Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Pessoas em situação de carência não são menos que as outras

 

coisas para doar.jpg

Aqui em Mafra temos uma associação ou projecto de apoio social, que recebe donativos de vestuário, têxteis para o lar, acessórios e calçado, artigos para bebé, electrodomésticos, mobiliário, brinquedos e material didáctico, material informático (em estado de reutilização), produtos de higiene e limpeza, e bens alimentares, que se destinam aos residentes do concelho de Mafra, em situação de carência ou vulnerabilidade social.

O horário de funcionamento, não é muito flexível, nem alargado pelo que, normalmente, quando as pessoas vão ou vêm do trabalho, ou aos fins de semana e feriados, está fechada.

De qualquer forma, isso não é impedimento para ser solidário porque, mesmo estando a porta fechada, a entrada tem uns degraus e um espaço até à porta, onde podemos deixar lá as doações.

Assim fiz, no passado fim de semana, como é costume, mas fiquei indignada com o que vi: estavam meia dúzia de peças de roupa, simplesmente, espalhadas no degrau junto à porta. Como se fosse lixo.

Será que, à custa dos sacos serem pagos, a pessoa não quis desperdiçar um para colocar as roupas dentro? Será que não havia uma caixa onde pudesse ter posto a roupa? 

E, provavelmente, as pessoas que fazem isso são aquelas que mais exigem quando se trata da sua própria roupa. Mas, como é para os pobres, para os necessitados, para os coitadinhos que, como nada têm, qualquer coisa lhes serve, já não há problema em despejar a roupa no chão.

Pois as pessoas que, infelizmente, precisam e se vêm nessa situação não são menos que as outras. Podem não ter dinheiro, mas ainda têm dignidade. E o mínimo que merecem é respeito. Não são animais a quem qualquer trapo serve. 

Se querem doar, doem! Mas de igual para igual! Não de má vontade e com desprezo por quem não escolheu estar nessa situação, e tendo sempre em mente que um dia, quem sabe, podemos ser nós no mesmo lugar. E tenham o bom senso de, pelo menos, colocar os bens doados num saco, numa caixa, ou qualquer outra solução que os proteja, para que continuem a chegar em bom estado às mãos daqueles que irão utilizar!

Medo e baixa autoestima - os principais "combustíveis" da violência!

Resultado de imagem para violência doméstica

“Se alguém te agride, se alguém te humilha, se alguém te controla, se alguém te isola dos amigos, isso não é amor, é violência”, é a mensagem da mais recente campanha contra a violência no namoro.

Uma violência que não escolhe sexo, classe social ou formação. E que tanto pode ser física, como psicológica (muitas vezes, as palavras marcam mais que meia dúzia de nódoas negras).

Dizem os sábios que, por trás de uma pessoa que fere, há sempre uma pessoa ferida. E é provável que os agressores de hoje, tenham sido as vítimas de ontem. Ou tenham, pelo menos, crescido num ambiente de constante violência. E que as vítimas de hoje, sejam os agressores de amanhã.

Então, o que fazer para quebrar esse círculo?

Porque continuam a ser tão poucas as vítimas que denunciam esses crimes, e ainda tantas as que permanecem caladas?

Por várias razões: 

- porque gostam mais de quem as agride do que de si próprias, ficando cegas, surdas e mudas, inventando desculpas para se convencerem a si e aos outros, que foi uma coisa que aconteceu uma vez, e não voltará a acontecer! Assim, perdoam quem as agride porque foi uma questão de descontrolo, porque não havia intenção de o fazer. E, o que é pior, chegam a culpabilizar-se pela agressão de que foram vítimas, como se os agressores tivessem alguma razão para cometer tais actos!

- por medo de mais violência, de ver concretizadas as ameaças, do que lhes possa acontecer. Quantas vezes os agressores são detidos e saem logo em seguida? Quantas vezes se tentam vingar por terem sido denunciados? Quantas vezes o pior não acontece, sem que ninguém faça nada, apesar das várias acusações já apresentadas nos serviços competentes? As vítimas de violência doméstica não conseguem confiar em ninguém, não acreditam que as consigam proteger do que mais receiam. 

- por medo de serem julgadas, do que possam vir a dizer sobre elas, por vergonha...Por isso, sujeitam-se e acomodam-se sem reclamar. E é o pior que podem fazer, porque estão a dar ainda mais força aos agressores, que se acham no direito de repetir a violência, uma vez que foi permitida outras vezes.

Como tal, para um combate real e eficaz à violência doméstica, é preciso actuar em duas frentes.

É necessário, sem dúvida, uma legislação mais severa e adequada para estes casos mas, mais do que meras leis a enfeitar um Código Penal, é fundamental que as vítimas sintam que serão protegidas, que nada lhes acontecerá por denunciarem os agressores, que as queixas e denúncias não ficam numa gaveta ou no cesto dos casos a ver mais tarde. É fundamental que sejam tomadas todas as medidas, e que sejam cumpridas. É necessário que as denúncias sejam levadas a sério e que os receios das vítimas sejam tidos em conta.

Mas é, também, urgente actuar a nível psicológico, para que as vítimas tenham a coragem de reagir e agir, de conseguir dar a volta e lutar por si próprias, pela sua dignidade, pela sua saúde física e mental, pela sua vida!

E se orgulhem de terem vencido, em vez de se deixar vencer! 

A saúde não tem preço, mas pagamos caro por ela!

É verdade que a saúde não tem preço? É!

E que não se compra? Sim!

Ainda assim, pagamos tão caro por ela!

Mas o que seria daqueles que investem em pessoal especializado e em laboratórios para que sejam levadas a cabo pesquisas e buscas por curas ou tratamentos de doenças, até agora desconhecidos?

O que seria das farmacêuticas se não obtivessem algum lucro com os medicamentos "milagrosos"?

O que seria das farmácias se os medicamentos nos fossem oferecidos?

A saúde não tem preço, mas tem custos para quem dela carece!

A saúde não se compra nem se vende, mas faz parte de um grande mercado onde é negociada como quem negoceia raridades valiosas! A necessidade dela faz funcionar uma indústria de milhões.

Quanto custam determinadas cirurgias? Quanto custam determinados tratamentos? Quanto custam determinados medicamentos? E quem consegue, em termos financeiros, ter acesso aos mesmos?

Vejamos, por exemplo, o actual caso da hepatite C. São, à partida, 150 os escolhidos pelo Ministério da Saúde para beneficiarem do novo tratamento com um medicamento inovador contra a doença - o Sofosbuvir - que garante taxas de cura superiores a 90%. O custo deste medicamento anda entre os 45 mil e 150 mil euros.

Disse o ministro da Saúde (e concordam os profissionais) que "se a todos os pacientes de hepatite C fosse ministrada esta cura, gastar-se-ia mais de 80 por cento do orçamento do Serviço Nacional de Saúde".  Já Emília Rodrigues, do SOS Hepatites, contrapõe que “É triste alguém ter que estar em pré-morte para que lhe seja dada esta medicação”.

Exceptuando aqueles que, com ajuda, milagre ou condição financeira conseguem ter acesso a determinado tipo de medicamento ou tratamento, e usufruir de meios de diagnóstico modernos e tecnologia avançada, a grande maioria nem sequer tem dinheiro para pagar uma taxa moderadora que, misericordiosamente, decidiram baixar este ano em 5 cêntimos!

A maioria, não tem dinheiro para se submeter àquela cirurgia que tanto necessita. Nem para pagar os exames que tem que fazer. Ou o internamento a que, involuntariamente, terá que ser sujeito.

E quando tem, nem sempre é tratada de forma digna e humana nos serviços de saúde públicos, ainda que tenha que pagar da mesma forma. 

No fundo, não estamos a falar exatamente de saúde, mas de cuidados de saúde, dizem os entendidos no assunto. Mas bem lá no fundo, todos sabemos que, ainda que os "caminhos" sejam diferentes, ambos levam à mesma e única questão - o limbo entre a saúde e a doença, entre a vida e a morte!



 

 

 

Diferentes formas de pedir

 

Não sendo uma das ruas principais, ainda assim está movimentada. É uma zona de comércio, de bancos, e local de passagem para quem trabalha e, como por vezes eu, tem que se dirigir aos diversos serviços públicos.

Há os habitantes, os estudantes que tiveram alguma hora livre, alguns turistas, mães a passear os filhos, os reformados e os desempregados.

E há, hoje, um novo ocupante. Já não é a primeira vez que vejo esse mesmo homem sentado naquela rua com uma lata à frente. Vi-o a primeira vez há uns meses. Vi-o mais tarde quando passei por lá com a minha filha. E hoje.

Não tenho por costume dar esmolas a ninguém. Nunca sei se estão ali porque precisam ou se, na verdade, se fazem de coitadinhos mas têm mais que eu. Tão pouco me dou ao trabalho de ouvir as suas histórias, sejam elas verdadeiras ou não. Sou apenas mais uma que passa, que faz de conta que não vê. Mas, com a noção de que, para algumas dessas pessoas a quem a vida e crise não deixaram alternativa, e a quem ainda resta alguma dignidade, será o seu último recurso.

No entanto, não pude deixar de constatar, ao pensar um pouco mais no assunto, que nem todos encaram o acto de pedir esmolas da mesma forma. De facto até poderia, de certa forma, enquadrá-los por grupos:

 

Os criativos – aqueles que têm, ou descobrem um talento especial para alguma coisa, e fazem uso disso. Talvez porque assim conseguem chamar a atenção de quem passa, porque consideram que o dinheiro que lhes dão é mais merecido dessa forma, porque gostam de se entreter, e entreter os outros, porque lhes dá prazer e satisfação retribuir, de alguma forma, a ajuda que pedem;

 

Os derrotistas ou passivos – limitam-se a estar, como se não tivessem mais esperança na vida, caídos a um canto, à espera que alguém repare neles;

 

Os cobardes ou fracos – “escondem-se” atrás de um qualquer animal de estimação para conseguirem a atenção das pessoas através do mesmo/ “escondem-se” atrás de uma grave doença para sensibilizar as pessoas;

 

Os “vendedores” – de calendários, de pensos rápidos ou outra coisa qualquer que possa interessar ou ser útil às pessoas;

 

Os “pedintes” – que vêm ter connosco a pedir uma moedinha ou um cigarrinho (são poucos os que pedem ou aceitam comida em vez de dinheiro);

 

Os ameaçadores – existem alguns que, mesmo não ameaçando abertamente, conseguem que lhes seja facultado aquilo que querem (normalmente acontece em estabelecimentos comerciais, em há uma espécie de negócio – as pessoas preferem dar alguma coisa para que se vão embora e não arranjem problemas);

 

Os arrumadores – que se vêem quase a cada esquina e que, para quem conduz e precisa de um lugar para estacionar, acabam por ser úteis.

 

Assim de repente não me ocorre mais nenhum, embora possa haver ainda mais formas de pedir o mesmo. O que não deixa de ser triste, quando os casos são reais…  

  • Blogs Portugal

  • BP