Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Reencontrei-me em Havana, de Leonor Santos

Reencontrei-me em Havana

 

A culpa é um fardo demasiado pesado para se carregar uma vida inteira.

E, por vezes, serve de desculpa para fugir aos problemas, para justificar decisões, para afastar, e se afastar, daqueles que estão ao seu redor.

Mas também pode servir de impulso para a mudança, para a descoberta, para a conquista.

Tudo depende da forma como for gerida, e da direcção em que for impulsionada.

 

Luiza passou seis anos da sua vida a deitar por terra tudo o que tinha sonhado para si, e a castigar-se, pelo acidente que tirou a vida à sua irmã mais nova.

Porquê? Porque se sentia responsável, culpada.

Era ela que ia ao volante. Foi ela que se enervou, foi ela que acelerou, foi ela que não conseguiu controlar o carro, e se despistou.

Os últimos momentos, antes de tudo acontecer, a última vez que viu a irmã com vida, passaram-se numa discussão entre ambas.

Mas, se o acidente, só por si, já lhe trouxe culpa suficiente, esta ainda se acentuou mais por conta de um segredo, que viremos a descobrir mais tarde.

 

A trabalhar como empregada de limpeza, depois de se licenciar em jornalismo, e afastada dos pais, com quem não fala há dois anos, Luiza descobre, entre as coisas da irmã, uma lista, escrita por esta, de coisas que quereria fazer antes de morrer.

E é assim que Luiza dá, finalmente, uma “utilidade” à culpa, e a usa no sentido positivo, mudando a sua vida.

Ultrapassando os medos do passado, e enfrentando os desafios do presente.

Haverá espaço, nesse presente, para se reconciliar com tudo, e com todos aqueles que ficaram para trás?

Haverá tempo para uma nova vida, livre de culpas, mágoa e ressentimento?

 

"Reencontrei-me em Havana" é um livro de escrita simples e objectiva, que se foca nos factos, sem perder tempo em grandes enredos e floreados, indo ao que realmente interessa, e de leitura fácil e rápida, que mostra que, ainda que nem sempre haja uma razão para as coisas acontecerem, há que reter ou descobrir aquela que melhor ajude a superar o que de pior esse acontecimento trouxe com ele.

 

 

Sinopse

 

"Luiza tem uma vida perfeita ou pelo menos é o que todos pensam. Uma jovem prestígio apaixonada pela escrita, com tudo para ter um futuro fantástico. Um passado traumático e um segredo enorme aterrorizam-na.

Quando a irmã morre num acidente de viação, Luiza desiste de tudo! Desiste da sua vida, da sua carreira, das suas paixões… Afasta-se dos mais queridos e de tudo que em tempos foi.

Anos passados, Luiza encontra uma carta da irmã, onde esta enumera os seus desejos. Esta pode ser a sua única oportunidade de conseguir, finalmente, seguir com a sua vida.

E assim, parte numa viagem ao desconhecido, aquilo que mais teme. Mas será que a sua vida tomará um novo rumo? Será esta viagem capaz de fazer Luiza esquecer o sofrimento e dor de tantos anos?"

 

 

 Autor: Leonor Santos

Data de publicação: Outubro de 2020

Número de páginas: 142

ISBN: 978-989-52-9033-8

Colecção: Viagens na Ficção

Idioma: PT

 

 

Desejos que se concretizam

 

Em Janeiro deste ano, escrevia eu, a propósito do romance "Até Sempre, Meu Amor", da Lesley Pearse:

"Gostaria de ver esta história continuada, à semelhança do que a autora fez anteriormente, com outras como a de Belle.

Queria ver o crescimento de Camellia, a descoberta da verdade, e como ela reagiria a tudo. Queria ver a felicidade brindar a Ellie, para variar.

E, quem sabe, assistir a um pouco mais da nova Bonny, nas décadas seguintes."

 

E eis que hoje, me deparo com esta novidade que é, nada mais nada menos, que "... a continuação da história de Ellie e Bonny, as inesquecíveis protagonistas de Até Sempre, Meu Amor."

O melhor de 2019 traduzido em votos para 2020!

Imagem relacionada

 

A equipa do Sapo Blogs desafiou-nos a escolher aquele que consideramos o melhor post escrito por nós, ao longo de 2019.

A selecção levou-me a eleger vários cujas mensagens, conjugadas, acabam por se traduzir naquilo em que cada um de nós deverá apostar, em 2020, e um pouco ao longo de toda a nossa vida.

 

Assim, para 2020, cada um de nós deverá:

  • Dar mais vezes o primeiro passo
  • Não ter medo de tomar decisões (e assumir a responsabilidade por elas, se for o caso)
  • Assumir compromissos sem medo 

 

  • Eliminar as pedras que estão no nosso sapato
  • Abrir o coração à felicidade, sem ter a tendência a sabotá-la
  • Sair mais vezes da concha que nos protege, sem receios
  • Comunicar mais, connosco e com os outros

 

  • Respeitar os demais
  • Não olhar apenas para nós mesmos

 

  • Encontrar o sentido da nossa vida
  • Sonhar
  • Acreditar
  • Permitir-se sentir
  • Fazer acontecer
  • Largar as bengalas a que nos agarramos, e caminhar por nós mesmos

 

  • Deixar de viver de aparências
  • Dar menos importância a coisas que não a têm
  • Fortalecer a linha com que cosemos a nossa vida

 

  • Combater a indiferença pelos que nos rodeiam 
  • Ajudar os que mais precisam, sem esperar nada em troca

 

  • Ser, sempre que possível, a melhor versão de nós próprios, aquela que nos faz sentir bem, e de bem com a vida

 

Tudo o resto, virá por acréscimo.

Que 2020 seja um ano muito feliz, pelo menos naquilo que depender de cada um de nós!

Em contagem decrescente para o início das aulas

Resultado de imagem para início das aulas 2019/2020

 

E para o fim da boa vida!

 

Já se sabe que a apresentação e recepção aos alunos será na sexta-feira. Sexta-feira 13, espero que seja um bom presságio, de que o ano que aí vem irá correr lindamente!

Já se sabe que só nesse dia os alunos, que vão para o 10º ano, ficarão a conhecer a escola onde irão passar os próximos três anos.

Já se sabe que os horários, bem à portuguesa, só serão afixados no dia 13 e que as aulas começam na 2ª feira seguinte (muito tempo para interiorizar, portanto)!

Já sei que a minha filha vai tem um director de turma. 

 

Pelo que me disseram os pais de quem lá anda, não costuma haver praxes que havia antigamente (e que nos faziam não querer meter lá os pés). Haja alguma coisa boa nos tempos modernos, que me deixa um bocadinho mais sossegada.

 

Obviamente, na sexta-feira, e porque a apresentação é só para os alunos, é provável que eu esteja no trabalho tão ou mais nervosa que ela, lá, entregue aos "tubarões"! Sim, porque ali já não há peixe miúdo 

 

 

 

Resultado de imagem para 10º ano

 

Os meus votos para este ano, para a minha filha e para todos os que estão em idêntica situação:

- que se adaptem bem à nova escola

- que se integrem minimamente na turma que lhes calhou

- que consigam fazer novas e boas amizades

- que gostem, de uma forma geral, dos professores que lhes calharem

- que tenham um(a) bom(oa) director(a) de turma

- que gostem das novas matérias que vão aprender, e que consigam tirar boas notas

- que se esforcem tanto ou mais do que o já faziam, porque dizem que este é um ano importante e, ao mesmo tempo, difícil, por ser um ano de adaptação

- que passe depressa este primeiro período, para que cheguem as férias de Natal!

 

 

Que resposta se dá a isto?

Imagem relacionada

 

 

Recebi ontem à noite uma mensagem de um tio meu, com quem já não falo há cerca de um mês ou mais, com uns votos muito peculiares:

 

"desejo uma boa noite para ti e para toda a família...aproveita bem a vida e o que ela te dá, porque vais estar morta durante muitos anos..."

 

Não percebi se era para rir, se era para temer ou, simplesmente, ignorar. Optei pela terceira hipótese!