Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Estreou a 6ª temporada de The Good Doctor

maxresdefault.jpg

 

Comecei a ver a terceira temporada da série The Good Doctor, que nem sabia que já tinha começado!

E começou bem, disso não há dúvidas.

O grande dilema da temporada vai ser Audrey lidar com alguém que, para todos os efeitos, lhe salvou a vida, mas a deixou paraplégica - Shaun.

A amizade parece não ter volta. Audrey está revoltada. 

Tudo parece ter sido uma decisão impulsiva, obstinada, de pura desobediência pelo que o Dr. Glassman tinha decidido, antes de deixar a cirurgia a cargo de Shaun, para salvar outra vida.

A questão é: o que teria acontecido se tivessem seguido o plano inicial? 

Pois... Não se sabe.

Mas, quem se vê inutilizado por mãos alheias, sente revolta, tende a ver as coisas pela perspectiva do que poderia ter sido, e culpar quem a deixou assim, e quem deixou que isso acontecesse, sem questionar essas decisões. Sem entender o seu lado.

 

Outra das novidades é a separação (de novo), de Morgan e Alex, que vão voltar às quezílias mas agora, em vez de em jeito competitivo, num modo, ressentido.

 

E, enquanto Shaun e Alex são promovidos, o hospital recebe novos médicos residentes, que ambos irão supervisionar.

No entanto, se um parece fazer as delícias de todos, a outra parece desafiar a "linha de comando" e arrisca-se a ser despedida no primeiro dia.

 

Vamos ver como se vai desenvolver esta temporada mas, para já, os três primeiros episódios estão aprovados!

 

 

O grande dilema de todos os anos

 

 

 

Imagem relacionada

 

Todos os anos espero ansiosamente pelas férias, para poder descansar da rotina e stress do trabalho, acordar mais tarde, ir à praia, à piscina, passear, estar com a minha filha e com as bichanas, e com o meu marido, quando estamos de férias na mesma altura.

 

Todos os anos chegamos a esta altura, a perceber que precisamos de lavar paredes, pintar, limpar a casa, o que implica ter tempo livre e, de preferência, estarmos os dois em casa, para ser mais fácil e não incomodar um ao outro. Esse tempo livre, e essa disponibilidade, só acontecem em tempo de férias.

 

Mas as férias são intercaladas, uma semana num mês, duas semanas no outro. Se não aproveitarmos ao máximo o verão nessa altura, no resto do tempo é complicado.

Por outro lado, é a altura ideal para limprezas e, de outra forma, não nos conseguimos conciliar ou ter tempo para as limpezas e pinturas.

 

Posto isto, eis que surge o grande dilema:

 

Aproveitar as merecidas e desejadas férias, deixando a casa conforme está, até ver, ou deixar a casa apresentável, sem ter realmente gozado férias, e voltar ao trabalho mais cansada ainda, e com a sensação de não ter estado de férias?

Questão pertinente?

depositphotos_137057738-stock-illustration-priorit

 

Entre os vários termos de pesquisa de ontem, surgiu esta questão, que não deixa de ser curiosa:

 

 

Termos de Pesquisa (ontem)

  1. Quem tem prioridade: um idoso doente ou uma criança doente? 

 

Não sei em que contexto estaria, a pessoa que pesquisou, a procurar uma resposta. Nem sei se aqui se coloca tanto uma questão de prioridade, porque nos serviços, por norma, o atendimento é pela ordem de chegada e, possivelmente, não sendo pela chegada, pela gravidade do problema.

 

depositphotos_137057738-stock-illustration-priorit

 

Mas, se tivessem que escolher entre socorrer um idoso ou uma criança, qual seria a atitude mais acertada? 

 

Na minha opinião, de preferência, e se possível, socorrer ambas, considerando todos os factores e situação em que se encontram. Não sendo possível, qualquer decisão tomada seria acertada. Não considero que socorrer um signifique não querer socorrer o outro. E que um seja mais merecedor que o outro.

 

E por aí, qual é a vossa opinião. Se estivessem nesse dilema, o que fariam? 

O dilema do ovo e da galinha! Ou será tartaruga?!

 

 

Quem é que nunca se perguntou, ou aos outros, "quem é que terá surgido primeiro - o ovo, ou a galinha"?

Para mim, sem qualquer dúvida, e partindo do princípio de que estou a pensar apenas em ovos de galinha, é muito simples: se Deus criou todos os animais, então a galinha surgiu primeiro, e só depois se reproduziu e pôs ovos! 

No entanto, o professor britânico de biologia evolutiva, James McInerney, explica através de um gráfico, que espécies como tartarugas, lagartos, cobras e crocodilos já existiam antes das galinhas. Logo, se estes se reproduzem através de ovos, terão sido mesmo os primeiros a surgir.

O mistério está asssim desvendado, mas leva-nos a um novo dilema: "quem surgiu primeiro - o ovo ou a tartaruga"?!

 

Imagem daqui

Desabafos domésticos

 

Se há coisa que me dá nervos é pôr roupa a lavar. É sempre uma aventura e nunca sei o que dali vai sair.

Eu sei que, actualmente, há detergentes para roupa branca, roupa escura e roupa colorida. Mas que raios, eu não quero ter um armazém de detergentes diferentes para cada ocasião. Nem tão pouco andar a pôr meia dúzia de peças a lavar às prestações.

Já para não falar nas dúvidas que surgem: por exemplo, uma peça azul clara, lavo com roupa branca ou roupa escura? Se lavar com a branca, esta fica azul. Se lavar com a escura, a azul fica manchada. E não posso esperar semanas até que haja outra peça igual. E quando a roupa é metade branca e metade escura? Outro dilema...

Então caros inventores, porque é que não inventam uma máquina de lavar com compartimentos para os vários tipos de roupa, que se possam lavar de uma só vez, sem se misturarem, e com um único detergente próprio para todos eles?!

Isso é que era inovação!