Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Vacinação Covid-19: agendamento pelo SNS ou auto-agendamento?

Plano de vacinação contra a Covid-19 – SNS

 

Desde o início da vacinação que se tem assistido a uma "corrida" às vacinas.

Por vezes, com recurso aos mais diversos estratagemas, trafulhices, chico-espertices.

Isto, quando ainda existia apenas o método de contacto, pelo SNS, consoante a idade e determinados problemas de saúde.

 

Mais recentemente, com a disponibilização do agendamento, por parte dos utentes, por faixas etárias, foi a loucura!

Andava toda a gente a agendar, e a anunciar aos quatro ventos que tinha a vacina marcada, como se tivessem ganhado o Euromilhões, tal o entusiasmo e felicidade.

Agendadas com extrema rapidez, acabou por fazer com que estas pessoas conseguissem ser vacinadas antes de muitas outras, de grupos que deveriam ter prioridade, serem chamadas.

E, com esta possibilidade, veio a pergunta que todos andam a fazer, a toda a gente:

"Então, já agendaste a vacina?"

 

No meu caso, há cerca de duas semanas que o auto-agendamento está disponibilizado para a minha faixa etária. 

Já perdi a conta as vezes que me fizeram a dita pergunta.

Não. Não agendei. E nem foi preciso!

Ontem, recebi no telemóvel a dita mensagem do SNS, a marcar a vacina para domingo.

Ou seja, não há um grande desfasamento entre uma ou outra forma de agendamento.

As coisas estão a acelerar, com a ameaça de uma quarta vaga a atingir o pico daqui a um mês, a época de férias à porta, e a necessidade de travar o mais possível um regresso ao indesejado confinamento.

 

De qualquer forma, tenho notado que, mais do que o receio da doença em si, muitas pessoas têm aderido à vacinação, até mesmo as que, antes, tinham recusado a vacina, mais por pressão dos que os rodeiam, por receio de futura discriminação e/ou represálias, por receio de futuras dificuldades no acesso a determinadas ofertas de trabalho, ou acesso a estabelecimentos de ensino, por impedimento ou restrições a determinadas acções que, agora, exigem vacina e/ou certificado de vacinação.

 

Já sabemos que existem extremistas em todo o lado e, se é verdade que há movimentos extremistas antivacina, começa também a haver movimentos extremistas contra quem opta por não ser vacinado.

Ainda no outro dia, alguém dizia "Quem não leva a vacina devia ser despedido!".

E já se começam a atirar as primeiras "culpas" para cima desta minoria. Há um surto? A culpa é daqueles que não estão vacinados!

Como se quem tem a vacina não pudesse também apanhar o vírus e contagiar os outros.

Portanto, estão a ver a escalada e as proporções que isto pode tomar.

 

Acima de tudo, as pessoas devem levar a vacina por vontade e desejo próprio, bem esclarecidas e informadas quanto às suas dúvidas e receios, e sem pressão.

Seja por agendamento do SNS, ou por auto-agendamento que, à velocidade a que o processo está a decorrer, parece-me que, salvo raras excepções, não se justifica, em termos de diferença temporal.

 

 

 

 

 

Quando o poder está nas nossas mãos

passe_800x600.jpg

 

De nada adianta termos um determinado poder nas nossas mãos, se nada de útil e benéfico fizermos com ele.

Há quem o tenha, e não o saiba usar.

Ou tenha medo de o usar.

E quem não o queira usar para outros fins que não sejam os seus próprios interesses.

 

Depois, há os que gostariam de mudar, de melhorar, de marcar pela diferença. Mas não têm poder para tal.

No entanto, se, e quando, esse poder lhes vai parar às mãos, cabe-lhes dar uso ao mesmo, e agir.

Um poder estagnado, ou mal usado, é um poder desperdiçado, que nunca trará a tão desejada mudança.

 

Porque é que a diferença incomoda tanta gente?

passarinhos-azuis.jpg

 

A diferença não tira o lugar. Não substitui. Não ameaça.

Apenas complementa os espaços ainda não ocupados.

Aprendemos mais com as diferenças, do que com as semelhanças.

Ser diferente não significa, necessariamente, ser melhor, ou pior. Ser superior, ou inferior. É, apenas, ser diferente.

E ser diferente torna tudo mais completo, mais diversificado, mais dinâmico.

O problema da diferença, é cada um ter metido na cabeça que é uma espécie única e que, qualquer outra, terá que se assemelhar a si, ou não haverá lugar para ela no mundo.

No entanto, esquecem-se que a melhor forma de nos tornarmos semelhantes será respeitando, mutuamente, essas diferenças.

 

Ter mais não significa gastar mais!

gastar-menos-1080x675.jpg

 

Ter de reserva, não significa ter em demasia.

Prevenir, não significa esbanjar, só porque se tem. Só porque há em grande quantidade.

 

Há pessoas que não compreendem isso.

Há pessoas que pensam que se pode gastar mais, porque ainda há muito, e não vai fazer diferença.

Mas faz!

Porque, ao não perceberem que devem, apesar da aparente abundância, gastar o mesmo ou, até, poupar, acabam por perder em dinheiro, que já gastaram, e naquele que vão gastar quando tudo acabar, e precisarem de renovar aquilo que utilizaram ou consumiram à parva, sem necessidade.

 

Ter mais, sobretudo em tempo de crise, significa ter o suficiente para aqueles momentos em que for mesmo necessário, e não for possível, pelos mais diversos motivos, adquirir.

Crianças "prodígio": uma dádiva ou uma maldição?

Resultado de imagem para crianças prodígio

 

Ao longo do tempo, várias foram as crianças sobredotadas, também denominadas de "crianças prodígio", que se destacaram das restantes, das mais diversas formas, e nas mais diferentes áreas.

Uma criança destas não é, necessariamente, a melhor e mais inteligente em tudo, mas antes com um foco e especificidade própria sendo, por vezes, até desajeitadas no resto.

Ainda assim, é um dom. E um dom, deveria ser uma coisa boa, positiva.

 

No entanto, existem dons que se revelam, muitas vezes, uma "maldição" para quem os tem. Algo que os torna diferentes e, como tal, difíceis de compreender, aceitar, conviver.

A diferença, em vez de ser positiva, acaba por ter a conotação contrária.

É algo que as isola, que as coloca sob pressão, que as faz sentir-se exploradas, ou desejadas apenas e só, por esse dom.

 

Muitas vezes, professores mas, sobretudo, os pais, acabam por exigir ainda mais do que era suposto, a estas crianças que, apesar de tudo, deveriam ter uma vida normal, como qualquer outra.

 

É o caso de Laurent Simons, um rapaz de 9 anos, cujos pais queriam que ele se licenciasse antes do seu 10º aniversário, a 26 de Dezembro.

A universidade disse que era impossível, e os pais amuaram, e tiraram de lá o filho. Porque, para eles, tem que ser possível.

 

"O curso de Laurent demora três anos a fazer, mas ele esperava completá-lo em apenas dez meses. Contudo, a universidade avisou que seria impossível cumprir o prazo, visto que ele ainda tinha muitos exames para fazer, sugerindo que ele poderia acabar o curso em meados de 2020. Num comunicado citado pela BBC, a universidade indicou que apressar o final do curso não era compatível com o "discernimento, a criatividade e a análise crítica" necessários e que isso iria refletir-se no seu desenvolvimento académico.

Além disso, a universidade alertou contra a "pressão excessiva sobre o aluno de 9 anos", que reitera ter "um talento sem precedentes"."

 

 

Resultado de imagem para Gifted

 

Já no filme "Gifted", uma avó queria à força que a sua neta seguisse os passos da mãe (que acabou por não aguentar a pressão e se suicidar), porque era um desperdício não aproveitar o seu dom para grandes feitos, e deixá-la levar uma vida normal, conviver com as crianças "normais" e frequentar uma escola "banal", como o tio o fazia, cumprindo o desejo e vontade da sua falecida irmã.

Não que ele ocultasse ou quisesse impedir que a sobrinha usasse o seu talento. Mas fazia-lhe ver que a vida era muito mais que isso.

A partir do momento em que a avó ficou com a guarda da neta, ela viu-se rodeada de livros, professores, estudo e mais estudo, e nem lhe permitiram ficar com o seu gato de estimação.

E aquela criança passou a ser uma criança infeliz, revoltada.

 

A ideia com que fico é que, apesar de tudo, ser-se uma criança sobredotada é sinónimo de solidão, vazio, incompreensão, desajustamento, um certo "peso" que nem todas conseguem carregar, até mesmo alguma discriminação.

Que são, muitas vezes, usadas para caprichos e interesses de quem pode, de alguma forma, tirar partido delas, para benefício de si próprio, e não das crianças.

Que nem todos os que com elas lidam sabem gerir e manter um equilíbrio saudável entre um dom com o qual se nasceu, e tudo o resto.