Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Até que ponto são os castigos eficazes na educação?

 

No outro dia, em conversa com uma amiga sobre os filhos e os castigos, dizia eu a respeito da minha filha:

"Por enquanto, está proibida de ir ao computador. mas, se não atinar, fica sem ver a Violetta.".

E perguntou-me ela: "Mas isso não a vai revoltar e ter o efeito inverso? Sabendo que já não tem nada a perder, não vai ficar sem vontade de se esforçar?".

Ao que eu lhe respondi: "Então, o que é suposto eu fazer? Nada? Deixar andar?".

Não me parece o melhor caminho. É nesta altura que temos que agir, para que as crianças e jovens percebam que não podem fazer tudo o que querem, e que cada acção tem a respectiva consequência, tanto para o bem como para o mal.

 

 

 

Educação não se dá à base das bofetadas, embore confesse que muitas vezes tiram-nos de tal maneira do sério que nos dá vontade de lhes dar uma. Também não se transmite com gritos porque, às tantas, estamos nós a gritar, eles a gritarem mais alto, nós a tentar fazer-nos ouvir, e acaba por ninguém se ouvir. Embora seja verdade que, por vezes, perdemos a estribeiras.

Assim sendo, resta-nos conversar com eles, explicar-lhes o motivo pelo qual estão a ser castigados, e de que forma podem, futuramente, evitar isso.

Claro que temos que tentar adequar o castigo à acção, sem exageros nem benevolências. E, acima de tudo, cumpri-lo. 

 

 

Até que ponto a táctita dos castigos deixa de ser eficaz? Não faço ideia! Nem sei se pode, realmente, ter um efeito inverso ao pretendido. Somos pais. Não somos donos da verdade, nem temos um manual de instruções para seguir.

Privá-los de algo que gostam pode ser uma boa opção. Podem até mostrar que não os afecta nem lhes faz diferença mas, na verdade, na maior parte das vezes, custa-lhes. E muito.

Claro que pode resultar nuns casos, e não resultar noutros. Mas há que, pelo menos, tentar! 

Sem paciência

 

Já lá vai o tempo em que eu desesperava por não saber como lidar com a minha filha. As crianças gostam de testar os nossos limites, de ver até onde podem ir, e como devem agir para nos afectar. A minha filha não poderia ser diferente. Ela tem o seu feitio (por vezes terrível), mas também passou e presenciou muito quando era pequena. Se juntarmos a isto pais separados, em que a mãe assume o papel de má e o pai, de santo que lhe faz todas as vontades, estavam reunidos os ingredientes para me deixar os nervos em franja.

E, perdoem-me a expressão, que se lixem os manuais, os médicos, os psicólogos e afins. Por muita teoria (ainda que comprovada) que apresentem, na prática, só quem passa pelas situações é que sabe o que sente.

Entretanto, ela foi crescendo, e eu aprendendo a lidar com as birras dela, que felizmente diminuiram. Mas, de vez em quando, lá está ela outra vez a tentar pôr-me os cabelos em pé.

O grande problema dela é ser respondona, refilona e não fazer aquilo que lhe mandam. Só que me apanhou num daqueles dias em que a paciência não me brindou. Há muito tempo que não me chateava com ela desta maneira, e espero que o castigo de uma semana sem televisão, computador e playstation lhe sirva para acalmar. 

  • Blogs Portugal

  • BP