Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Memórias de Uma Eterna Guerreira

Marta Segão - MEMORIAS DE UMA ETERNA GUERREIRA_ca

 

A ideia ganhou forma, e concretizou-se!
Este é o livro de homenagem à minha mãe.
 
E até a capa tem um significado.
Tenho a foto desta gaivota há muito tempo e, quando a vi, achei que era perfeita.
Sim, é uma capa muito cinzenta, mas representa, de certa forma, a tristeza da partida, o luto.
 
Depois, na contracapa, um cenário mais animador: um céu azul e branco, que representa a bonança, depois da tempestade.
A esperança.
O seguir em frente.
 
Não é o fim.
Mas um recomeço.
Para ela, onde quer que esteja.
E para nós, que ficámos.
 
 
 

Marcador 50x195 MEMÓRIAS DE UMA ETERNA GUERREIRA.

 

E os marcadores foram uma pequena extravagância da minha parte!

 

 

Mais uma edição de autor, com o apoio da Euedito.

 

Acabadinhos de chegar!

14358663_1062545613860743_372673551840472485_n.jpg

 

Chegaram hoje os meus livrinhos!

A Euedito fez um bom trabalho com a capa - estão simples mas bonitos. Mas eu sou suspeita, claro!
A imagem da capa é a de um pôr-do-sol na Ericeira (praia do sul).

Talvez haja a possibilidade de lançamento do livro, lá mais para a frente, como manda a tradição mas, até lá, se quiserem adquirir um exemplar aqui da menina armada em escritora, digam alguma coisa!

Para quando uma capa com alguém vestido?

 

Parece que a moda de despir as pessoas para a capa da revista Cristina veio para ficar!

Desta vez, a "vítima" foi a Joana Amaral Dias, líder do movimento Agir, que será capa da próxima edição da revista Cristina.

Parece que será a primeira vez que uma mulher política e grávida o faz, o que torna o feito um risco, a juntar a uma gravidez, também ela de risco.

Mas, ao contrário das capas anteriores, desta vez a protagonista não está sozinha, fazendo-se acompanhar do namorado.

Pode até estar a resultar e ser uma boa estratégia de marketing, mas penso que as capas da revista se estão a tornar um bocadinho vulgares. Até porque não é uma Playboy nem outra do género.

Por isso, pergunto eu: "para quando uma capa com alguém vestido?"

Tout est Pardonné

View image on Twitter

A propósito do atentado da passada semana, aos jornalistas e cartonistas do Charlie Hebdo, opinou Gustavo Santos que "não tiveram bom senso, puseram-se a jeito".

Pois é verdade, sim senhor! Mas não é o que fazemos todos nós, tantas vezes na vida?!

Cada vez que escrevo e publico um texto para o blog, cada vez que faço comentários, que emito opiniões, que publico fotografias pessoais, que critico ou reclamo de alguma coisa, que me manifesto seja de que maneira for, ponho-me a jeito para as consequências dos meus actos.

O próprio Gustavo Santos, com as suas polémicas afirmações, pôs-se a jeito para o "tiroteio" que a página dele do facebook recebeu durante três dias.

Se há momentos em que mais valia estarmos quietinhos no nosso canto, caladinhos, e guardar as nossas opiniões e humor só para nós? Há. 

Mas o que seria do mundo se todos tivessemos medo de falar, de lutar, de nos expressar, de brincar? Por algum motivo, evoluimos (embora muitas vezes pareça que não), e conquistámos a liberdade de expressão. Liberdade essa que termina onde a dos outros começa. E se essa liberdade não nos dá o direito que brincar, ainda que algumas brincadeiras sejam de mau gosto, menos ainda dá o direito de matar, como forma de combate à mesma, ou de lhe pôr termo. Não podemos esperar que por cada palavra ou gesto nos seja apontada uma arma, senão não valerá a pena sequer viver. Para esses radicais, não existem direitos nem limites, nem tão pouco bom senso. Mas matam porque não lhes damos a eles aquilo que eles próprios não possuem.

E agora que, mais uma vez, os sobreviventes do atentado resolveram lutar por aquilo que acreditam, não mostrar medo e publicar a próxima edição do jornal Charlie Hebdo, não faltarão vozes a afirmar que não medem o perigo, que "estão a pedir" ou a "pôr-se novamente a jeito".

A capa volta a incluir uma caricatura de Maomé, com uma lágrima no olho, a segurar num cartaz a dizer “Je Suis Charlie”, acompanhada de uma frase a dizer “Tout est pardonné”. Coragem não lhes falta!

Mas estará mesmo tudo perdoado?