Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

O mundo é pequeno...

(Hoje marquei presença noutro bairro!)

humano-duas-maos-segurando-o-mundo_45981-16.jpg

 

A Miúda convidou-me para participar nesta rubrica e eu, sem saber ainda sobre o que falar, aceitei o convite, que desde já agradeço.
Depois, dei por mim a pensar que o mundo é pequeno porque, apesar de os nossos blogs estarem em plataformas diferentes, estamos muito perto uns dos outros, acabando por minimizar essa distância.
E, daí, surgiu o tema, e o texto que se segue!
 
 

“O mundo é pequeno.

É pequeno porque, no meio de toda a sua vastidão, ainda assim, acabamos por nos cruzar, inesperadamente, com alguém que conhecemos, e que nunca esperaríamos ver.

É pequeno porque, apesar do seu enorme tamanho, e da distância entre cada um de nós, conseguimos estar muito perto uns dos outros, e diminuir a distância que nos separa.

É tão pequeno, que conseguimos ver muito além do nosso campo de visão, do nosso horizonte.

E, ainda assim, um mundo tão grande, que se torna (e tornamos) tão pequeno, consegue transformar-se num mundo gigante.

Onde, muitas vezes, parecemos estar tão longe, tão afastados, tão distantes uns dos outros, como se não fosse possível alcançarmo-nos.

Um mundo tão gigante que nem conseguimos observar tudo aquilo que está perto de nós.

Um mundo onde não conseguimos encontrar aquilo/ aqueles que desejamos, por mais que procuremos.

Quando, afinal, tudo/ todos estavam mesmo ali, à nossa frente.”

A todos os condutores que andam por aí...

Resultado de imagem para sinal proibido

C1 - Sentido proibido

Indicação da proibição de transitar no sentido para o qual o sinal está orientado.

 

 

... e que já não se lembram do que significa este sinal, recomendo um refresh, para voltar à memória as regras de trânsito que aprenderam, e que tiveram que saber para poder andar por aí a conduzir.

Relembrem que este sinal indica "sentido proibido", e isso significa que não podem circular nesse sentido. Não é um convite a fazer precisamente o contrário!

 

Mas, se o problema é apenas falta de visão, as ópticas costumam ter uns descontos baratos em lentes e armação. Até ali nos hipermercados ou no chinês se arranjam uns óculos baratuchos para ajudar a ver melhor.

 

Eu sei que, por vezes, a vida não lhes é facilitada, e dá muito mais jeito quebrar as regras, do que dar cinquenta mil voltas por outros caminhos, quando têm aquele mesmo ali à mão. Sim, porque quem o faz conhece bem a zona. Não é alguém perdido que não sabe como sair dali. Mas quem paga são os peões, que vão na rua descansados porque não vem nenhum carro de frente, e depois surge-lhes um maluco por trás, a alta velocidade, a arriscar provocar um acidente desnecessário.

 

 

Porque raios será o proibido tão apetecido?

Já na praia, é a mesma coisa. Os veraneantes podem ver a bandeira vermelha, e saberem que não podem ir a banhos, mas é vê-los todos contentes a arriscar, e a mostrarem-se os maiores!

 

E zonas de acesso restrito ou proibido devido a perigo? É o mesmo que dizer: venham cá que não acontece nada, e o sinal está só aí a enfeitar, à falta de outro sítio onde o colocar.

 

Por isso, a todos os condutores e outros desvairados que andam por aí, se se querem matar, matem-se. Mas deixem os outros viver, que não têm que pagar pela vossa irresponsabilidade. 

 

Passeio até Alcarias

33515029_1657999557648676_6927570987596644352_n.jp

A convite da Nélia e da Daniela, fomos ontem conhecer a aldeia de Alcarias!

Depois de uma viagem de quase 3 horas, fomos recebidos pela simpatia e hospitalidade alentejana.

À nossa espera, aguardava-nos um almoço do qual tenho que destacar a Sopa de Coentros, que nunca tinha provado, e adorei! E, parecendo adivinhar que uma das coisas que mais gosto é arroz doce, também ele marcou presença 

 

 

IMG_5776.JPG

O que notamos logo à chegada, é o silêncio, a paz que a aldeia nos transmite, com campos à nossa volta, que dá vontade de entrar neles e descobrir o que escondem, caminhar pelo meio das árvores e ervas.

Não estava muito sol, e a meio da tarde o céu vestiu-se de nuvens bem negras, que combinavam na perfeição com todo aquele cenário.

 

 

IMG_5773.JPG

A seguir ao almoço, a Nélia e a Daniela mostraram-nos a aldeia, e contaram-nos um pouco da história, de quem por ali morou, e como se vivia em outros tempos na aldeia.

 

 

 

IMG_5774.JPG

IMG_5775.JPG

 

IMG_5777.JPG

IMG_5781.JPG

33647285_1658041740977791_2497126954063364096_n.jp

IMG_5782.JPG

IMG_5783.JPG

IMG_5785.JPG

Também visitámos Conceição, que fica relativamente próxima.

A aldeia de Alcarias é conhecida pelos seus gatos, mas quem nos acompanhou em todo o percurso foi o Max, um dos únicos cães residentes!

 

 

IMG_5780.JPG

IMG_5784.JPG

Infelizmente, o tempo passou depressa e estava na hora de regressar a Mafra.

No caminho de regresso, despedimo-nos com estas imagens.

 

 

IMG_5805.JPG

IMG_5806.JPG

IMG_5810.JPG

 

Para saberem mais sobre os bichanos da aldeia, vejam este post.

 

Muito obrigada, Nélia e Daniela!

 

 

 

 

 

Era uma vez um episódio de infância...

 

...que contei à MISS UNICORN, e que ela partilhou com todos na sua rubrica, só para que vejam que eu, em tempos, fui amiga dos animais, nomeadamente dos peixinhos!

 

(Claro que omiti a parte em que matei um peixe de aquário por excesso de comida, e que me entretinha muitas vezes a observar o sofrimento das formigas a morrerem afogadas, depois de as colocar dentro de água!)

 

Vão lá espreitar!