Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Porque não existem famílias disponíveis para Acolhimento Familiar?

 

Se a ideia é boa ou não, não sei. Cada caso é um caso, e é muito difícil prever o futuro.

Por norma, uma criança estará sempre melhor se acolhida por uma família, que reproduzirá exactamente o ambiente familiar que era suposto ter, do que numa instituição, com outras crianças.

Mas nem sempre as famílias que acolhem as crianças são recomendáveis. Assim como existem instituições onde o risco é maior do que aquele que em que viviam até serem retiradas à família biológica.

Em Portugal, a nova lei prevê, até aos seis anos, o acolhimento familiar de crianças que tenham sido retiradas aos pais

O objectivo, ao querer integrá-las em famílias de acolhimento em vez de irem para instituições, é proporcionar-lhes um ambiente acolhedor, enquanto aguardam uma solução para o futuro, que pode passar pelo regresso a casa ou pela adopção.

No entanto, torna-se difícil concretizar esta medida, uma vez que não existem famílias disponíveis.

Em 2013, apenas 374 crianças estavam integradas em famílias de acolhimento, a maioria delas situada no norte do país. Em Lisboa, nem uma! Segundo a Segurança Social, 90% dos menores que em 2013 estavam à guarda do Estado, viviam em lares e centros de acolhimento, instituições com dezenas de menores e onde o acompanhamento é feito por técnicos.

Mas porque é assim tão difícil encontrar famílias disponíveis?

Em primeiro lugar, porque o acolhimento familiar exige um grande compromisso da parte dessa família de acolhimento para com a criança acolhida.

Depois, os casais temem afeiçoar-se à criança que mais tarde, vão ter de entregar e são pouco receptivos a uma das missões da família de acolhimento que é facilitar, e até mediar, a relação da criança com a família de origem. 

Outro dos factores é não saberem que criança virá, quando e por quanto tempo porque, apesar de a lei dizer que é uma medida transitória, na prática as crianças acabam por ficar mais tempo, na maioria das vezes mais de cinco anos. 

Também não ajuda o facto de, sendo família de acolhimento, não se poder candidatar à adopção.

Tudo isto leva a que as pessoas optem por outros caminhos, que não o do acolhimento familiar, afinal, é preciso ter uma grande preparação psicológica, uma grande entrega mas, ao mesmo tempo, um grande desprendimento ao relação à criança. Quem é que está na disposição de aceitar uma criança em sua casa por alguns anos, promover nesse tempo o contacto com a família de origem e saber que a qualquer momento ela pode ir embora?

 

 

Sentimentos não se discutem!

 

Na semana passada, estávamos nós (eu e o meu marido) a comentar, a propósito do desaparecimento na nossa gata, que algumas pessoas consideram ridículo ouvir-nos falar em sofrimento pelo desaparecimento de um animal, acham absurdo o nosso desespero, e gozam com as nossas preocupações e cuidados com esse mesmo animal. Afinal, não passa disso mesmo – um animal.

Não condeno essas pessoas. Elas apenas não compreendem porque não sentem aquilo que nós sentimos.

É como estar a tentar convencer alguém que não liga a bebés, que eles são uma bênção, que são muito queridos e fofinhos e nos dão muitas alegrias. Para quem não gosta de crianças, nada disso faz sentido.

Ou tentar explicar, a alguém que não liga nenhuma a futebol, como é bonita a festa que faz o campeão, ou como ou bom o ambiente vivido num estádio.

Até mesmo com meros objectos, há pessoas mais desprendidas que outras. Para determinada pessoa pode ser fácil mudar de casa, mudar de televisão, mudar de carro. Para outra, esses objectos, embora meramente objectos, podem ter um valor sentimental que torna difícil substitui-los por outros.

Tudo depende da perspectiva de cada um, daquilo que cada um gosta, pensa e sente.

Diz-se que gostos não se discutem. E sentimentos também não!

 

  • Blogs Portugal

  • BP