Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Quando o "eu" é anulado pelo "nós"

Resultado de imagem para eu e nós

 

 

Numa relação, existem sempre duas pessoas que, antes de formarem um casal, já existiam individualmente.

Cada uma com a sua personalidade, identidade, características, qualidades e defeitos, sonhos e aspirações, objectivos e metas.

A partir do momento em que nascemos, somos um "eu", que nos acompanhará por toda a vida.

Quando estamos numa relação, esse "eu" deve continuar a coexistir com o "tu" e com o "nós".

Porque "eu" sou assim, "tu" és assim, e "nós" somos a junção dos dois, o complemento um do outro, o equilíbrio entre as duas partes.

 

 

Se deixamos que o "eu" seja anulado pelo "nós", é como se deixássemos de existir enquanto pessoas individuais, e passássemos a existir unicamente enquanto casal. 

E isso não é benéfico para ninguém. Nem para a pessoa que se anula, que vive exclusivamente em função do nós, que deposita aí toda a a sua energia e pensamento, esquecendo-se de si próprio, nem para a pessoa que continua a saber separar as águas, que se começa a sentir sufocada e esgotada, por do outro lado não perceberem que para além do "nós", há um "eu" que não quer, nem deve, ser apagado.

Se quem se anula começa a exigir o mesmo do outro, quem se mantém firme percebe que a pessoa que tem ao seu lado não lhe interessa, que não tem a sua própria individualidade, que não traz nada de seu.

 

 

Ao vermos o programa "Casados à Primeira Vista", eu e o meu marido vamos discutindo as personalidades dos concorrentes, nomeadamente, do Hugo.

O meu marido "defende" o Hugo, diz que ele tem um bom coração, que está iludido, e que a Ana não está a fazer jogo limpo, daí muitas das suas acções. Ah e tal, o Hugo ficava melhor com uma pessoa como a Daniela ou a Eliana.

E eu contraponho: do Hugo, qualquer mulher quer distância. Nenhuma mulher conseguiria ter uma relação com um homem assim.

O meu marido diz que se identifica com o Hugo, e que também já foi assim.

Eu contraponho: pois eras, não a este ponto tão doentio, mas mudaste, senão já não estaríamos juntos.

 

 

É provável que o seu comportamento esteja a ser condicionado pela pressão, pelo programa, pelo facto de a Ana não querer saber dele para nada. É provável que, com uma mulher que se mostrasse mais interessada, mais aberta, mais disponível, mais carente, as coisas funcionassem, no início. Mas, chegaria o momento em que até elas quereriam o seu espaço, o seu tempo. Quereriam manter o seu "eu", e um homem assim não o permitiria porque, para estas pessoas, a partir do momento em que há uma relação, o "eu" e o "tu" têm que ser sacrificados, em prol do "nós".

E, tal como há homens assim, também há mulheres que pensam desta forma.

Quando de uma parte começa a haver exigências, cobranças, conflitos porque se anularam totalmente, e não vêem o mesmo sacrifício do outro lado, está aberto caminho para o fracasso.

A culpa? Será daquele “eu” que não se anulou, ou daquele “eu” que decidiu apagar-se?

A confusão de um facebook partilhado por dois

Resultado de imagem para facebook

 

1 - Sempre que comentamos uma publicação, as pessoas tendem a achar que sou sempre eu, porque é o nome que aparece primeiro!

 

2 - Muitas vezes, comentamos os dois a mesma publicação, porque temos ideias diferentes sobre a mesma questão, e temos que assinar no fim, quem escreveu o comentário!

 

3 - Não dá para colocar duas datas de nascimento, logo, ou fazemos os dois anos no mesmo dia, ou arriscamo-nos a receber os parabéns pelo aniversário do outro! Mesmo quando se faz uma publicação específica e esclarecedora, há enganos! E recebemos os parabéns de pessoas que nem sequer conhecemos, mas que são amigas do outro!

 

4 - Já no que respeita a frases, reflexões e afins, as pessoas tendem a achar que é o meu marido que as escreve, e são para ele os "louros", por tão sábios pensamentos!

 

5 - Quando temos amigos em comum que enviam mensagens, quem está do lado de lá nunca sabe com quem está a falar e, ou é discreto e disfarça, ou tem que perguntar quem é que está a falar.

 

6 - Já aconteceu estar numa conversa facebookiana com a minha filha e, de repente, aparecerem lá frases escritas pelo meu marido, no meio da conversa, porque também estava a ler, noutro lado, e quis participar!

 

7 - Acontece, por vezes, um de nós ver as notificações de mensagens e esquecer de avisar o outro, e achamos que não recebemos nada, até um dia irmos ver, e encontrar as mensagens perdidas.

 

8 - Também já aconteceu perguntarem a um de nós porque tinhamos feito algo, e não fazermos a mínima ideia do que a pessoa está a falar, porque não foi um, mas sim o outro a fazer.

 

9 - Acabamos por ter várias publicações na nossa cronologia, que cada um de nós dispensaria, se o perfil fosse só seu.

 

10 - Tem a desvantagem de ter pessoas que não fazemos a mínima ideia de quem são mas, como partilhamos várias coisas dos nossos blogues, acaba por chegar a mais pessoas, tornando-se uma vantagem.

 

 

Se poderíamos ter cada um o seu próprio perfil? 

Sim. Mas já estamos tão habituados, que até acabamos por achar piada a algumas destas confusões!

 

 

 

 

 

 

O Poder do Amor e as pobres galinhas!

IMG_3032xx.jpg

IMG_3230xx.jpg

IMG_3382xx.jpg

 

Lá vai uma, lá vão duas, três galinhas pelo ar!

 

 

O que dizer sobre o novo concurso da SIC - O Poder do Amor?

Poderia dizer, porque é verdade, que não precisamos ir a um programa de televisão para provar o nosso amor por alguém, a quem quer que seja.

Poderia dizer, porque também é verdade, que o amor não se mede em dinheiro.

Poderia dizer que a grande maioria das provas que os concorrentes tiveram que executar, não tinham tanto a ver com o amor entre o casal, mas mais com superação de medos, humilhação, testar limites...

Se isto fosse feito numa qualquer universidade, já estariam a condenar, considerando tais actos como praxes. Ou não! Afinal, são actos consentidos e, sendo assim, há quem já não os considere praxes.

Já a prova de ontem, das galinhas, é um autêntico atentado aos direitos dos animais! Pobres galinhas! A pegarem nas coitadas de qualquer maneira, a arremessarem-nas conforme calhava, e as penas a ficarem pelo caminho. Isto não deviam ser permitido.

Que os humanos, seres racionais, queiram provar o seu amor e rechear a sua conta bancária, tudo bem. Mas o que têm as galinhas a ver com o assunto? Porque é que têm que entrar, à força, na brincadeira?

E o que dizer da condução às cegas? Espero que não vire moda. É que já existem tantos condutores na estrada que, mesmo sem olhos vendados, não vêem nada à frente. Não precisamos de mais.

Mas porque nem tudo, neste programa, são espinhos, há que dar o mérito às provas de conhecimento do casal - como a das almofadas, a escalada ou a do puzzle, que mostram que é possível inventar provas divertidas e inseridas no contexto, sem exageros.

Quanto aos concorrentes, os meus preferidos são o casal Ana e Quimbé, o casal Sónia e Zé (ontem eliminado) e o casal Micael e Cristina. Divirto-me muito com o Eddy, com o Artur e com o Nuno. Já os meus "ódios de estimação" vão para a Tânia, para o Márcio e para a Tina. 

Amigos, amigos, relações à parte!

 

Esta é uma questão que ainda hoje divide muitas opiniões.

E um dos motivos pelos quais uma relação pode terminar.

 

Quando entramos numa relação amorosa, onde passam a encaixar os amigos na nossa vida?

É simples! Os amigos ficam onde sempre estiveram - no lugar correspondente aos amigos! Não temos que desistir dos nossos amigos só porque estamos numa relação. 

Temos, sim, que ajustar as nossas prioridades. Imaginemos uma caixa com espaço para 5 objectos iguais que sejam importantes para nós. À medida que vamos ocupando a caixa, vai sobrando menos espaço. E se algum objecto é maior que o espaço que deveria ocupar, mas mesmo assim o queremos lá, em vez de 5 objectos teremos que colocar menos. Mas estão lá os que realmente importam.

Assim é, também, na nossa vida. Quando entramos numa relação, assumimos um compromisso. Passamos a formar uma família que, por norma, vai ocupar um espaço maior na caixa. Logo, o espaço que anteriomente era ocupado somente pelos amigos, vai reduzir. Cabem lá todos, mas em proporções diferentes.

Claro que nem sempre é assim. Há os que, simplesmente, retiram os amigos para colocar a relação. Há os que dividem o espaço ao meio. E há os que querem que os amigos continuem a ocupar o espaço priveligiado e que a relação se encolha no que sobrar.

Tal como haverá sempre amigos descomprometidos que levam uma determinada vida, e convidam os que estão comprometidos para lhes seguirem o exemplo, como se a relação não fosse um impedimento válido.

Cabe-nos a nós, tendo em conta aquilo que a relação representa e o peso que tem na nossa vida, escolher as nossas prioridades. Afinal, será essa escolha que irá ditar a sobrevivência de uma relação, ou o seu fim.

 

  • Blogs Portugal

  • BP