Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Quando temos tanto ou mais trabalho a pagar, do que a receber!

Resultado de imagem para devolução dos manuais escolares

 

Esta semana ligaram-me da escola, por causa dos manuais escolares.

Estava na altura de devolver os manuais, uma vez que tinha usufruído dos auxílios atrabuídos pela acção social escolar.

Disse-lhes que os livros não estavam em condições, e que queria saber como restituía o valor anteriormente pago.

Informaram-me, depois de perguntar aos superiores, que teria que ir à escola pessoalmente, num dos dois dias seguintes.

De qualquer forma, mesmo que fosse para entregar os manuais, tinha sempre que lá ir.

 

 

Fui no dia a seguir ao telefonema.

Informei a funcionária do PBX do que ia fazer. Encaminhou-me para a tesouraria.

Na tesouraria, voltei a explicar o que ia fazer. Ficaram muito admiradas, e disseram que não era com elas. Que estavam apenas a fazer os pagamentos das visitas de estudo. O ano passado, tive direito a 10 euros mas este ano, pelos vistos, não há lugar a pagamento.

Fui recambiada para a secretaria. Na secretaria, a funcionária diz que se é para pagar os manuais é na tesouraria, e liga para elas. Explica o que têm que fazer, e que não avisou nada antes porque não sabia que eu iria lá logo no dia seguinte (não que me tivessem dado muito mais tempo).

Mais uma vez, fui reconduzida à tesouraria, onde as funcionárias reclamavam entre si, que ninguém as tinha informado de nada, que não tinham orientações nenhumas, que não sabiam onde guardar o dinheiro, nem o que cobrar.

Ao que parece, até agora, fui a única mãe que não entregou os manuais e, por isso, o primeiro caso que lhes apareceu à frente.

Lá receberam o dinheiro (não podia ser por multibanco), deram-me o troco e pediram desculpa pela confusão. 

 

 

Porque é que eu preferi devolver o dinheiro em vez dos livros?

Em primeiro lugar, porque considero que, se é uma coisa que tenho direito, não deveria ter que devolver.

Em segundo, porque gosto sempre de guardar os livros já que, na maioria das vezes, acabamos por ter que consultá-los nos anos seguintes. No caso da minha filha, indo para o 10º ano, há disciplinas que ela provavelmente já não terá, mas outras sim, e estes livros podem vir a ser úteis.

E, por último, porque alguns dos livros estavam mesmo em mau estado, sem capas e partes que deles faziam parte, colados com fita cola, sublinhados a fluorescente, e não serviriam para ninguém mais usar.

 

 

 

 

 

 

A reutilização dos manuais escolares é uma utopia?

Resultado de imagem para devolução manuais escolares

 

Quando fui entregar as facturas dos livros do 6º ano da minha filha, a fim de ter direito ao apoio escolar, fui informada que, no final do ano, teria que devolver 4 livros, dois do 5º ano e dois do 6º, se quisesse ter direito a novo apoio no 7º ano. Parece que fazia parte das regras entregar os livros no final de cada ciclo.

 

Não achei correcto, e nunca entreguei nenhum. Por vários motivos:

 

- em cada ano que a minha filha está, tem muitas vezes que ir consultar os livros dos anos anteriores, para rever matérias e conceitos dados nessa altura, e que agora tem que saber aplicar - se tivesse entregado os livros, não tinha qualquer base de apoio;

 

- salvo algumas excepções, em que os professores prescindem dos manuais, normalmente a disciplinas mais práticas, em que não precisam deles, todos os outros manuais são utilizados para se responder aos exercícios nos mesmos, sublinhar, recortar, preencher, colar, e por aí fora, tornando difícil a sua reutilização;

 

- se é um direito que temos a oferta dos manuais, não faz sentido pedi-los de volta;

 

Não sei se, entretanto, as coisas mudaram mas, quando fui apresentar as facturas, no 7º ano, ninguém pediu nada.

 

Este ano, a questão aplica-se aos manuais fornecidos pelo governo, de forma gratuita, aos alunos do 1º ano. Os pais devem entregar os respectivos livros, sob pena de não terem direito aos livros do 2º ano.

 

No entanto, o que acontece aos livros que são devolvidos?

 

De acordo com o Jornal de Notícias:

"As escolas do primeiro ciclo já estão a receber os manuais do 1.º ano que foram disponibilizados no início do ano lectivo pelo Governo, mas os directores não sabem que destino dar-lhes uma vez que grande parte não será reutilizável. A maioria dos agrupamentos optará por armazená-los enquanto tiver espaço, adiando para já, o envio para o papelão."

 

Será, então, a reutilização dos manuais escolares uma utopia?

E, se os mesmos não vão ser reutilizados, para quê devolvê-los?

Comprar livros nas livrarias online - umas perdem, outras ganham

Imagem relacionada

 

90% dos livros que tenho são comprados na Wook online. Aproveito promoções, poupança de portes de envio e outras ofertas para poder poupar alguma coisa. 

Fiz uma encomenda há pouco tempo, da qual fazia parte um livro que tinha sido uma recomendação deles, recebida por email. Uns tempos depois informam-me que o dito livro está esgotado, pelo que vão devolver o valor pago, uma vez que não poderão satisfazer a encomenda.

 

"Com o intuito de o manter atualizado sobre o estado da sua encomenda, vimos por este meio informá-lo que o título encomendado "Encontras-me no Fim do Mundo", se encontra indisponível no fornecedor e sem previsão de fornecimento. Gostaríamos ainda de referir que efetuamos todos os esforços no sentido de satisfazer o seu pedido, contactando fornecedores e canais de distribuição alternativos, mas os nossos esforços revelaram-se infrutíferos."

 

Teimosa como sou, fui verificar se realmente o livro estava esgotado ou não, e confirmei que tanto na Bertrand como na Fnac era essa a menção. No entanto, encontrei o livro à venda do site da Leya. Para não me iludir, enviei um email para a Leya, que me disse que tinha o livro para envio imediato.

Ora, não sei o que a Wook quis dizer com contactar canais de distribuição e fornecedores alternativos, mas era evidente que ainda havia uma hipótese não explorada, e foi isso mesmo que lhes comuniquei, na esperança de que fossem eles a recorrer à Leya, pedir-lhes o livro e enviar-me.

 

Respondem-me assim:

"Em resposta ao solicitado, verificamos que o artigo Encontras-me no Fim do Mundo encontra-se esgotado na nossa plataforma Wook, se pretender estar informado da disponibilidade do artigo na nossa plataforma, poderá ir ao seguinte link ...e selecionar o ícone esgotado ou não disponível para ser posteriormente ser notificado da disponibilidade do mesmo."

 

Uau! A sério?!

"Que está esgotado na vossa plataforma eu já percebi. 
Mas como disseram que tinham efetuado todos os esforços no sentido de satisfazer o meu pedido, contactando fornecedores e canais de distribuição alternativos, revelando-se os vossos esforços infrutíferos, pensei que, indicando-vos eu onde o livro se encontra disponível, poderiam agilizar os meios para satisfazer o meu pedido, usando esta alternativa.
Sendo assim, vou encomendar directamente à Leya." - respondi eu.
 
 
 
 
Resultado de imagem para leya logo
 
Foi o que fiz! Não naquele dia, mas hoje, aproveitando a promoção de 40% de desconto em romances com mais de 18 meses. Com o dinheiro que a Wook me devolveu, deu para pagar este, e ainda sobrou uns cêntimos.
 
E é assim que, enquanto uns perdem dinheiro, outros ganham, e eu consigo o livro que queria.
Pelo menos, assim espero. E espero que valha a pena todo o trabalho que me deu para o conseguir. 
 

 

 

Sobre os casais que adoptam crianças…

…e depois as querem devolver!

 

 

Tenho uma única filha. Biológica. Até aos dois anos, sempre foi uma criança sossegada. A partir daí, mudou. Com a separação dos pais, ficou pior. Entre os 4 e os 7 anos, foram várias as birras que fez, só para testar os meus limites. Eu era a mãe, era comigo que vivia, era eu que lhe dava educação, que impunha regras, que não lhe satisfazia todas as vontades. O pai era um aliado! E eu, a má da história!

As birras começavam por nada em especial, mas começavam, e quase sempre acabavam mal. Muitas vezes a tive que arrastar de casa dos meus pais até à nossa, muitas vezes atirou com coisas, deu pontapés no que lhe aparecia à frente, tentou bater-me…Muitas vezes me disse que não gostava de mim, que eu era má, que queria ir viver com o pai, que preferia que eu morresse… Muitas vezes me enervei, chorei e pensei em lhe fazer a vontade, porque já não aguentava mais…

Mas não o fiz. Procurei ajuda para saber como lidar com toda essa situação, e aprendi a impor-me, a controlar-lhe as birras, a não mostrar o quanto isso me afectava. Hoje, com 9 anos, ainda tem uma ou outra birra, comum a todas as crianças, mas nunca voltou a ter aquele comportamento agressivo e revoltado.

Afinal, e como eu costumo dizer na brincadeira, “um marido podemos sempre despachar, mas um filho é para a vida”!

É esse pensamento que deve ter em mente quem pretende adoptar uma criança. O problema, é que nem sempre os casais que adoptam vêem essas crianças como seus filhos biológicos. Não é que os pais biológicos não abandonem os filhos, porque muitos o fazem. Mas, por norma, os “verdadeiros pais”, aqueles que sabem o real significado dessa palavra, nunca abandonariam um filho. E conheço pais adoptivos que foram mais “pais” que os biológicos.

O que acontece é que, não raras vezes, quem adopta, não está realmente preparado para esse passo, embora o pense. E só se apercebe disso depois de já ter a criança consigo. Ou não se apercebe. Provavelmente consideram-se óptimos pais. A culpa será da criança que é mal comportada, que tem problemas, que não teve uma infância fácil, que não é perfeita, que não é de todo o que tinham imaginado. Mas isso é algo que se resolve com facilidade: já que é um período experimental, devolve-se a criança. Ou troca-se por outra. Já que têm essa possibilidade, porque não aproveitá-la?!

E assim se reduz, de certa forma, uma criança a uma mercadoria, a um peso, a um objecto que afinal chegaram à conclusão que não querem e trocam por outro. Algo que, possivelmente, nunca fariam com um filho biológico. Escolhem o caminho mais fácil.

Mas que disse que ter um filho seria uma tarefa fácil. Nunca o foi, e nunca o será! Talvez para alguns casais não seja tão difícil do que para outros mas, definitivamente, fácil não é. E, se não estiverem cientes disso, então é preferível não iludir estas crianças que, tal como as outras mas, normalmente, mais sofridas, apenas querem uma família que as aceite como são e que as ajude a minorar ou ultrapassar os traumas do passado. Isso implica uma luta diária constante. E implica determinação, perseverança, educação, apoio, regras, limites, dedicação e, acima de tudo, amor!

  • Blogs Portugal

  • BP