Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O problema de se falar por sinais...

Resultado de imagem para comunicação

 

... é que nem sempre o receptor da mensagem compreende os sinais que o emissor lhe pretende transmitir.

Antes de se iniciar qualquer comunicação, com base num qualquer código, convém que ambos estejam sintonizados na mesma frequência, e familiarizados com esse código e sinais.

Senão, o que acontece é o mesmo que quando tentamos fazer mímica. Quem está do outro lado, poderá imaginar diversos significados para o mesmo gesto.

 

Se nos queremos fazer entender e passar a mensagem ao outro, e percebemos que os os sinais não estão a ser interpretados da forma como pretendíamos, ou nem sequer estão a ser visualizados, o melhor a fazer é comunicar numa linguagem que o outro entenda claramente, sem dúvidas, sem mal entendidos, sem falhas.

 

Nem sempre é fácil comunicar, e essa é mais uma razão para tentar simplificar ao máximo a comunicação, e não complicá-la a ponto de, só o emissor, a conseguir entender.

 

Falar para não estar calada? Não, obrigada!

Resultado de imagem para silêncio

 

 

Se há coisa que cada vez prezo mais, é o silêncio.

Não é que não goste de falar. Ou de conversar. Sim, porque são coisas diferentes.

Falo quando me apetece (e cada vez são menos as vezes que me apetece), tal como gosto de uma boa conversa.

Mas não sinto necessidade de falar por falar, de falar para preencher os silêncios, de falar para não estar calada.

 

No entanto, há quem sinta essa necessidade, e isso acaba por se manifestar em todos os momentos que partilhamos com essas pessoas, seja a refeição que se está a comer, o filme ou série que se está a ver, ou qualquer outra situação, como se a outra pessoa estivesse a fazer um relato completo.

 

E se a nossa vida fosse um eterno relato?

Conseguiriam viver assim?!

 

 

Eu nem por isso!

Torna-se cansativo, irritante, só me faz ter vontade de desligar e deixar de prestar atenção, ou fugir dali para onde não tenha que ouvir essas pessoas, e possa estar sossegada.

E por aí?

Lidam bem com estes comentadores na vossa vida?

São, também vocês, pessoas com esta necessidade de estar constantemente a dizer alguma coisa, ou são mais de silêncios, defendendo aquele provérbio que "A palavra é prata, o silêncio é ouro"?

 

 

 

 

 

 

Ainda as prioridades no atendimento

Resultado de imagem para dúvida

 

Se uma pessoa está na fila de um determinado serviço, e quer exercer prioridade, o que deve fazer?

a) Dirigir-se ao funcionário e dizer que quer exercer, e o funcionário comunica aos restantes que estão na fila, que aquela pessoa irá exercer o direito de prioridade

b) Para além de se dirigir ao funcionário, ainda tem que comunicar ela própria, aos restantes, que pretende exercer esse direito

 

A pessoa que está na fila à espera, tendo direito de prioridade, mas não o reclamando, poderá fazê-lo se entretanto mais alguém o fizer, e estiver atrás de si?

a) Sim

b) Não

 

 

 

Amizades estranhas

 

As amizades podem, por vezes, ser muito estranhas.

E desvanecer-se, da mesma forma que um dia surgiram.

Desde o verão de há uns anos atrás que a minha filha se tornou amiga de uma outra menina que conheceu na praia.

Nessas férias, todos os dias brincavam na praia. Depois disso, iam falando esporadicamente por telemóvel, a Inês chegou a ir algumas vezes a casa dela para brincarem, incluindo duas festas de aniversário, a última em 2015.

A miúda também chegou a ir connosco ao cinema e ao circo.

Nas épocas festivas, trocavam sempre presentes. E também eu e o meu marido falávamos bastante com a mãe e chegámos a conhecer os avós da menina.

Este ano, e como era a primeira festa de aniversário que a minha filha ia fazer para os amigos, claro que a convidou. Ou, pelo menos, tentou.

Ligámos para o telemóvel da filha - ia sempre para o gravador. Ligámos para o da mãe - dá mensagem de que, no momento, não está disponível. Enviámos o convite pelo correio - não veio devolvido mas também ninguém disse nada.

O meu primeiro pensamento, e dado que no Natal tinha enviado uma mensagem com relatório de falha, foi que talvez ainda estejam na Escócia (onde costumam ir passar o Natal), mas faz-me confusão porque a miúda estudava cá e as aulas já começaram há duas semanas.

Ou então, talvez se tenham mudado. Mas, nesse caso, podiam ter dito alguma coisa. Tinham os nossos contactos. E se mudaram de telemóveis a mesma coisa.

Não querendo acreditar que algo de mal lhes tenha acontecido (espero que não seja esse o motivo), e que as impeça de contactar connosco, resta-me estranhar esta ausência de contacto ou notícias, e uma amizade assente em escassos momentos juntas, e pouca vontade de comunicar...

Comunicar a leitura dos contadores

Comunicar as leituras dos contadores de água e electricidade é uma opção a considerar, ou não compensa?

Até agora nunca comuniquei leituras, a não ser a pedido da própria companhia, quando por algum motivo o funcionário não o pode fazer. No entanto, e dependendo daquilo que o consumidor pretende, é uma opção a considerar.

Já sabemos que, nos meses em que não é efectuada a leitura pela companhia fornecedora, os valores apresentados nas facturas são baseados em estimativas.

Estimativas essas que podem ser vantajosas ou desfavoráveis, consoante sejam abaixo daquilo que realmente gastámos, ou superiores. Ou seja, tanto podemos pagar menos do que deveríamos, ou montantes mais elevados. E só no momento em que a companhia faz a leitura (normalmente trimestral ou semestral), é que são efectuados os acertos, em que a pessoa pode ver a sua conta reduzida, por conta daquilo que já pagou a mais ou, pelo contrário, ver a sua factura disparar, por conta de todos os meses que andou a pagar menos do que consumia. Como o próprio nome indica, são apenas estimativas.

Se a alguns contribuintes este sistema agrada, e compensa, para outros, não serve, porque é sempre uma incógnita. Se a alguns contribuintes dá jeito que o valor da factura seja baixo durante algum tempo, porque na altura do acerto pode dispender de mais dinheiro, outros preferem pagar o valor mais aproximado possível e sempre semelhante, do que serem apanhados de surpresa!

Ora, a única forma de isso acontecer, é comunicar a respectiva leitura, no período indicado nas facturas, todos os meses.

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP