Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

300 anos do Convento de Mafra

 

A primeira pedra foi lançada a 17 de Novembro de 1717. No próximo ano, a 17 de Novembro de 2017, o Palácio Nacional de Mafra celebra os seus 300 anos!

No entanto, as comemorações começam, precisamente, uma ano antes, tendo ocorrido ontem a sessão inaugural de um ano de celebrações, no âmbito deste aniversário do Convento de Mafra.

 

 

 

Depois da conferência a cargo do Bispo Auxiliar de Lisboa - D. Nuno Brás da Silva Martins - na Basílica, foi a vez da actuação da Banda Sinfónica do Exército, acompanhada de um espectáculo pirotécnico, com fogo-de-artifício lançado no próprio Convento.

 

 

 

Para ficarem a par de todos os eventos relacionados com o tricentenário, podem ver aqui o programa - Programa.

 

Imagens Helder Sousa Silva, Paulo Fernando e Ines Gonzalez

Um Livro Num Dia - Volume II

 

Para celebrar o Dia Mundial do Livro 2016, e após o sucesso da edição do ano passado, a editora Chiado volta a repetir a iniciativa "Um Livro Num Dia", no próximo dia 23 de Abril!

O objectivo é a edição de um livro de contos, num só dia, em plena baixa lisboeta!

 

Qualquer pessoa pode participar nesta iniciativa. Apenas têm que apresentar os vossos textos originais, no dia indicado, a partir das 09h00, no escritório móvel que a Chiado Editora irá montar, na Praça Luís de Camões, em Lisboa.

Os contos devem ser entregues em formato digital (pen), com um limite de 2.000 caracteres, até às 12h00. Nenhum texto será admitido antes das 9h de dia 23 de Abril. Todas as etapas do processo de Edição de um livro terão lugar a 23 de Abril, e à vista de todos.

Todas as fases de construção do livro podem ser acompanhadas no local, desde a revisão à paginação e design da capa e, ao final da tarde, depois de vir da gráfica, regressa ao mesmo local onde serão distribuídos, gratuitamente, ao público, 1000 exemplares da obra.

O livro ficará então disponível para compra em www.chiadoeditora.com e, no dia seguinte, entrará no circuito comercial podendo ser adquirido junto das maiores lojas.

Durante a tarde, o escritório mantém-se aberto, em modo OPEN OFFICE DAY, proporcionando a todos os que passem pelo espaço a oportunidade de conhecer os meandros do trabalho editorial, conversar com os nossos editores e colocar todas as suas questões, dúvidas, sonhos, projetos, etc.

 

Deixo aqui o programa, para quem tiver interesse em participar e queira aparecer por lá:

 

Edição ao vivo de “Um livro num dia” – Chiado Editora

23 de Abril, Dia Mundial do Livro

Praça Luís de Camões, ao Chiado, Lisboa

 

09h00-12h00 :: Entrega de textos originais, revisão, paginação e design de capa

13h00 :: Livro dá entrada na Gráfica

14h00-18h00 :: Open Office Day

18h30 :: Lançamento do livro e distribuição gratuita de 1.000 exemplares do livro.

Dia da Terra

 

Hoje, 22 de Abril, celebra-se o Dia da Terra.

E, para assinalar o dia de forma original, a Nasa convida, este ano, todas as pessoas do planeta a fazer parte de uma celebração mundial do Dia da Terra, com o evento #GlobalSelfie.

A ideia é tirarmos autorretratos com telemóveis, conhecidos como "selfies", e partilharmos as fotografias nas redes sociais, para criar um 'painel' mundial, um mosaico único, que represente os habitantes do planeta Terra.

Os auto-retratos devem, de preferência, ser tirados no exterior, tendo como cenário montanhas, parques, rios ou lagos.

 

Dia do Pai

 

Hoje celebra-se o Dia do Pai.

E como todos os dias em que algo se celebra, cá estamos nós a afirmar que esses dias devem ser todos os dias, e não apenas aquele destinado à celebração.

Talvez por isso mesmo, o dia do pai acaba por me passar um pouco ao lado. Não compro presentes para o pai, não envio mensagens alusivas ao dia, não ofereço almoços nem jantares especiais...é um dia como outro qualquer.

E não é por isso que deixo de me lembrar dele. Na verdade, estou com ele praticamente todos os dias, e é ao longo desses dias que lhe mostro o quão importante ele é, sempre foi e será na minha vida!

Como já foi dito aqui em alguns posts, tenho o melhor pai que poderia desejar! E a minha filha tem a sorte (embora muitas vezes não dê valor) de ter o melhor avô que poderia desejar! Nunca deixa que falte nada aos filhos e aos netos, está sempre pronto a ajudar, é amigo, brincalhão e com muito amor para dar a todos nós.

Claro que de vez em quando também é rezinga, resmungão (nesses dias nem a minha mãe o atura), diz coisas que não gostamos (quem não diz) e desentendemo-nos. Mas logo passa.

Por isso posso-me considerar uma felizarda! 

Pão por Deus versus Halloween

Será que a tradição ainda é o que era? Ou estaremos perante mais uma "americanização"?

Segundo o Bispo Auxiliar de Lisboa, grande parte da responsabilidade pela celebração "errada" desta festa é dos professores, tanto nas escolas, como nos jardins-de-infância, ao incentivarem a celebração do famoso Halloween que, diz ele, nada tem a ver com a nossa tradição e cultura.

 

  

 

Em Portugal, no dia 1 de Novembro, Dia de Todos-os-Santos, as crianças saem à rua e juntam-se em pequenos grupos para pedir o Pão-por-Deus. Antigamente, as crianças recitavam versos e recebiam como oferenda: pão, broas, bolos, romãs, nozes, tremoços, amêndoas ou castanhas, que colocavam dentro dos seus sacos de pano, de retalhos ou de borlas.

Neste dia, as manhãs eram para as crianças e, à tarde, as pessoas abriam as suas casas para receber familiares e vizinhos, e confraternizar. Normalmente, eram as crianças mais pobres que participavam neste "peditório".

 

Hoje, os meninos batem de porta em porta, e recebem rebuçados, pastilhas, chupa-chupas, chocolates, broas, frutos secos e, por vezes, uma moedinha. Fazem-no, porque é tradição, mas não sabem explicar o que realmente se comemora.


De uma forma geral, é uma festa em honra de todos os santos e mártires, também conhecido pelo dia em que se repartia o pão pelos mais pobres.

 

 

Já o Halloween, celebra-se à noite, véspera do dia de todos os santos, por considerarem que era a noite sagrada.

 

As origens de um e de outro são, basicamente, semelhantes.

O que acontece é que, com o tempo, foram sendo adicionados elementos estranhos a esta comemoração, como os disfarces, e a alusão a bruxas, vampiros, fantasmas e outros.

 

E, de facto, este ano, vimos muitas crianças mascaradas a pedir o Pão-por-deus!

 

Se estamos a adoptar uma tradição e cultura americanizada? Talvez... Mas não será apenas nesta celebração!

 

 

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP