Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

À Conversa com Fingertips

 

A banda que vos trago hoje já passou por este cantinho em Fevereiro, e regressa agora com novidades fresquinhas para contar a todos os seus fãs em Portugal!

Vêm aí dois concertos, integrados na Constellation Tour, que vão dar a conhecer as novas músicas que esta banda tem vindo a preparar, entre as quais os já conhecidos temas “Out of Control”, que faz parte da banda sonora da série juvenil “Massa Fresca”, ou ainda “Kiss Me”, lançado em Março.

Falo-vos dos Fingertips!

 

Joana e Rui, muito obrigada por estarem novamente aqui nesta rubrica!

 

 

 

 

Na nossa última conversa, os Fingertips tinham concertos agendados em Los Angeles, no Hard Rock Cafe Hollywood, na Musexpo e no Worldwide Radio Summit. Como correram esses concertos?

Correram super bem! Sentimos uma partilha de energia muito positiva com o público de LA, foram três concertos inesquecíveis. Além disso, foi uma experiência brutal poder subir a estes palcos. Chegamos até a tocar naquela que foi a sala onde decorreram os primeiros Óscares da história!! É de arrepiar!

 

Entretanto, acabaram por ficar em Los Angeles a gravar as novas músicas, no The Ballroom Studios e no East West Studios, com a colaboração de Mark Needham, com quem já tinham trabalhado no tema “Out of Control”. Consideram que Los Angeles é uma cidade inspiradora?

Completamente! Los Angeles está carregada de arte. É música, dança, teatro, cinema, por todo o lado! Tu vais pelas ruas de Hollywood e há sempre qualquer coisa a chamar-te a atenção, quer seja uma sessão fotográfica, ou as filmagens para uma nova série, um programa de televisão a rolar em directo ou até mesmo pessoas a cantar com um vozeirão que te dá arrepios pela espinha. Desta vez, a nossa estadia em Hollywood coincidiu com a ante-estreia do Capitão América: Guerra Civil e posso te dizer que havia ruas cortadas, uma imensidão de gente a tentar chegar o mais próximo possível da passadeira vermelha e que o Chris Evans é tão giro ao vivo quanto parece na tela!!!!

Portanto, quando um dia não tiveres mais histórias para contar, senta-te nas escadas de um prédio da Sunset Boulevard que elas vêm ter contigo!

 

 

Como é trabalhar com Mark Needham?

O Mark é um produtor incrível. Não só pelo poder que é capaz de dar às canções, mas por aquilo que te faz dar sem exercer a mínima pressão sobre ti. Deixa-te super à vontade porque sabe que os músicos têm ritmos próprios e nada vai alterar isso. Sabe que a inspiração funciona assim mesmo: tu começas a trabalhar e ela aparece, mas se fizeres muito barulho, muito alarido em torno dela, podes acabar por afugentá-la.

Basicamente, tal como não me canso de dizer, o Mark faz-te dar o melhor de ti sem sequer te teres apercebido de que já estavas a gravar!!!

 

 

 

 

O público português já conhece bem os primeiros singles lançados “Out of Control” e “Kiss Me”. Que surpresas nos trazem as novas músicas da banda?

Estes dois primeiros singles mostram algo diferente dos Fingertips! Uma energia que, apesar de pertencer ao DNA da banda, nunca fora explorada desta forma antes. No fundo, talvez nem nós soubéssemos, inicialmente, que tínhamos estas canções dentro de nós, mas o certo é que tínhamos, tal foi a naturalidade com surgiram nas sessões de composição.

E as sensações que temos ao tocá-las em palco acabam por provar isso mesmo, que nos pertencem, que existiam há séculos debaixo da nossa pele até ao momento em que começamos a compô-las. E não há nada mais libertador que isso.

As restantes canções vestem-se desta mesma característica mais alternativa que podemos ouvir no Out of Control e no Kiss Me, percorrendo um espectro entre ritmos mais fortes e as tão aclamadas baladas!

 

 

Para dar a conhecer um pouco mais os bastidores e rotinas próprias de uma digressão, os Fingertips estão a filmar um documentário que leva os fãs ao mais íntimo de uma digressão, até aos palcos do mundo. Como tem sido essa experiência?

Tem sido muito engraçada! Porque quando estás a gravar um documentário sobre o dia-a-dia da banda, não existe um momento definido para começares a filmar e para terminares a sessão.

Está sempre a acontecer! É como se trouxesses 24horas por dia um letreiro à tua frente a dizer “sorria, está a ser filmado”! Então, a determinada altura, esqueces-te simplesmente que estás a ser filmada. E é nesses momentos que acontecem as coisas mais caricatas.

Houve um dia em que fomos àquela que já se tornou a nossa livraria favorita de Downtown LA – The Last Bookstore – e que, à saída, fomos abordados por um senhor que dizia “Tenho estado a observar-vos, e vocês só podem ser famosos, pois andam sempre com um cameraman atrás!”. E depois começou a contar a história de vida dele, para que um dia nos inspirasse para uma canção. E sabes? Apesar de ainda não a ter escrito, acho que inspirou mesmo! É como te disse: as histórias vêm ter contigo.

 

 

 

Sem Título.jpg

 

No âmbito da Constellation Tour, os Fingertips vão actuar em Portugal no próximo mês de Novembro, nomeadamente dia 5 no Estúdio Time Out, em Lisboa, e dia 20 na Casa da Música, no Porto. Quais são as vossas expectactivas relativamente a estes concertos no nosso país?

Estamos muito ansiosos, confesso! Aquela ansiedade boa, de quando fazes uma viagem e chega a hora de regressar a casa! Sem tirar nem pôr.

Estamos cheios de vontade de voltar a pisar os palcos do nosso país, reencontrar pessoas que já não vemos faz algum tempo, ao mesmo tempo que conhecemos um publico completamente novo.

E isto deixa-nos a preparar os concertos com a mesma magia que uma criança prepara a sua festa de aniversário, com todo o cuidado, super atentos aos diversos pormenores. Queremos muito que sejam duas noites inesquecíveis para o nosso público!!

 

 

Quando falamos de concertos, algo que, por norma, os fãs pretendem é contactar directamente com o artista/ banda em questão. Algum destes concertos dos Fingertips terá uma espécie de “Meet & Greet”?

Tanto o de Lisboa como o do Porto!! Não só porque o público procura o contacto com a banda, mas porque nós procuramos esta ligação com os nossos fãs, com as pessoas que apreciam o nosso trabalho. Sem elas, nada disto faria sentido, nem haveria concertos!

Além disso, vamos aproveitar o Meet&Greet do concerto do Porto para anunciar o vencedor do nosso passatempo, ou seja, a pessoa que irá connosco até Berlim para o concerto no Musik & Frieden, no dia 25 de Novembro.

 

Depois desta passagem por Portugal, seguem-se outros destinos e outras paragens. Vão continuar a viajar pelo mundo nos próximos meses?

Nos próximos meses vamos continuar com a Constellation Tour, viajando por diferentes lugares do planeta e, ao mesmo tempo, compondo novas canções!

Esperamos não ter mãos a medir entre concertos, viagens e gravações! Eu sei que parece demasiado cansativo para ser apelidado de sonho mas tenho a certeza que é um sonho quando tu vês que a tua música toca as pessoas e torna a banda sonora da vida delas!

 

Muito obrigada pela vossa disponibilidade, e votos de muito sucesso na carreira e, em especial, para estes dois concertos no nosso país!

 

Mais informações em:

https://www.facebook.com/fingertips/

http://www.thefingertips.com/

 

*Esta conversa teve o apoio da BETWEEN RAINBOW MANAGEMENT (www.betweenrainbow.com), que fez a ponte entre este cantinho e os Fingertips, e disponibilizou as imagens de promoção.

Fingertips em Portugal

Fingertips.jpg

 

Depois de viajar pelos quatro cantos do mundo e conquistarem novos públicos no Canadá, Reino Unido, Singapura, Austrália, França, Holanda, Japão, Brasil, China e Estados Unidos, os Fingertips preparam-se para voltar a casa com a bagagem cheia de novas culturas e de novas aventuras!
 
Com a produção de Mark Needham (que já produziu bandas como The Killers, Imagine Dragons, entre outros), os Fingertips vão apresentar ao vivo em Portugal “Out of Control” e “Kiss Me”, dois temas cheios de personalidade e boas energias, bem como outras canções que a banda compôs e gravou nesta verdadeira “volta ao mundo” nos últimos 2 anos.
 
Ainda faltam alguns meses, mas aqui ficam as datas dos concertos de apresentação dos Fingertips em Portugal, para anotarem já na agenda, e garantirem a vossa presença:
 
5 de Novembro, 21h30. Lisboa – Estúdio Time Out
 
20 de Novembro, 21h00. Porto – Casa da Música
 
Os bilhetes estão também disponíveis na FNAC, Worten, El Corte Inglês e outros locais habituais.

À Conversa com Diogo Piçarra

 

Diogo Piçarra foi o vencedor da 5ª edição do concurso da Sic, Ídolos, no qual participou pela segunda vez (após uma primeira tentativa em 2009), e fez furor com todas as suas interpretações, nomeadamente, uma versão sua do tema do jurado Pedro Abrunhosa - Se Eu Fosse Um Dia O Teu Olhar, iniciativa que Pedro Abrunhosa elogiou e apreciou.

Sucedendo a Sandra Pereira, Filipe Pinto, Sérgio Lucas e Nuno Norte, Diogo Piçarra teve a oportunidade de frequentar um curso de música em Londres, e gravar um disco pela Universal.

 

 

Quase três anos depois, a 23 de Março de 2015, lançou "Espelho", o seu álbum de estreia que reflete não só a sua imagem e a sua voz, como também a interioridade que sempre o caracterizou, estando o seu cunho pessoal presente na composição, letra e interpretação das músicas.

O single "Tu e Eu", fez imenso sucesso e esteve, inclusive, presente na banda sonora da telenovela Mar Salgado.

Até agora, Diogo tem mostrado que não é um talento para cair no esquecimento, como a maioria dos participantes deste tipo de concursos televisivos, e que sabe agarrar as oportunidades e utilizá-las da melhor forma, para conseguir concretizar os seus objetivos.

No final de Novembro, o seu álbum de estreia foi reeditado, trazendo consigo um DVD extra, realizado por André Tentúgal, onde poderemos assistir a interpretações acústicas, ao vivo, a fazer lembrar os seus vídeos caseiros que costumava publicar no seu canal do Youtube.

Este DVD extra é composto por 6 temas, entre os quais um inédito - "Meu É Teu", gravado em dueto com a artista revelação Isaura, uma versão de "Por Quem Não Esqueci" dos Sétima Legião, e novas interpretações de temas do disco "Espelho" em formato acústico.

"Tu e Eu" também está presente, com Diogo Piçarra sozinho ao piano, numa interpretação muito emotiva.

 

 

Este ano, para além dos concertos no CCB, Em Lisboa, e na Casa da Música, no Porto, Diogo promove também o projecto "Diogo Piçarra em Pessoa" é um projeto criativo de descoberta, reinvenção e reconstrução da obra de Fernando Pessoa e seus heterónimos, destinado a alunos do 7.º ao 12.º anos de escolaridade, que inclui a edição de um livro, a exibição de uma peça de teatro e a adaptação musical de poemas.

É um projeto desenvolvido numa parceria entre Diogo Piçarra e a empresa Betweien, Spinoff da Universidade do Minho, especializada na área da educação, que pode ser apresentado e promovido por escolas públicas e privadas, câmaras municipais, associações ou outras instituições de cariz educativo que trabalhem direta ou indiretamente com o público-alvo a que se destina.

 

 

Diogo, “Tu E Eu” estamos hoje aqui para esta “Breve” conversa, onde nos vais mostrar o “Verdadeiro” Diogo, e não aquele que nos mostra o “Falso Espelho”!

Enquanto isso, pedimos um “Café Curto”, e sentamo-nos ali na “Margem”, num cenário “Perfeito” e, apenas por uns instantes, “Longe” do teu público que grita a plenos pulmões “Não te Vou Esquecer”!

Vamos lá ver se “Não Me Perco” no meio de tantas perguntas que gostaria de te fazer mas, se isso acontecer, que eu receba um “Sopro” de inspiração.

Assim sendo, depois de tanta “Volta” que dei aos temas do teu álbum está na hora de irmos ao que, realmente, os leitores do “Marta – O Meu Canto” querem ouvir. Por isso, hoje o “Meu É Teu”, mas só teu, e não do teu irmão gémeo, “Por Quem Não Esqueci”, ou melhor, não esquecerei de perguntar!

 

 

 

Diogo, como foi regressar ao Ídolos após uma primeira participação não muito bem sucedida? Sentes que, de alguma forma, se fez justiça?

Nunca sentirei que há justiça em concursos televisivos, até porque não acho que tenha sido o melhor concorrente, ou melhor, não há melhores concorrentes. Cada qual tem o seu estilo, personalidade e maneira de cantar. Tive foi muita sorte de Portugal ter simpatizado e gostado da minha voz, e nesse aspecto creio que a minha postura mais adulta e descontraída me ajudou, ao contrário da primeira participação.

 

Um dos prémios que ganhaste nessa altura foi uma bolsa de estudo na London Music School, em Londres, que é uma das mais prestigiadas escolas de música do Mundo. Como foi essa experiência?

 Ir estudar em Londres, e ainda por cima algo que nunca tinha aprofundado (música), foi o melhor prémio que poderia ter recebido. Apaixonei-me pela cidade, aprendi piano, aprofundei os meus conhecimentos de produção, tive as melhores notas do curso, assisti a inúmeros concertos, enfim, suguei ao máximo o que aquela experiência me tinha para dar.

 

Apesar de, algumas vezes, a tua originalidade, e forma muito própria de interpretar os temas, não ser bem aceite pelos jurados, mantiveste sempre a tua identidade e postura. Consideras que é algo essencial e que, de certa forma, te distingue dos demais?

Pode ser algo bom, pois se der certo a responsabilidade é totalmente do artista, e o seu rumo é coerente e sincero. Mas por vezes essa atitude pode ser vista como arrogância, e hoje vejo que poderia ter dado o braço a torcer em alguns momentos e arrisquei demasiado. Enfim, é importante mantermo-nos fiéis ao que somos, mas às vezes é bom ouvir os outros.

 

Em 2012 venceste a 5ª edição do Ídolos. Este ano, escreveste a música “Chama por Mim” para o vencedor da 6ª edição, João Couto. Foi uma música criada para o vencedor, independentemente de quem fosse o escolhido, ou especificamente para o João Couto?

O convite surgiu por parte da minha editora, quase como um desafio para escrever a música do meu sucessor ao título de "Ídolo de Portugal". Tinha apenas dois dias para o fazer, aceitei de imediato e assim que cheguei a casa agarrei-me ao piano para ver o que saia e numa noite consegui escrever o tema.

 

Já alguém te perguntou se eras tu que cantavas essa música?

Já, muita gente. Já houve pessoas que abordaram os meus pais para dizer que gostam muito de me ouvir cantar a música nova "Chama Por Mim" que está na novela da SIC "Coração d'Ouro".

 

Porquê a escolha de “Espelho” para título do teu primeiro álbum? Porque ele é, acima de tudo, o teu reflexo?

A ideia surgiu enquanto eu e o meu irmão editávamos a capa, e ao rever os temas que faziam parte do disco, a música "Falso Espelho" chamou-nos a atenção e inspirou-nos para um nome que era sem dúvida o reflexo do nosso trabalho durante estes anos todos.

 

Em Novembro, o teu álbum foi reeditado, trazendo também um DVD com algumas atuações ao vivo. Conta-nos um pouco sobre como foi gravar esse DVD.

Uma experiência única, um dia sem dúvida para recordar. Para além de estar num sítio lindíssimo, contei também com a presença de inúmeros fãs que ajudaram a dar ainda mais magia. Transformar as minhas músicas e fazer arranjos para os violinos também me deu um enorme gozo, e no final de contas, ter um DVD também é mais um sonho tornado realidade!

 

E para quando um novo trabalho?

Neste momento estou a lançar um livro que se intitula de "Diogo Piçarra Em Pessoa", um projecto realizado em conjunto com a Betweien, que tem como objectivo incentivar ao estudo e leitura de Fernando Pessoa. Este livro é composto por 20 poemas do autor e 20 interpretações minhas, e, claro, também tive de criar os meus próprios heterónimos. Para além disso, terão à disposição páginas em branco para poderem criar os vossos heterónimos e escrever os vossos poemas e interpretações.

 

Onde vamos poder ouvir o Diogo Piçarra em 2016?

As próximas datas mais recentes são dia 10 de Março no CCB (Lisboa), 12 de Março no Theatro Circo (Braga) e 13 de Março na Casa da Música (Porto), para além destas estou a fechar muitas mais data para o Verão e prometo grandes palcos em 2016.

 

Diogo, muito obrigada pela tua participação nesta rubrica, e que continues a ter muito sucesso na tua carreira!

 

Obrigado eu Marta, desejo-te muita sorte na tua vida e no trabalho! :)

 

Mais informações sobre Diogo Piçarra em:

www.diogopicarra.pt/

https://www.facebook.com/diogopicarra

 

Esta conversa teve o apoio da Universal Music Portugal que estabeleceu a ponte entre o Diogo Piçarra e este cantinho.

  • Blogs Portugal

  • BP