem fazer qualquer esforço.

O receio de faltar o ar enquanto durmo, e não acordar.

Dor no peito, e tosse se acelerar um pouco o passo.

 

Fiz exames.

Foi detectado um bloqueio incompleto no coração. A vigiar. Pode causar alguns dos sintomas.

Foi detectada anemia, por falta de ácido fólico e vitamina D3. Esta última, cuja recomendação é apanhar sol, não se pode aplicar no meu caso, porque corro o risco de voltar a ter cancro da pele. Portanto, os próximos meses serão a tomar suplementos. Esta anemia pode causar alguns dos sintomas que apresento.

Quanto às alterações da transferrina e saturação, cujos valores poderiam sugerir talassemia, algo que bate certo com alguns dos sintomas, foram desvalorizadas como sem importância.

 

Foi detectado um aumento da tireoide, o que pode justificar alguns dos sintomas, pelo que terei que fazer novos exames, para perceber o que é ao certo esse aumento.

 

Foram detectadas algumas estriações fibrótico-cicatriciais apicais e dos lobos superiores nos pulmões. A médica diz que não é nada de especial, que são resquícios, e que deve ter sido algo que já veio de nascença (confesso que achei isto estranho e estou inclinada a pedir uma segunda opinião). Porque, é certo, a internet nem sempre é confiável e leva a diagnósticos errados. Mas penso que cicatrizes nos pulmões são consequência de algo que foi ocorrendo ao longo da vida, provocado por inflamações ou condições, e não são algo a menosprezar. Para além de que justificam alguns dos sintomas.

E, sempre que pesquiso, vai dar a duas palavrinhas não muito simpáticas e assustadoras - fibrose pulmonar.

 

Para além do que já referi, tenho um desvio do septo nasal. Algo que sempre tive. Pode agora estar a provocar efeitos que antes não se manifestaram. Não acredito que seja disso. Mas vou fazer mais um exame.

Como calhou numa altura em que, ao que parece, apanhei uma rinite (depois de uma conjuntivite - eu bem digo que o meu sistema imunológico está nos mínimos), foi-me receitada cortisona nasal.

Esta rinite triplicou a minha dificuldade em respirar, e o cansaço, pelo esforço que tenho de fazer para ter ar.

 

Escusado será dizer que, nestas últimas semanas, tenho andado KO, a tentar manter-me activa, a tentar que me afecte ao mínimo, mas a fazê-lo a um ritmo a que não estou habituada.

Tudo muito mais devagar. Com muito mais calma.

Uma coisa de cada vez. 

Com muitas paragens entre tarefas, enquanto caminho ou, até mesmo, enquanto como porque, como digo lá em casa "ou como, ou respiro"!

E a tentar respirar fundo a cada passo, a cada movimento, como se tivesse corrido uma maratona.

 

Vou, então, fazer mais uns exames.

E continuo a aguardar que me chamem para fazer uma espirometria, e avaliar a função pulmonar (tendo em conta que a médica pediu marcação sem urgência, não será tão cedo).

 

Tendo em conta que a médica de família está prestes a aposentar-se, pareceu-me que ela está pouco ralada porque, provavelmente, quando eu lá voltar, já não será com ela.

Até porque já não estava a aceitar marcações.

Por isso, ainda não sei quando, e a quem irei mostrar os exames e, caso seja necessário, quando e quem me irá encaminhar para alguma especialidade.

 

Até lá, o maior objectivo é continuar a respirar como conseguir.