Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Colegas de turma que vão e vêm

3a674d0906703a9dfff4bd8793e66ac8.jpg

 

A minha filha tem uma pontaria para ficar em turmas de estranhos que é impressionante.

No derradeiro ano do ensino obrigatório, ela fez as suas próprias escolhas, sem se deixar influenciar por ninguém, nem mesmo pelas amigas que, eventualmente, pudessem ter outras opções de disciplinas em mente.

 

Resultado: à excepção de uma amiga que vem desde o 10º ano, assim à primeira vista, todos os restantes colegas são estranhos, ou pessoas com quem não tem ligação.

 

Depois, um olhar mais atento leva-nos a perceber que uma ou duas colegas já foram, em tempos, da turma dela, uma até ao 6º ano, e a outra no 9º ano. 

É curioso como escolhas diferentes, noutros anos, as separaram e, agora, escolhas iguais, as voltaram a juntar. Ainda que sejam daquelas com quem pouco convivia.

 

Já no 10º ano não conhecia ninguém.

Agora, tem apenas, para já, uma amiga por companheira.

Todas as outras ficaram distribuídas pelas restantes turmas do mesmo curso.

Mas há que ver o lado positivo.

Foi de entre algumas dessas estranhas que saíram as amizades de hoje.

Por isso, quem sabe este não é mais um ano para isso acontecer!

 

 

Há colegas... e colegas!

Vetores Colegas de trabalho dos desenhos animados: Desenho vetorial,  imagens vetoriais Colegas de trabalho dos desenhos animados - Página 6 |  Depositphotos

Não posso falar por experiência própria, porque não tenho colegas de trabalho, no local onde trabalho actualmente.

Da única vez em que os tive, foi numa fábrica pequena, em que as restantes funcionárias eram todas ali da zona, amigas ou conhecidas, e formavam uma espécie de "irmandade" ou círculo fechado onde não deixavam entrar estranhas. Ou seja, a experiência não foi muito boa. 

 

Mas, sempre que vou a serviços públicos, algo que faço com frequência há anos, por conta do meu trabalho, vou assistindo à "camaradagem", ou falta dela, entre os colegas desses serviços.

Desde falarem bem quando estão juntas, e falarem mal pelas costas, a estar continuamente a apontar erros e criticar, ou até a deixar trabalho para quando os colegas vierem de férias, de propósito, porque não vão com a cara deles.

 

Como identificar e lidar com um colega falso no trabalho

 

E, depois, tenho a experiência do meu marido, que trabalha constantemente com colegas.

A última experiência dele começou bem, mas não durou muito, relativamente a um deles.

Sendo a função que exerce, por turnos, há horários definidos em que os colegas têm que render e ser rendidos.
Seria de esperar que, pelo bem do serviço e da sã convivência entre todos, tentassem, dentro do possível, daquilo que a função exige e a responsabilidade pede, cumprir com o seu trabalho e horário.
No entanto, um dos colegas nunca cumpre o mesmo, chegando constantemente atrasado, por vezes até mais de uma hora, sem qualquer justificação, e sem se preocupar minimamente com o colega que está à espera de ser rendido, e com o trabalho que está a deixar por fazer, sobrecarregando quem esteve de serviço no período anterior que, assim, tem que prolongar o turno e continuar o serviço que pertencia ao colega.
 
Obviamente que um atraso esporádico, justificado, não prejudica ninguém. Mas que essa situação se repita constantemente, já não se compreende.
Menos ainda se compreende que o colega, para além de chegar atrasado, reclame do trabalho que tem à sua espera quando, ao que parece, pensava que, chegando mais tarde, tudo já estivesse feito pelo colega que lá estava, dando a entender que os atrasos são propositados, para que alguém faça o serviço por si, na hora de mais movimento para que, quando chegar, esse fluxo já tenha passado. 
E como se de uma criança se tratasse, ainda afirma que, como tinha ficado trabalho para ele fazer, ia fazer o mesmo também - deixar para o outro.
 
Ora, isto não são comportamento de um adulto.
E se se começa a entrar num ciclo repetitivo, a relação entre colegas torna-se difícil, deteriora-se, o ambiente torna-se pesado, e o trabalho fica comprometido. 
 
Por muito que não goste do trabalho que faz, por muito que não goste de acordar cedo, assumiu essas responsabilidade ao aceitar o trabalho. Só tem que cumprir. E mostrar consideração e respeito pelos colegas. 
 
 
Como é óbvio, também existem colegas que, de facto, colaboram enquanto equipa, estão lá uns para os outros, apoiam-se, e tornam o trabalho mais leve, mesmo naqueles dias em que se está com menos vontade de ali estar.

Quando as pessoas só olham para o seu próprio umbigo...

Resultado de imagem para olhar para o seu umbigo

 

... e a consideração só funciona num sentido.

 

Não se passou comigo, mas com alguém muito próximo, e fico parva com tamanho descaramento, falta de noção e atrevimento de certas pessoas que, mesmo não sendo chefes, julgam que podem mandar e, não sendo deuses, julgam que tudo deve girar à sua volta e de acordo com os seus interesses, e que todos têm a obrigação de estar ali sempre à sua disposição.

 

Mas quem tem culpa, nem são essas ditas pessoas. São aqueles que, podendo, nada fazem para impedir ou travar situações como estas. São aqueles que lhes permitem ter as costas quentes, fazer a vida negra aos colegas, e ficar sempre bem na fotografia e a rir-se, no final.

Porque, como é óbvio, enquanto essas pessoas puderem fazer o que fazem e continuarem a sair impunes, enquanto os outros se vêem "obrigados" a sair, quer pelo mau ambiente, quer porque foram ameaçados, quer porque conseguiram correr com eles, de forma desleal, continuarão a agir da mesma forma, sabendo que nada lhes acontecerá.

 

Deve haver consideração pelos colegas, sim. Sobretudo, se a necessidade se justificar por motivos de força maior. Mas sempre com a noção de que é um favor que se faz, e não uma obrigação. Com a noção de que também as outras pessoas têm a sua vida, e nem sempre é possível alterar.

 

Na situação em questão, existe um funcionário, mais antigo no posto, cuja mulher está a fazer tratamentos contra o cancro e, como tal, de forma a acompanhá-la, tem muitas vezes que sair mais cedo, necessitando que os restantes colegas assegurem o trabalho.

Até aí, tudo bem. Desde que não haja inconveniente da outra parte, nem cause transtorno, uma pessoa compreende.

Que esse mesmo funcionário tenha que faltar de manhã, para ir tratar de assuntos pessoais e, ainda assim, tenha que sair mais cedo à tarde, para acompanhamento ao cônjuge, já começa a parecer abuso.

Que o dito funcionário exija que o colega, que fez o favor de o ir substituir de manhã, ainda assim tenha que o render mais cedo, à tarde, já é uma total falta de respeito e de consideração, de alguém que só olha para o seu próprio umbigo, sem se preocupar minimamente com os outros.

 

O meu marido, que trabalhou ali naquele posto das 17 às 21h, e que depois foi entrar noutro serviço, das 0 às 9 da manhã, em vez de vir para casa dormir, teve que ir substituir o dito colega, das 10 às 12h, a pedido do supervisor, tendo ficado acordado com este que, nesse dia, em vez de entrar às 17h, como habitual, entraria às 19h.

 

Mas o colega que, além de ter entrado mais tarde, também teve que sair mais cedo, queria que o meu marido entrasse à mesma hora de sempre. E ficou furioso quando isso não aconteceu. 

Para além de não perceber que as pessoas têm que descansar, que o meu marido ainda teria que apanhar transportes para casa, almoçar, dormir um pouco, e voltar a apanhar transportes, para mais uma noite de trabalho, nem sequer deu o braço a torcer, admitindo que o meu marido lhe tinha feito um favor ao substituí-lo de manhã. Para ele, o favor foi ao supervisor, não a ele!

E, como o meu marido não foi à hora que ele queria, mas àquela que tinha combinado com o supervisor, ligou-lhe umas 10 vezes, aos gritos, a reclamar, a dizer que o meu marido não tinha consideração nenhuma por ele, reclamações que voltou a repetir pessoalmente, quando o meu marido o foi render.

Para além disso, ainda veio com ameaças ao género "ou fazes aquilo que eu quero ou, se te armas em esperto, faço-te a folha".

 

Já não é a primeira vez que esse colega tem este tipo de comportamento.

Quem trabalha no local, diz que já outros colegas dele saíram daquele posto, por conta do mau ambiente, perseguição, implicância ou porque arranjou forma de o cliente não os querer lá.

Agora, parece que está a fazer o mesmo tanto ao meu marido, como à outra colega.

A chica-espertice vai ao ponto de, apesar de estar a sair mais cedo constantemente, pôr na folha de horas o horário completo como trabalhado, e nem o supervisor estar a par dessas saídas.

 

Neste momento, o supervisor já está informado mas, como já aconteceu antes, apesar de tudo, se alguém tiver que sair dali, não será ele. Sabemos para quem sobra porque, infelizmente, mesmo sem poderes para tal, ele age como se mandasse naquilo tudo, sem ninguém dizer ou fazer nada.

 

É triste quando as pessoas não conseguem ver mais do que o seu próprio umbigo, e reclamam de uma consideração que, elas próprias, não têm com os outros, nem parecem conhecer o seu significado.

Aquele momento...

Imagem relacionada

 

... em que vamos na rua e, sem estar à espera, os colegas de turma dos nossos filhos metem conversa connosco!

 

Nada de anormal, não fosse o caso de esses ditos colegas pouco se darem com ela, e serem todos rapazes.

Cá para mim, mal viram que eu iria passar por eles, fizeram alguma aposta para ver se tinham lata para meter conversa comigo.

Suspeito que não foi por mera simpatia ou boa educação!

 

Mas pronto, também não os deixei ficar mal, apesar de ter trocado o nome de um, e achar que outro já nem era colega dela, confundindo com um outro que mudou de turma este ano.

E, provavelmente, dada a minha falta de jeito para fixar nomes e caras, se os vir outra vez nem vou saber quem são!

O que há de novo neste ano lectivo?

Resultado de imagem para alunos

 

 

- Novos horários, com o último tempo a terminar às 18.30h quando, no ano passado, tinham conseguido evitar isso e se gabavam desse feito

 

- As aulas passam dos habituais 45 minutos para 50 minutos

 

- A turma recebeu alunos de outras turmas, e viu partir os colegas que vinham desde o 7º ano, para outras turmas, quando a directora de turma tinha antes dito que, à partida, a turma se iria manter

 

- Mantêm-se alguns professores que ela não se importava nada que mudassem, voltam alguns professores de quem já achava que já se tinha visto livre

 

- Chegam professores novos para o lugar daqueles que mais queria que ficassem

 

 

Ainda há poucos dias a minha filha me dizia: mãe, este ano estou motivada, e vou-me aplicar ainda mais.

Depois disto, bem pode munir-se de motivação extra, que bem vai precisar!