Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Acabei de ver a quarta temporada de La Casa de Papel e...

la-casa-de-papel-actress.jpg

 

... que venha já o desfecho deste assalto ao Banco de Espanha porque duas temporadas à volta do mesmo, já começam a cansar, quanto mais três!

Se é para haver mais temporadas, que seja com novos planos, novos assaltos, novos recomeços, novas vidas, novas oportunidades.

 

Não é que esta temporada não tenha sido excelente, tal como as anteriores. Porque foi.

Todos eles começaram "na mó de baixo", desesperados, desnorteados, desestabilizados, desgastados, sem capacidade para pensar no que quer que fosse, com os nervos, a pressão, o fracasso, a derrota e a polícia a levarem a melhor.

Mas, uma vez "Professor", para sempre "Professor" e, com um empurrão daqui e outro dali, volta a surgir a motivação, volta a surgir a vontade de vencer a guerra, volta o raciocínio e a lógica, volta o brilhantismo e a genialidade a que já nos habituou, para tentar voltar a unir, e reunir, o grupo, e retirá-los do Banco de Espanha com vida.

Algo que, como já sabemos, não será possível para Nairobi.

 

É uma temporada que traz muitas surpresas, reviravoltas, emoções.

E se nós, público, mal ou bem, vamos conseguindo gerir ou deixar fluir estas últimas, para quem está  naquela situação, a empreender um plano daqueles e gerir um assalto, ao mesmo tempo que se deixa levar pelas emoções, é muito mais complicado.

Pode ser, como se costuma dizer "a morte do artista". Pode deitar tudo a perder. Pode levar a não ter a lucidez e a frieza necessária, ou a calma e compreensão que são exigidas.

 

Relativamente às personagens, tendo visto, pelo meio, a Zulema de Vis a Vis, é difícil não compará-la a Alicia Sierra porque, à excepção de uma gravidez e um penteado diferente, ambas são muito parecidas.

E adorei vê-la nas cenas finais de La Casa de Papel, sobretudo, quando despe a pele de inspectora, e passa a foragida, mas ainda com trunfos na manga.

 

Quanto ao Arturo, adorava que o governador o pusesse de uma vez nos eixos. É tão fácil odiar esta personagem que nos enoja, revolta, irrita, mexe com o sistema nervoso, que acho que qualquer um de nós, se pudesse, já o tinha posto fora de cena, se pudesse.

E foi tão bem merecida aquela raiva animalesca do Denver!

 

Destaco ainda a caricata turma de mineiros que chega quase no final da temporada, para dar seguimento ao plano Paris. Tal como o infiltrado Juanito.

 

E, como não poderia deixar de ser, a personagem Marselha que, nesta temporada, esteve sempre lá, onde era preciso, para tentar de todas as formas salvar o que restava do plano junto com o Professor, e voltar a pôr tudo nos eixos, enfrentando touros ou até uma dificuldade linguística, logo ele que fala uma dúzia de línguas!

 

O último episódio mostra que ainda há muito a fazer, deixa muitas situações em aberto e, sobretudo, a cena final, pode originar vários cenários na próxima temporada.

Por isso, vamos lá acabar com o assalto de uma vez por todas.

Por mim, pelo público, por eles e, acima de tudo, pela Nairobi!

Entrevistas na SIC: Cristina Ferreira X Júlia Pinheiro

Cristina-Ferreira-e-Julia-pinheiro-1024x859.jpg

Ultimamente, tenho assistido a algumas (poucas) entrevistas, tanto n' O Programa da Cristina, como no da tarde, "Júlia".

Ambas parecem ser apresentadoras sempre prontas para a brincadeira mas, também, para falar de temas mais sérios.

Existe uma diferença de idades e, talvez, uma forma diferente de olhar para as coisas, fruto dessa diferença.

 

Noto que, nas entrevistas da Cristina, as respostas às questões que ela coloca ficam, algumas vezes, por responder porque ela se lembra de mais alguma coisa, e corta a resposta a meio, ou vira a conversa para o tema seguinte, sem o anterior ter sido concluído.

Há espaço para lágrimas, palavras sentidas, conselhos e até uma espécie de solidariedade, mas sempre aligeiradas com umas belas gargalhadas à Cristina, e uma ou outra piada.

Nas entrevistas que tenho visto noto, talvez, um não aprofundar das questões, ficando ali a meio caminho.

 

No que respeita à Júlia, as entrevistas que tenho visto transmitem-me a ideia de que aquilo que fica por dizer na Cristina, é depois esmiuçado na Júlia!

A Júlia tem sempre aquela postura calma, ponderada, séria, compreensiva. Até a sua própria forma de falar é calma, pausada, suave. Mesmo quando brinca, é mais comedida.

Mas fico com a sensação que acaba por tornar o programa um pouco taciturno.

Talvez no programa da Júlia, as entrevistas tendam a dar mais destaque ao drama, às dificuldades, à tragédia, e não tanto às coisas positivas.

 

E, se há coisa que não gosto, é que, em certos momentos, ambas queiram, em vez de colocar a questão, deduzir as respostas dos convidados, ou fazer afirmações com base naquilo que acham, pelo pouco que sabem da história destes, quase que colocando palavras nas suas bocas.

 

De uma forma geral, penso que acabam por se complementar, não se distinguindo uma, mais que a outra. Ainda assim, talvez a minha balança pensa mais para a Júlia, apesar de tudo.

 

E por aí, costumam ver os programas destas duas apresentadoras?

Têm alguma preferência?

 

 

Exposição de Presépios em Mafra

Já é Natal em Mafra!

Das árvores iluminadas, e toda a decoração das ruas, à música natalícia, do presépio à casinha do Pai Natal, do mercadinho ao carrocel e, este ano, com a novíssima Pista de Gelo que fará as delícias de todos, o Natal chegou à vila para ficar até ao dia 23 de dezembro.

 

 

Mas o destaque de hoje vai para a exposição de presépios, criados por várias escolas, associações e instituições do concelho, que poderá ser apreciada no Largo Coronel Brito Gorjão.

De qual gostam mais?!

 

IMG_7006.JPG

IMG_7007.JPG

IMG_7010.JPG

IMG_7013.JPG

IMG_7015.JPG

IMG_7017.JPG

IMG_7019.JPG

IMG_7022.JPG

IMG_7024.JPG

IMG_7026.JPG

IMG_7027.JPG

IMG_7028.JPG

IMG_7029.JPG

IMG_7023.JPG

IMG_7025.JPG

IMG_7020.JPG

IMG_7021.JPG

IMG_7014.JPG

IMG_7016.JPG

IMG_7018.JPG

IMG_7005.JPG

IMG_7008.JPG

IMG_7009.JPG

IMG_7012.JPG

 

 

 

 

 

Sobre o Masterchef Júnior

 

Não tenho visto, mas a minha filha pôs a gravação do outro domingo e acabei por ver aquele programa, até porque está lá um rapaz - o Gonçalo - que é aqui de Mafra, e já foi colega de turma da minha filha! Ele já tinha participado na edição anterior, mas nesta está a ir bem mais longe.

 

De entre os concorrentes, há alguns que destaco:

 

A "mascote" - acho o miúdo muito engraçado, divertido, e lembra-me um pouco o Pedro Jorge, da edição anterior.

 

 

 

A Maria é uma tentativa de imitação da Maria da edição anterior, mas não conseguida.

 

 

O José, ou como eu lhe chamo "mini Miguel", é muito querido e sossegado. Tem-se safado à conta, de ser eliminado.

 

 

O Nuno parece ser um dos favoritos à vitória. Gostei da postura dele durante o programa.

 

 

A Joana acabou por sair, fez-me lembrar muito a Rosarinho, da edição anterior.

 

 

Imagens http://www.tvi.iol.pt/

 

Sobre o final de Quantico - 2ª temporada

Resultado de imagem para quantico season 2

 

Fui só eu que cheguei ao fim desta segunda temporada com uma certa desilusão? 

Com uma sensação de "tenho que ver tudo de novo, porque não sei se percebi bem, ou se não percebi nada"?

A achar que houve ali personagens que desapareceram sem sentido, que poderiam ter trabalhado mais, a quem deveriam ter dado um final de destaque?

 

Entre essas personagens, sem dúvida o Harry, e a sua relação com o Sebastian, mereciam mais do que lhes foi dado.

E a morte do León Velez, foi para quê mesmo?

E a Lydia, tão promissora no início, e depois "deixa" a série assim?

E a Dayana? A última vez que soube dela, tinha ido ao tribunal. O que lhe aconteceu depois?

 

Se há séries que não desenrolam, Quantico parece desenrolar-se rápido demais! Enquanto uma pessoa está a fazer o caminho de ida, já o episódio está na volta, a chegar à meta. E, na tentativa de acompanhar o passo, perde-se muita coisa pelo caminho!

 

Mas, se a primeira temporada fez todo o sentido, esta pareceu-me a mim mais confusa. Não tão focada num só enredo, mas quase dispersa por vários, que não se entrosaram da melhor forma.

 

Gostei do "quase" romance da Shelby e do Clay, que não se concretizou. E do final Alex/ Ryan, finalmente juntos (até ver)!

Gostei da mensagem de que, por vezes, temos que nos aliar aos vilões para conseguir derrotá-los, e que o lado dos maus não é algo tão "preto no branco", ou seja, o facto de não estar no lado dos bons, não significa, obrigatoriamente, que se está no lado dos maus. 

 

Não achei tão credível, conhecendo bem a Alex, que os vilões tenham acreditado na sua vontade de trair tudo aquilo em que acreditava, para se juntar a eles. Tal como não se percebeu bem como é que a Raina e a Nymah, que dificilmente conseguiriam escapar, de repente estão livres.

 

Nesta temporada, não houve uma bomba para deter, mas sim uma série de jogadas políticas com um objectivo único e estudado a longo prazo, que desta vez, não se concretizou, graças aos protagonistas.

 

Vida de agente é assim, luta-se e arrisca-se a vida a cada dia, para evitar o que pode acontecer hoje. Porque amanhã, poderá haver mais. Quem foi sacrificado, não poderá fazer muito mais. Resta a quem sobreviveu, chegar ao amanhã, que se tornará, mais uma vez, o hoje. 

 

E agora, a haver uma terceira temporada, vão trazer a Alex de volta? Conseguirá o Ryan apoiar a mulher? Irão libertar a Miranda? O que acontecerá às personagens nossas conhecidas, e quem trarão de novo para um novo enredo?

Fico à espera!