Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Marta - O meu canto

Guardamos tanta coisa só para nós - opiniões, sentimentos, ideias, estados de espírito, reflexões, que ficam arrumados numa gaveta fechada... Abri essas gavetas, e o resultado é este blog!

Reflexão do dia

Imagem relacionada

 

É incrível como, apesar da distância, não nos esquecemos de algumas pessoas, e de pequenos detalhes que poderiam ter ficado perdidos no tempo.

Passe o tempo que passar, continuamos a conhecer tudo sobre essa pessoa...

Por outro lado, são várias as vezes em que convivemos de perto com alguém, muitas até lado a lado, dia após dia, e não fazemos a mínima ideia de como está, de como se sente, do que lhe vai na alma...

E essa é a distância que mais corrói, a mais destruidora de todas...

Fenómenos difíceis de explicar!

 

 

Estava eu ontem preocupada com a chuvada que veio a seguir ao almoço e que, supostamente, me iria encharcar a roupa.

Da minha casa ao meu trabalho são cerca de 10 minutos, a pé, portanto, a distância é relativamente curta. Estava quase a chegar ao escritório quando começa a chover, ainda me molhei um bocadinho, mas safei-me da carga de água que caiu depois, durante 5 a 10 minutos sem parar, e com grande intensidade.

Dali a pouco, o sol voltou a aparecer e o céu limpou totalmente! Cheguei a casa, ao final da tarde e tinha a roupa bem sequinha.

 

Antes, passo pelos meus pais e pergunta o meu pai:

- então, lá em cima também choveu?

- choveu e bem, respondo.

Diz a minha mãe: mas choveu?

 

Ao que parece, choveu apensas em algumas zonas da vila, e noutras não, ou em menor quantidade!

Pela quantidade de água que caiu onde eu estava, e onde o meu pai estava, dava para encher vários baldes de água. A minha mãe diz que, se choveu, foi tão pouco que nem deu para formar pingas.

 

E já não é a primeira vez que isto acontece por aqui!

Uma vez, tinha deixado roupa estendida e ido às compras com o meu marido, também a curta distância (menos de 1 km), e começa a chover torrencialmente. Passada uma hora, chego a casa e tenho a roupa seca, e nem sombra de chuva. Se tivesse chovido não dava tempo de a roupa secar!

 

E com vocês, já alguma vez aconteceu algo parecido?

 

Rx - Joana - Marrocos e o Destino

 
A segunda convidada, que aceitou o convite para se submeter a este RX especial que o cantinho proporciona, foi a Joana, do blog Marrocos e o Destino.
 
Uma mulher de muitas paixões, determinada, aventureira e com muita vontade de aproveitar o que a vida tem de melhor!
 
 
 
 
Destino - É algo em que acredito muito. As coisas não acontecem por acaso. O nome do meu blog diz tudo.
 
Impossível - Esta é um palavra que me diz muito. Durante anos achei que jamais iria ser feliz. Que iria permanecer num casamento sem amor, com violência psicológica e  que me fazia sentir um objecto. Um dia, aquilo que era suposto ser impossível aconteceu. Conheci  o Miguel, que em 2 meses me deu a força para dizer "chega". Já lá vão 17 anos e continuo a dizer que ganhei o meu euromihões.
 
Velhice - Acompanha-me diariamente, pois o meu trabalho é tratar de idosos. Foi a minha profissão que me fez olhar a velhice de forma diferente. Se antes achava que todos os idosos eram bonzinhos, hoje sei que não é assim. Fez-me ver que nem tudo é melhor do que a morte.
Mentiria se dissesse que a velhice não me assusta. É terrível imaginar que poderei acabar como a maioria dos meus utentes. Dependente dos outros para fazer a higiene, para comer e para beber.
Ainda assim sonho ser uma velhota rija, de bem com a vida e a viajar muito.
 
Vencer - Considero que a vida é uma estrada com muitas lombas. Umas maiores que outras, mas que têm de ser ultrapassadas. Algumas tão grandes que nos fazem sentir umas vencedoras.
 
Distância - Distância...uns dias faz-me ir ao tapete, faz-me equacionar se as minhas /nossas decisões são as melhores, se a distancia não acabará com o nosso amor. Por outro lado neste momento é a distância que faz com que os nossos objectivos sejam concretizados.
 Menos mal que as novas tecnologias fazem encurtar as distâncias.
 
Amor - É a base para a felicidade. Não me refiro apenas no amor entre as pessoas, mas colocar amor naquilo que fazemos faz a diferença no dia a dia. No nosso e nos outros.
 
Aventura - Esta palavra leva-me directamente para aquela que considero a minha primeira grande aventura. Nunca tinha andado de avião, aliás jurava a pés juntos que nunca me sentaria num. O Miguel trabalhava em Israel e foi numas férias dele que nos conhecemos. Aquele sentimento assustador que não sabíamos explicar muito bem foi crescendo e levou-nos a tomar a decisão de mandar tudo e todos ao diabo e iniciar uma relação. Ansiávamos estar juntos e para isso acontecer tinha de ser eu a ir até Israel. Além do medo de andar de avião, havia o medo de me enganar e de embarcar para outro país(como se fosse possível), o medo de chegar ao aeroporto e não ter o Miguel à minha espera e o medo da nossa relação não dar certo. Esta aventura foi ainda presenteada com um check in assustador. Daqueles que inclui perguntas e mais perguntas, revista de malas e revista aqui à "je".
 
Viagens - Uma das minhas grandes paixões. É daquelas coisas que me faz gastar muito dinheiro, mas que me dá muito prazer. Adoro o ritual, embora me deixe stressada de escolher o local, fazer a mala e a chegada ao destino.
No outro dia eu e o Miguel conversávamos sobre as nossas viagens e fizemos as contas ao dinheiro que já gastámos. Chegámos à conclusão que podíamos ter a conta no banco recheadinha, mas não seriamos tão felizes.
 
Gatos - Ui, outra grande paixão. Não consigo imaginar a minha vida sem os meus 2 bichanos. Tornam o meu dia muito mais divertido. Excepto quando a gata Maria decide presentear-me com umas novas tatuagens.
 
Degustação - Durante anos não tirei prazer na comida. Se antes era um sacrifícios sentar-me à mesa, agora é um perigo. Não sou boa boca, daquelas que come tudo, mas quando gosto...perco-me. Sinal disso é os quilitos a mais.
Aliar as viagens à gastronomia é do melhor.
 
 
Muito obrigada, Joana!

Quando a distância vence a proximidade

 

 

Imaginem que estas duas falésias, agora distantes, já outrora formaram uma só.

Que já houve um tempo em que a força da natureza não conseguia actuar neste rochedo. Mas, com o tempo, a fenda abriu e, aos poucos, foi penetrando cada vez mais fundo até o separar em dois.

Imaginem que, quando isso aconteceu, cada uma das partes tentou manter-se o mais próximo possível uma da outra.

No entanto, o mar colocou-se entre elas e não deu tréguas. Por cada pequena aproximação bem sucedida, uma onda revolta provocava um afastamento maior.

Imaginem que, com o tempo, as duas falésias já estão, de tal forma, habituadas à separação e à distância, que já nem a estranham, nem se incomodam. Nem tão pouco se esforçam por vencer a força da natureza e voltar a juntar-se, a unir-se como um só rochedo, que um dia foram.

Esse será o dia em que a distância vencerá a proximidade...

 

Nunca digas adeus

 

Duas crianças solitárias, com vidas totalmente diferentes e, ainda assim, tão semelhantes, tornam-se "amigas de verão".

Durante vários anos, é essa a única altura em que se juntam, se divertem, partilham segredos, sonhos e experiências. No resto do tempo, trocam correspondência e contam os dias para voltarem a estar juntas.

Até ao dia em que cada uma segue o seu caminho, e se distanciam, perdendo por completo o contacto uma com a outra.

Susan e Beth reencontram-se, muitos anos mais tarde, já adultas, nas qualidades, respectivamente, de arguida e advogada oficiosa, após um assassinato numa clínica.

Ao longo da história vamos percebendo que nenhuma delas conhecia verdadeiramente a outra, e que aquilo que cada uma invejava na outra não passava de uma ilusão.

Percebemos que, como diz o ditado "só quem está no convento é que sabe o que vai lá dentro", e que as aparências enganam.

E, mais que tudo, percebemos as consequências que diversos acontecimentos podem trazer à vida e à mente do ser humano.

O passado influenciou o presente, e condicionará o futuro. Haverá ainda uma réstia de esperança para qualquer uma delas? Ou será tarde demais?... 

  • Blogs Portugal

  • BP