Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Adoro dançar!

dançar.jpg

 

Já nos meus tempos de criança e adolescente dançava nos bailes com as minhas amigas! Sim, porque nesse tempo, os rapazes eram envergonhados. Preferiam ficar uma noite inteira parados, a apreciar a vista, do que dar um pezinho de dança.

Aos 17 anos fui, pela primeira vez, a uma discoteca! Charles Bar, na Praia Azul, para os lados de Torres Vedras. Era um espaço espectacular, a pista abria cedo e era a noite toda a dançar. Só parava para beber água, ou para descansar 2 ou 3 minutos. A música era a minha favorita - anos 80, com alguma música latina e reggae á mistura.

Mais tarde, aproveitei também na discoteca "Casino" na Praia das Maçãs, e na "Sem Horas", no Sobral de Monte Agraço, onde cheguei a comemorar um aniversário.

Foi também por esta altura, vinte e poucos anos, que voltei a dançar outro estilo de música, desta vez nas associações que promoviam bailes aos fins de semana, com as bandas da altura, da qual destaco a "Chaparral Band".

Depois de ter a minha filha, e já mais velha, as idas a uma discoteca foram esporádicas, e já não me entusiasmam tanto. Talvez por ser difícil encontrar alguma com a música que gosto. 

Mas não digo que não a um baile! Ainda mais agora que a minha filha também já faz par comigo! Numa noite de baile, vou alternando uma música com ela, outra com o meu marido. Eles vão tendo umas pausas para descansar. Eu é que não!

E se for a um bar, com algum cantor ao vivo a tocar boa música, também danço. E em casa! E até nos sonhos!

Simplesmente, adoro dançar! E é um excelente exercício físico!

Saturday Night

 

"Saturday night, dance, I like
The way you move
Pretty baby
It's party time and not one
Minute we can lose..."

  

Conhecem esta música? Saturday Night, da Whigfield!

Já tem uns bons aninhos e, muito provavelmente, será difícil ouvi-la, nos dias que correm, numa discoteca.

Os tempos mudam e com ele, mudam-se estilos musicais, atitudes e comportamentos.

Sempre gostei de sair, de dançar, de ir ao cinema, de me divertir com as minhas amigas, ou com o namorado.

E lembro-me que quando tinha os meus 15 ou 16 anos, sempre que havia uma festa de aniversário, ou nas passagens de ano, era obrigatório comemorar! E comemorar com vinho branco ao jantar e espumante!

Não bebia para me embebedar, mas gostava de ficar naquele meio-termo a que usualmente apelidamos “estar quentinha”.

Pensava eu que, bebendo, me divertiria muito mais. Que o álcool transformaria aquela menina tímida e calada, numa outra, mais desinibida e extrovertida.

Só mais tarde percebi que não precisava de nada disso, porque esse meu lado extrovertido estava dentro de mim, e saía cá para fora independentemente do facto de beber.

Tenho porém constatado que, de há uns anos para cá, cada vez mais os adolescentes dependem de algo para se sentirem bem na sua pele, ou melhor, fora dela.

É certo que tabaco, álcool e drogas sempre existiram. E é, normalmente, na adolescência que se tem o primeiro contacto com eles.

Talvez como forma de quebrar laços da infância, como sintoma de emancipação, como necessidade de ser aceite num determinado grupo, pelo gosto de correr riscos, ou simplesmente para fazer aparecer aquele outro eu que se diverte muito mais quando está sob o efeito destas substâncias, a verdade é que o consumo das mesmas tem aumentado, é excessivo, e ocorre em idades cada vez menores.

Hoje, se eu for a uma discoteca, por exemplo, encontro miúdas a beber repetidamente, shots, enquanto eu me delicio com uma simples garrafa de água ou um sumo de laranja.

E pergunto-me eu? Será que elas gostam, será que lhes dá prazer? Qual será a sensação de fumar um cigarro atrás do outro? Como será que se sentem depois de passado o efeito da droga? Valerá a pena?

Os primeiros cigarros, as primeiras bebidas, as primeiras drogas, podem até ser, e acredito que sejam, experimentadas por curiosidade, e normalmente em grupo.

Mas daí à dependência vai uma curta distância, e começa a ser um grave problema, quando o motivo e o nosso principal objectivo de vida, é o consumo.

O que é curioso é que, se há uns anos, esta era uma situação que se verificava maioritariamente, no universo masculino, actualmente, talvez devido à luta por direitos iguais, encontram-se cada vez mais mulheres que, não só conseguiram com sucesso igualar-se neste campo, aos homens, como os ultrapassaram em grande escala!

Esperemos que esta febre, não apenas de sábado à noite mas regular, dê lugar a outras tendências e modas mais saudáveis e naturais!

  • Blogs Portugal

  • BP