Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Quando conversar se torna difícil, resta o silêncio

ressentimento.jpg 

 

Não que eu seja muito dada a conversas mas, quando é algo que me interessa, ou sobre o qual posso dar a minha visão, a minha opinião, ou questionar, gosto de conversar com os outros.

Mas gosto, quando é uma conversa saudável. Quando todos podemos ter opiniões ou visões diferentes. Quando cada um respeita o outro. Quando é possível trocar ideias e pensamentos de forma pacífica.

No entanto, cada vez mais noto que, com algumas pessoas isso, simplesmente, não é possível.

Porque não admitem outra linha de pensamento que não a exposta por elas. Porque ficam chateadas por estarmos a levantar questões que não têm de ser colocadas. Porque, para elas, não faz qualquer sentido estarmos a desviar da "linha recta" por elas traçada, e enveredar por outros caminhos, que não o único por elas sugerido.

Então, aquilo que poderia ser uma conversa normal, torna-se uma guerra inútil, uma discussão desnecessária.

E, sendo assim, quando conversar se torna difícil, cansativo, stressante e desgastante, resta o silêncio...

 

 

 

Dica de segurança

Imagem relacionada

 

Por quem anda a ver demasiados filmes sobre raptos de crianças e adolescentes, sem qualquer base científica mas que, ainda assim, não custa nada ter em conta!

 

"Quando estiverem a caminhar na rua, e virem carrinhas paradas junto à berma, suspeitas ou não, desviem-se para o lado contrário, evitando passar junto delas."

 

E vem isto a propósito de quê? 

No outro dia estava a ir para casa, depois do trabalho, a pé, já de noite. Ia pelo passeio, e mais à frente estava uma carrinha enorme estacionada.

E então, lembrei-me que, nos filmes, quando passamos entre a carrinha e a parede, pode a qualquer momento saltar de lá de dentro um criminoso, e colocar-nos com grande facilidade dentro da dita carrinha, sem que ninguém veja.

Não fosse o diabo tecê-las, atravessei a estrada para o outro lado!