Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

"Deitar a toalha ao chão" é sinal de fraqueza?

Imagem relacionada

 

 

Não sou pessoa de me aventurar no desconhecido, de me atirar de cabeça, de me desafiar muito.

Mas, da mesma forma, não sou pessoa de desistir facilmente das coisas, à primeira dificuldade, ao primeiro problema, quando vejo ou acredito que tudo poderá melhorar e ser diferente. 

De uma forma geral, se vejo que a árvore ainda poderá dar bons frutos, vou continuando a cuidar dela, e a esperar. Somente quando percebo que a árvore, simplesmente, não dará qualquer outro fruto ou, a dar, farão mais mal, que bem, deixo de insistir, e me resigno às evidências.  

 

 

Claro que isto depende muito do quanto apostámos e nos dedicámos a essa árvore. Do quanto queremos mesmo que resulte, e até onde estamos dispostos a ir, para que assim seja.

Há quem desista se a semente não vingou. Há quem perca o interesse se a planta teve tão curta vida que nem deu tempo de se desenvolver. Há quem não tenha paciência para a ver crescer ao seu ritmo. Há quem prefira apostar noutra árvore, se aquela começou a dar frutos azedos, ou que não conseguem ou se recusam a amadurecer.

E há quem passe uma vida inteira à espera de algo que nunca irá acontecer, em permanente ilusão, esperança, cegueira. É quase como querer que nasça algo em solo infértil. Ou querer colher maçãs num limoeiro. Apesar da acidez comum, não é a mesma coisa.

 

 

Como eu dizia, não sou daquelas pessoas que desiste à primeira, nem à segunda nem, provavelmente, à terceira. Mas se vejo que a árvore não cresce mais, que não dá nada, não vale a pena insistir, e é melhor deixá-la ficar como está. Talvez alguém a aprecie e possa fazer uso, de outra forma que não aquela que eu quero.

 

 

Há quem chame a isto "Deitar a Toalha ao Chão", atribuindo à expressão uma certa conotação de fraqueza.

Eu não considero tal atitude uma fraqueza. Acho que é sensatez, sabedoria...

Se fracassámos na nossa missão, e não há volta a dar, para quê persistir? Para quê desperdiçar a nossa vida, e o nosso tempo, em algo que não nos faz bem, nem tão pouco felizes?

 

 

Vale a pena? Não!

É saudável? Não! Nem para nós, nem para a outra pessoa.

Por isso, o melhor a fazer, em algumas situações ou momentos da vida, é mesmo colocar um ponto final, e dar uma nova oportunidade a nós, e aos outros, de ainda encontrar por aí a felicidade.

 

 

Aí desse lado, qual é a vossa opinião?

Já alguma vez na vossa vida "deitaram a toalha ao chão", seja a nível pessoal, profissional ou amoroso?

Sentiram-se fracos por isso? 

 

Zootrópolis - o filme!

 

 

Amizades improváveis, sonhos de que nunca se deve desistir, o direito à diferença e às oportunidades para todos, valores por que nos deveríamos reger, e o terminar de muitos conceitos préconcebidos e, muitas vezes, errados, são alguns dos ingredientes que podem encontrar neste filme da Disney - Zootrópolis!

 

 

 

Judy Hopps é uma coelha destinada a ser agricultora, mas que desde pequena tem o sonho de ser polícia.

Os pais desde sempre a tentaram dissuadir de seguir os seus sonhos, e convencê-la que ficar é muito mais cómodo. Mas Judy não se vai deixar convencer, nem desistir, mesmo quando tudo aponta para que venha a ser um fracasso total.

Assim, entra para a academia e acaba por se formar como a melhor aluna da turma, indo então cumprir o seu sonho de ser polícia em Zootrópolis, onde todos podem ser aquilo que quiserem!

Mas vai perceber que não é bem assim.

Com vários casos de mamíferos desaparecidos por desvendar, Judy fica encarregada dos parquímetros. Uma desilusão. Ela queria ajudar os colegas nos casos mais complicados, e pôem-na a passar multas.

 

 

 

É assim que conhece Nick Wilde, uma raposa matreira que faz dos negócios menos lícitos e trapaças a sua vida. Os dois não vão começar da melhor forma, mas serão "obrigados" a trabalhar como parceiros por uma causa mais nobre. Depois de humilhada, em criança, por uma raposa, e tendo em conta o medo que ainda possa ter delas, será que as coisas ainda vão terminar da melhor forma para estes dois?

 

 

 

O momento mais cómico e que, só por ele, já vale a pena ver o filme, é a cena das preguiças!

Nick diz a Judy que sabe de uma forma rápida de descobrir a quem pertence uma matrícula. Essa forma rápida, é a preguiça, que de rápida não tem nada. E se à Judy lhe estava a pôr os nervos em franja, estar uma tarde inteira à espera de uma informação, imaginem nós!

Ainda por cima, quando está mesmo, mesmo, quase, Nick lembra-se de contar uma anedota, só para atrasar mais um bocadinho. E, depois, a preguiça conta à colega essa mesma anedota. Foi uma cena mesmo hilariante!

 

 

 

Até conseguiram fazer com que a própria cara das preguiças lhes desse um ar mesmo parvo!

 

 

A música ficou a cargo da Shakira, com "Try Everything", que no filme cabe à personagem Gazelle interpetar!

 

Um filme onde aqueles que, à partida, seriam os maus, até podem ser amigos, e onde aqueles, de quem ninguém desconfiava, podem ter algo a esconder.

A missão de Judy e Nick será descobrir o que anda a tornar os mamíferos de Zootrópolis agressivos e selvagens, por que razão desaparecem, e quem está por trás de tudo isso, numa luta contra o tempo, para que Judy não tenha que cumprir a sua promessa de se despedir da polícia, por não ter conseguido resolver o caso.

 

Se puderem ver, não percam esta aventura da coelha pateta e da raposa matreira, que no final será mais coelha matreira e raposa pateta, com uma grande lição e mensagem para todos nós!

Não desistam dos vossos sonhos

 

Por muito que os nossos sonhos possam parecer inalcançáveis ou impossíveis de realizar, não devemos desistir deles.

Primeiro, porque sonhar faz-nos bem. Leva-nos a abstrair deste mundo louco e injusto em que vivemos, e viajar para outras paragens, onde tudo pode ser diferente, mais simples e mais feliz. Onde os nossos sonhos se tornam reais e nos sentimos realizados.

Depois porque, de entre todos esses sonhos que temos, existem mesmo alguns que podemos vir a concretizar. No entanto, para que isso aconteça, é preciso acreditar nesses sonhos. Porque, se nós próprios não acreditarmos neles, mais ninguém acreditará.

Acreditar é o primeiro passo. O segundo é fazer do nosso sonho um objectivo, e ir à luta para o alcançar. Nesse processo, pode acontecer batermos a várias portas, e haver muitas que permanecem fechadas sem qualquer resposta, e outras que nos abrem mas nos batem com elas na cara logo em seguida. Mas, em todas essas portas, pode haver uma que se abre e nos convida a entrar! E, a partir daí, tudo pode mudar. E mais portas se poderão abrir. Só precisamos de estabelecer o primeiro elo, quebrar a primeira barreira.

Nessa altura, pensamos no que teríamos perdido se a nossa atitude tivesse sido outra. E felicitamo-nos por ter conseguido alcançar os objectivos a que nos propusemos.

Ora, isto é tudo muito bonito de se dizer, quando se está na "mó de cima". Quando se tem ajuda ou conhecimentos. Quando já tivemos a sorte de concretizar aquilo com que sonhámos. Para quem está sozinho, a começar do zero, é bem mais difícil pôr em prática. 

Mas não é impossível. Não podemos é ficar à espera que as coisas nos caiam no colo. Há que ser persistente, perseverante, paciente, agarrar as oportunidades certas, embora por mais pequeninas ou insignificantes que possam parecer, lutar, e não desistir nem à primeira, nem à segunda, nem à terceira.  

Afinal, são os sonhos que comandam a vida!

Dar um tempo? Ou terminar?

 

E quando, de repente, um dos membros do casal se vira para o outro e diz "Acho que é melhor darmos um tempo"...

 

O relacionamento entre duas pessoas nem sempre é um mar de rosas, e é normal que surjam momentos menos bons, e as já conhecidas crises nas relações, provocadas pelos mais diversos factores.

Quando assim é, muitos são os casais que optam por terminar a relação. No entanto, pode haver quem queira apenas "dar um tempo".

Mas, lá bem no fundo, será que dar um tempo é uma solução válida, ou não passa de um adiar do fim da relação?

A verdade é que, quando um dos membros do casal pergunta ao outro "vamos dar um tempo?", não está mais do que a dizer que, se ainda não desistiu da relação, está prestes a fazê-lo.

As mulheres, tendem a pedir um tempo para pôr os pensamentos em ordem, quando já não acreditam que as coisas tenham solução. Já os homens, por norma, aproveitam esse tempo para matar saudades da vida de solteiro.

Mas será que esse tempo resolve os problemas? Não me parece. O tempo não resolve os problemas. pelo contrário, pode até mesmo agravá-los. Ou então serve para colocá-los em "banho maria". Quanto muito, o casal acaba por ter, depois desse tempo, a conversa que devia ter tido logo, sem precisar de tempo.

É o mesmo que tentar tapar os estragos, camuflando-os. Com o tempo, se não forem devidamente reparados, vão acabar por reaparecer à vista de todos, porque nunca deixaram de existir. 

Por outro lado, durante esse tempo de duração indefinida, muitas coisas podem acontecer:

- um dos membros do casal (ou os dois) conhecer outra pessoa e apaixonar-se; 

- a pessoa que pediu o tempo perceber que não existe mais amor, e terminar de vez a relação;

- essa mesma pessoa perceber que não pode viver sem a outra, e querer reatar a relação;

 

E, neste último caso, será que a volta depois desse tempo irá resultar? Mais uma vez, depende das circunstâncias, do tempo que ficaram separados, dos problemas que se resolveram, e dos que ficaram por resolver.

Posso dizer que já me aconteceu pedir um tempo na fase do namoro, que durou apenas alguns dias, por insistência da outra parte. Reatámos e estamos juntos até hoje. No entanto, agora casada, não faz sentido para mim dar ou pedir um tempo.

Até porque isso implicaria uma mudança radical da rotina como morar novamente sozinhos, pouco ou nada nos vermos, ou encontrar-mo-nos apenas como amigos, e ausência de convivência, ainda que provavelmente temporária, do meu marido com a minha filha e família. 

Ora, para mim é óbvio que depois desse retrocesso e mudança, que afectaria não só a mim mas também a minha filha, dificilmente voltaria a retomar a relação nas condições em que existia anteriormente. 

E não havendo relação nesses termos, menos sentido ainda faria voltar à fase anterior, de mero namoro de fim-de-semana.

Ou seja, o mais certo seria mesmo o fim da relação. Até porque, embora no início tudo pudesse parecer melhor, a falta de confiança, a cumplicidade perdida, a existência das mesmas condições que, eventualmente, ditaram o pedido de tempo, e outros factores, acabariam por contaminar permanentemente a relação, e ditar o seu fim. 

Por isso o que outra pessoa chamaria "dar um tempo", eu chamar-lhe-ia e entenderia como "ponto final"!

 

 

  • Blogs Portugal

  • BP