Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

A propósito do Titan...

Missing-Submarine-Live-Titanic.png

 

É certo que incidentes, acidentes e tragédias podem acontecer a qualquer momento, sem que se possa fazer nada para evitar.

É certo que temos muito pouco controlo sobre a nossa vida, e o que se passa à nossa volta. 

Mas isso não significa que tenhamos que brincar com as nossas vidas, ou servi-las, de bandeja, à morte.

 

Há determinadas situações em que uma pessoa ainda consegue ter o mínimo de controlo, ter poder de acção.

E outras, em que estamos totalmente dependentes.

É o caso de uma viagem de carro ou autocarro, em que estamos dependentes do condutor. De avião ou avioneta, em que dependemos do piloto. Um elevador, ou outros mecanismos do género.

E, neste caso, um submarino.

 

Só de pensar em entrar dentro dele, e imaginar ficar fechado, debaixo de água, sem qualquer hipótese de fuga, com oxigénio contado, já é suficientemente claustrofóbico, para não me meter lá dentro.

Porque é, literalmente, entregar a vida nas mãos de uma máquina, e confiar cegamente.

Quem já fez a viagem turística, garante que vale a pena o risco. Risco que, ao que parece, era do conhecimento de todos os que se atrevem a desafiar o destino.

 

Ainda assim, o que seria do mundo sem os aventureiros?

Hamish Harding era um desses aventureiros, que já tinha, inclusive, viajado até ao espaço, para além de ser detentor de três recordes mundiais do Guinness, incluindo o maior tempo durante um mergulho na parte mais profunda da Fossa das Marianas, o local mais profundo dos oceanos. 

Paul-Henri Nargeolet, um oceanógrafo francês mais conhecido como Sr. Titanic, tantas as vezes que visitou os seus destroços (cerca de 25 mergulhos ao naufrágio desde 1987), foi outro deles.

Stockton Rush, marido de uma descendente de duas vítimas do naufrágio do Titanic, era também o CEO da OceanGate Expeditions, proprietária do submarino que o levou à morte. Mas, bem vistas as coisas, ele era o próprio a afirmar que a segurança era "puro desperdício".

Consigo compreender a vontade e o desejo destes três homens, em aventurar-se nesta expedição.

Já é mais difícil compreender quanto aos restantes dois tripulantes - Shahzada Dawood e Suleman Dawood - membros de uma das famílias mais ricas no Paquistão que, aparentemente, queriam só mesmo uma aventura diferente. Aliás, o pai queria, e o filho, apesar de estar, segundo uma familiar "apavorado", acabou por fazer a vontade ao pai.

 

E não é dos aventureiros que reza, quase sempre, a História?

Cinco pessoas morreram. E ficarão para sempre na História.

Duas tragédias interligadas: Titanic e Titan, o navio inafundável e o submarino que levava curiosos a explorá-lo.

Às vítimas, e aos destroços, do naufrágio de 1912 juntam-se, agora, em 2023, as vítimas, e os destroços, da implosão do submarino.

Maldição?

Acaso?

Destino?

Consequência de soberba, ostentação e irresponsabilidade?

Que importa...

 

Posso nunca ficar conhecida, ou ficar para a História. Posso nunca viver grandes aventuras. Ou grandes feitos.

Ainda assim, prefiro não correr riscos desnecessários.

Já basta tudo aquilo que temos mesmo que fazer, ou sobre o qual não temos qualquer poder de decisão.

Prezo muito a minha vida para arriscar perdê-la por puro capricho ou curiosidade sabendo, à partida, que, alguma coisa correndo mal (e aqui havia muitas coisas que podiam correr mal), a morte era certa, sem fuga possível.

Mas cada um sabe de si...

 

 

Imagem: ladbible

 

 

 

É egoísta não querer ter mais filhos?

Desenho de mãe grávida para o dia das mães | Vetor Premium

É egoísta não querer ter mais filhos?

Eu sou mãe.

O meu marido nunca foi pai. Mas gostava de ser.

Eu já tive essa experiência. E, sinceramente, não me vejo a repeti-la novamente.

Numa fase em que a minha filha está uma mulher feita, a conquistar aos poucos a sua independência e, com ela, também a devolver um pouco da minha, não me vejo a voltar a passar por tudo o que um filho implica.

Não me vejo a perder noites de sono. Não me vejo novamente a dar biberãos, a mudar fraldas, a ouvir choros, a lidar com birras, a ter paciência para educar uma nova criança.

 

Ah e tal, mas não é uma experiência gratificante?

Gratificante é fazer voluntariado, por exemplo!

Gratificante é ajudar alguém, de alguma forma, e estar lá para ver que pudemos fazer a diferença da vida dessa pessoa/ animal. Que pudemos contribuir para proporcionar algo de bom.

E, ainda que seja gratificante dar à luz um ser vivo, criar, cuidar, proteger, educar, e vê-lo transformar-se num adulto... Ainda que seja parte de nós...

Ainda que tenha valido tudo o que vivemos...

Não significa que queira repetir.

 

Ah e tal, mas assim estás a ser egoísta! Estás só a pensar em ti!

Estou? Talvez!

Afinal, seria eu a carregar a criança durante meses, a ver o corpo modificado, a ter que aguentar enjoos e afins, e a sofrer as dores de parto. Já me dá o direito de ser um pouco "egoísta", não? 

Então, e se tiver um filho só para fazer a vontade ao parceiro, não estará ele a ser, igualmente, egoísta?

Mas, na verdade, não vejo isso como egoísmo.

Egoísta seria trazer uma criança ao mundo sem a mínima vontade de a ter, e de cuidar dela. 

Sem ter disponibilidade para ela.

 

E nem me venham com aquela frase que tanto irrita "ah e tal, mas eu ajudava".

Tretas. Não se trata de uma ajuda, trata-se de estarem lá os dois.

 

E, como é óbvio, quando se decide ter um filho, é uma decisão para a vida.

Uma criança não é algo que hoje se quer, mas amanhã já não.

Não é algo para o qual, hoje, até temos condições, mas que podemos descartar ou desistir, amanhã, se as coisas mudarem.

Não deve ser um capricho, um desejo do momento. 

É um compromisso a tempo inteiro. Em termos psicológicos, e financeiros.

 

Enquanto não houver condições para assumir esse compromisso (e isso vê-se perfeitamente no dia a dia, e nas mais pequenas coisas), não vale a pena sequer pensar no assunto "filhos".

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sobre a vacinação, falta de escolha e "chantagens"

leitor_5fed80ea1b867_Vacina-coronavirus-2.jpg

 

De uma forma geral, muito antes da Covid-19, a vacinação fazia-se com relativa normalidade.

As pessoas seguem o plano de vacinação com confiança, e acreditando que isso lhes vai salvar as vidas, e as dos seus filhos, caso seja necessário sendo que, se não for, também não prejudicam ninguém.

À excepção de uma ligeira febre ou reacção no local da picada, raros são os casos graves de resultantes da vacinação. E uma minoria aquela que insiste em não vacinar.

 

A vacina da gripe, por exemplo, só a tomava quem queria. Ninguém obrigava ninguém a tomá-la.

Os que tomavam ficavam, muitas vezes, com sintomas da gripe. E diziam "fui levar a vacina, mas acabei por ter gripe". Uns, desistiam. Outros, achavam que era um "mal necessário" em prol de uma protecção, a longo prazo (não muito longo, visto que a vacina é anual), maior e melhor.

 

As vacinas que são obrigatórias em determinadas viagens, também nunca ninguém as contestou.

Era muito simples: se queriam viajar, tinham que se vacinar. E levavam as vacinas. E viajavam. 

 

Lembro-me, por exemplo, da vacina da meningite, que ainda não fazia parte do plano de vacinação no tempo da minha filha. Tinha que ser paga pelos pais, e havia duas à escolha. Uma mais cara que a outra. Éramos nós, pais, que escolhíamos a que queríamos, comprávamos e levávamos ao centro de saúde, para ser administrada.

 

Mais recentemente, veio a vacina contra o Vírus do Papiloma Humano (HPV).

Esta mais debatida, por a ela estarem associados alguns efeitos indesejáveis e problemas que teriam resultado da sua administração.

Com esta, muitos pais ficaram receosos, e optaram por não sujeitar os filhos à administração da mesma.

Eu não vi problemas, e a minha filha levou-a logo aos 13 anos.

Mais uma vez, houve hipótese de escolha.

 

Agora, em pleno século XXI, chegam as vacinas contra a Covid-19.

Vacinas criadas em tempo recorde, ou não fosse grave e urgente a situação que levou a criá-las.

Por vezes, a pressa é inimiga da perfeição. A urgência faz saltar etapas, e ocultar determinadas informações. Ou não conseguir detectar tudo o que pudesse não correr como previsto.

Mas, outras, até se consegue um bom trabalho, e eficaz.

 

Apesar da pressão exercida sobre a população, para que seja vacinada (e que acredito que seja ainda maior no que respeita a contratações laborais, ou acessos a determinados locais, um pouco como o fazem as escolas com as vacinas que já constam do plano de vacinação), e eventual discriminação para com aqueles que não a querem levar, a vacina não é obrigatória. Pelo menos, na teoria, só a leva quem quer. Na prática, terão que levar aqueles que quiserem aceder a algo, que obrigue a tê-la.

 

Sendo uma escolha, e havendo várias à escolha, apesar de se afirmar que, se estão no mercado, é porque são todas fiáveis, penso que cada um deveria tomar aquela que preferisse, desde que estivesse disponível.

Outra hipótese seria adoptar uma, gratuita, para o plano nacional de vacinação e, quem não quisesse essa, teria que pagar pela que preferisse, se ou quando estivesse disponível.

 

Como não é esse o caso, e as vacinas não abundam por aí, cabe a cada um decidir se quer levar já, a que existe, ou se prefere esperar que surjam outras, sujeitando-se às que sobrarem no final, ou a não haver nenhuma.

 

Não acho que uma vacina deva ser imposta. Muito menos nestas circunstâncias. E com base na falta de escolha, agravada com uma espécie de "chantagem", quando as pessoas já se sentem inseguras.

Mas, da mesma forma, não se pode afirmar que uma vacina não é eficaz, apenas porque algumas pessoas tiveram reacções adversas, com maior ou menor gravidade.

Uma vacina, um medicamento ou um tratamento que foi benéfico para muitos, não deixa de ser bom por algumas pessoas não se darem com ele.

 

A penicilina, por exemplo, presente em antibióticos ou através de injecções, é uma das maiores "armas" da medicina e, no entanto, há pessoas que são alérgicas, e que podem ter consequências graves em contacto com ela. Mas não é por isso que a penicilina deixa de ser eficaz e útil, e se perde a confiança nela.

Um médico que salva dezenas de vidas, perde uma ou duas. Deixa de ser bom médico por isso? 

 

O que se passa é que ainda não houve tempo para as pessoas ganharem confiança.

Ainda não houve tempo para as pessoas encararem as vacinas anti Covid-19 como uma outra qualquer.

A urgência, não deixa a poeira baixar. 

A falta de dados concretos quanto à eficácia ou tempo de imunização, bem como de quanto em quanto tempo terá que ser levada, impede-nos de confiar.

O facto de vir apenas com a promessa de uma eventual menor gravidade na contracção da doença, mantendo-se todas as medidas preventivas como até aqui, faz duvidar da utilidade da mesma.

A verdade é que podemos contagiar, e ser contagiados, ainda que tenhamos levado a vacina.

 

Uma coisa é certa: tal como em qualquer decisão que se tome na vida, teremos que assumir a responsabilidade pela mesma, e lidar com as suas consequências.

Se levarmos a vacina, e tivermos o azar de ter problemas, vamos sempre pensar "mais valia não ter levado".  Se não a levarmos, e formos parar a uma cama de hospital por conta disso, pensamos "porque é que não levei a vacina".

Nada é garantido, nada é 100% seguro e eficaz, e uma acção gera sempre uma reacção, da mesma forma que uma decisão acarreta sempre uma responsabilização.

Resta decidir com confiança, positivismo e com o máximo de informação que seja necessária a essa decisão, seja ela tomada agora, ou adiada.

 

Imagem: jornaleconomico

 

Por vezes, também é preciso saber desistir

desistir.jpg

 

Há quem desista muito facilmente, e quem teime em não desistir.

Há quem leve a vida toda a desistir, e quem não tenha essa palavra no seu dicionário.

 

Há quem diga que desistir é para os fracos. 

Mas, por vezes, desistir pode ser a decisão mais acertada.

E não torna ninguém mais fraco. Apenas, mais sensato.

 

É aí que as coisas se complicam.

Nem toda a gente sabe desistir. Há quem confunda persistência, com teimosia. Determinação, com irresponsabilidade.

Há quem insista naquilo que sabe que será uma luta perdida, por puro orgulho.

Há quem esteja tão agarrado, tão focado, que não consiga abdicar, abrir mão, tomar a decisão mais acertada.

 

Por vezes, insistir é insensato. Ainda que pareça ser aquilo que nos faz mais felizes hoje, pode não ser o que nos trará felicidade, amanhã.

Para algumas pessoas, desistir será a decisão mais difícil que alguma vez tomaram na vida.

Mas é preciso aprender a fazê-lo, a saber fazê-lo, e a aceitar que, o que achamos que estamos a perder hoje, pode ser aquilo que nos levará a ganhar, amanhã.

 

Há uma grande diferença entre não querer ter filhos e não poder ter filhos

Resultado de imagem para gravidez"

 

Não querer ter filhos, implica uma escolha. Uma escolha feita livremente, que naquele momento é válida mas que, a qualquer momento, pode ser revertida.

Quantas mulheres não dizem, durante anos, que não querem ter filhos. Que ser mãe não faz parte dos planos. Que não estão reunidas condições para tal. Ou não sentem esse apelo da maternidade. Ou acham que não serão boas mães.

Ainda assim, de um momento para o outro, tudo pode mudar, e dar lugar ao desejo de ter um filho.

 

 

Não poder ter filhos, significa que essa liberdade e poder de escolha nos foi vetado. Que algo decidiu por nós, e só nos resta aceitar uma decisão que não temos qualquer forma de reverter.

 

 

Quando era mais nova, meti na cabeça que nunca iria ter filhos. Não era nada muito pensado. Era apenas aquela ideia de que não teria paciência para aturar bebés e crianças birrentas.

Depois, tive a minha filha, e jurei que nunca mais voltaria a ter filhos.

Primeiro, porque não queria passar novamente pela experiência do parto. Depois, porque à medida que a minha filha ia crescendo, achei que não queria passar por todos os receios, angústias e preocupações outra vez. Nem mudar fraldas, nem passar noites sem dormir e todas essas coisas que um bebé implica. Sobretudo agora, que a minha filha já vai para os 16 anos.

E, porque até hoje, não têm existido condições para voltar a ser mãe, tanto a nível financeiro, como psicológico.

Um filho implica disponibilidade, tempo, atenção, que estejamos lá para eles, e isso é, cada vez mais, algo difícil hoje em dia.

 

 

Por isso, não ter mais filhos tem sido, até à data, uma decisão minha.

Mas a idade vai avançando, os anos vão passando e sinto que, a qualquer momento, essa deixará de ser uma decisão minha, que posso mudar, se assim o desejar, e passará a ser uma realidade irreversível, de quem está a entrar na menopausa e, como tal, não poderá mais ter filhos, nem opção de escolha quanto a esse assunto.

Por muito que queiramos, ou não, ter filhos, é sempre difícil aceitar que estamos condenadas a um prazo de validade, que nunca sabemos quando chegará - para umas chega mais cedo que para outras - e que nos vai limitar em algo que deveria sempre ser uma hipótese a não descartar, até assim o entendermos.